Japão lançará água de Fukushima no mar

O governo do Japão anunciou na terça-feira planos para liberar mais de 1 milhão de toneladas métricas de água contaminada da usina nuclear destruída de Fukushima no Oceano Pacífico após um processo de tratamento

Fukushima
Pessoas perto de tanques de armazenamento de água radioativa na usina nuclear Fukushima Dai-ichi em Okuma, Província de Fukushima, Japão, em 2020. Foto: Tomohiro Ohsumi / Getty Images

Embora o Japão parece ter cumprido os padrões de segurança nuclear aceitos globalmente, autoridades na Coreia do Sul, China e Taiwan, residentes locais, profissionais da indústria pesqueira e grupos verdes se opõem aos planos, que deve começar em cerca dois anos, pelo Guardian .

O anúncio encerra anos de debate sobre como descartar a água acumulada que está vazando na usina de Fukushima Daiichi em Ōkuma devido ao desastre nuclear de 2011 , causado por um terremoto e tsunami.

A água destinada a resfriar o material nuclear tem escapado continuamente dos reatores danificados no desastre.

“Para compensar a perda, mais água foi bombeada para os reatores para continuar a resfriar o combustível derretido”, afirma a AP . “A água também é bombeada e tratada, parte da qual é reciclada como água de resfriamento, e o restante é armazenado em 1.020 tanques que hoje contêm 1,25 milhão de toneladas de água radioativa”.

O Ministério da Economia, Comércio e Indústria do Japão disse em um comunicado que a água seria tratada e diluída para reduzir os níveis de radiação abaixo dos definidos para a água potável. O processo deve levar décadas para ser concluído.

A empresa privada Tokyo Electric Power, operadora da usina, e funcionários do governo disseram que a maioria dos elementos radioativos pode ser removida, exceto o trítio, um material que não causa danos em pequenas quantidades.

Funcionários do governo vão intensificar os esforços para monitorar a radioatividade, de acordo com o ministério.

“Prevê-se que os tanques de armazenamento de água no local estejam cheios em meados de 2022”, relata a Bloomberg.

Há água suficiente na instalação para “encher mais de 500 piscinas olímpicas”, observa Bloomberg .

O primeiro-ministro japonês Yoshihide Suga disse em uma reunião de ministros na terça-feira que liberar água usada para resfriar combustível nuclear no mar era a escolha “mais realista” e “inevitável para alcançar a recuperação de Fukushima”, observa o Guardian.

“O governo japonês compilou políticas básicas para liberar a água processada no oceano, depois de garantir os níveis de segurança da água”, acrescentou Suga. “E enquanto o governo toma medidas para evitar danos à reputação.”

O ministro das Relações Exteriores da Coreia do Sul expressou “sério pesar” no anúncio, de acordo com a BBC .

O Ministério das Relações Exteriores da China disse em um comunicado: “Para salvaguardar os interesses públicos internacionais e a saúde e segurança do povo chinês, a China expressou grande preocupação ao lado japonês por meio dos canais diplomáticos”.

O ativista do clima e energia do Greenpeace, Kazue Suzuki, disse em um comunicado que o governo do Japão “desconsiderou os riscos de radiação e deu as costas às evidências claras de que há capacidade de armazenamento suficiente disponível no local nuclear, bem como nos distritos vizinhos”.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

8 − 1 =