Ivan Sidorenko: o mais mortífero atirador soviético que eliminou 500 inimigos

Ivan Sidorenko alistou no Exército Vermelho por sua própria vontade. Antes disso, ele era um estudante de arte. Mas no exército,  revelaram nele um talento militar mortal. Sidorenko tinha como princípio  “um tiro – uma morte” e assim se tornou uma máquina de matar para a União Soviética. Ele matou cerca de 500 inimigos à tiro durante a Segunda Guerra Mundial. Assim nasceu a lenda do atirador mais mortal do Exército Vermelho.

Início da vida e carreira de Ivan Sidorenko

Sidorenko nasceu em uma família de camponeses em 12 de setembro de 1919, na região de Smolensk. Ele abandonou a escola no 10º ano. Curiosamente, seu primeiro amor foi arte. Ele entrou na Escola de Arte de Penza, onde estudou até 1939. Com o início da Segunda Guerra Mundial, Ivan Sidorenko veio em auxílio de seu país e entrou para o serviço no Exército Vermelho.

Em 1941, Sidorenko estava na Escola de Infantaria Militar de Simferopol, na Criméia. Lá ele aprendeu como se tornar parte de um esquadrão de morteiros em que ajudava a carregar, descarregar e recarregar artilharia de longo alcance.

Sidorenko parecia desejar mais ação. Quando seu pelotão de morteiros tinha tempo livre, ele próprio ia matar soldados alemães. Ele atirava apenas de longe e, portanto, aprendeu a eliminar secretamente o inimigo.

Sidorenko era claramente mais útil como sniper do que membro do esquadrão de artilharia. Ele continuou ensinando aos outros como matar da mesma maneira secreta que ele. Seus alunos se tornaram excelentes atiradores. Sidorenko também ensinou seus alunos no campo de batalha. Ele levou um estagiário para a zona de guerra e treinou-o em combate real. Em um desses episódios, talvez a façanha mais impressionante de Sidorenko tenha ocorrido quando ele explodiu um caminhão-tanque alemão e parou com sucesso a ofensiva alemã, destruindo suas linhas de abastecimento. O Lema de Sidorenko era “Um tiro – Uma morte”, e  isso se aplicava tanto a pessoas quanto a veículos.

Cada pessoa treinada por Sidorenko teve um impacto direto na defesa de Moscou. Suas tropas eram tão mortais que os alemães inundaram a área com seus franco-atiradores para combater a ameaça. Não funcionou. Sidorenko e seus camaradas eram muito habilidosos.

Contagem das mortes de Sidorenko

É relatado que em três anos, Ivan Sidorenko matou cerca de 500 pessoas. No entanto, esse número pode ser superestimado, já que a URSS criou o “culto do atirador” para intimidar seus inimigos.

Além disso, os comandantes confiaram nos próprios relatórios dos seus atiradores para calcular com precisão os números de mortes. Sidorenko, ou qualquer atirador de elite a esse respeito, poderia facilmente inflar os números de baixa. Apesar disso, em 4 de junho de 1944, Ivan Sidorenko recebeu o título de Herói da União Soviética por suas proezas.

Do ponto de vista dos atiradores mais mortais da Segunda Guerra Mundial, Sidorenko ficou em segundo lugar. O atirador finlandês Simo Haya foi o primeiro com 542 mortes confirmadas, embora ele possa ter matado mais de 700 pessoas durante a guerra.

Sidorenko foi ferido em batalha várias vezes durante a guerra. Seus superiores sentiram que ele era um guerreiro valioso demais, e após a última lesão, Sidorenko foi instruído a permanecer como treinador. Quando a Segunda Guerra Mundial terminou, Sidorenko renunciou ao cargo de major e trabalhou como encarregado em uma mina de carvão.

Fonte: Pravda

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove + catorze =