Como as mãos ineptas americanas rompem o triângulo de Kissinger

Vista do Capitólio em Washington. Foto: Reprodução

Por Piotr Akopov

Os americanos estão intensificando os esforços para deformar o principal triângulo geopolítico, na esperança de mudar o equilíbrio de poder na configuração dos Estados Unidos – Rússia – China. Não se trata das paixões provocadas pelo coronavírus nas relações EUA-China, mas dos jogos em torno da extensão do tratado START-3.

Esses jogos não são apenas sobre armas nucleares – o objetivo real dos Estados Unidos são as relações russo-chinesas.

Antes da expiração do tratado armas de estratégicas russo-americano, restam apenas oito meses. E se não for estendido, pela primeira vez em meio século, o mundo ficará sem acordo entre as duas superpotências nucleares sobre a limitação de forças nucleares estratégicas. Ou seja, removerá quaisquer restrições à corrida armamentista.

A Rússia há muito tempo propõe estender o tratado (ou concluir um novo) – mas as negociações não começaram e o tempo está se esgotando, sem mencionar o fato de que a quarentena devido ao coronavírus o reduziu ainda mais. Na semana passada, Donald Trump, em uma conversa por telefone com Vladimir Putin, pediu a retomada das negociações, dizendo que “espera ansiosamente discussões futuras” – porque você deve evitar a “corrida armamentista”. O gelo está quebrando? Nada disso – porque “os Estados Unidos estão comprometidos com o controle eficaz de armas, que inclui não apenas a Rússia, mas também a China”.

É nessa frase que reside o principal obstáculo à extensão do START-3 – os americanos querem concluir um novo tratado não de maneira bilateral, mas trilateral. Ao incluir a China, que é categoricamente contra. E Pequim está absolutamente certa – a China desenvolveu armas atômicas e seu primeiro teste foi apenas em 1964, muito mais tarde que os EUA e a URSS, e enquanto a corrida armamentista soviético-americana estava em andamento e os tratados de redução e controle foram concluídos, ela ficou absorvido na conturbada “revolução cultural”. A República Popular da China começou realmente a se engajar no programa de mísseis nucleares apenas no final dos anos 70 – e sua relutância em impor as restrições adotadas pelos EUA e pela Rússia é compreensível. Os dados exatos sobre o número de ogivas chinesas são desconhecidos, mas, de qualquer forma, o potencial nuclear da RPC (assim como seus veículos de entrega) é várias vezes menor que os EUA e a Rússia.

Ao mesmo tempo, a China está em um ambiente americano abertamente hostil – as bases militares dos EUA, incluindo aquelas com armas nucleares, estão localizadas ao longo de todo o perímetro das fronteiras chinesas do leste e do sul, os Estados Unidos apoiam militarmente Taiwan , que se separou da RPC, e a frota americana navega ao longo da costa chinesa. Sob essas condições, apenas aqueles que estão interessados em manter sua superioridade sobre o Império Celestial e seguir uma política de conter a China sempre que possível, podem considerar agressivo o programa chinês de acúmulo de armas (de míssil ao poder naval). Os EUA não escondem seu desejo de manter uma vantagem militar sobre a China, inclusive na esfera dos mísseis nucleares.

Tudo é simples? Sim, mas aqui começam os jogos americanos com a Rússia. A aproximação estratégica russo-chinesa levou ao fato de que, no ano passado, Vladimir Putin anunciou que estávamos ajudando Pequim a criar um SPRN (sistema de alerta de ataques com mísseis) – isto é, compartilhar o que nós e os americanos temos. Esta não é uma exatamente uma aliança militar, mas relações muito estreitas. É claro que a Rússia e a China não se veem como oponentes em potencial, mesmo no médio prazo, mas a atitude em relação aos Estados Unidos é exatamente o oposto. Primeiro, porque os próprios Estados chamam oficialmente a Rússia e a China de uma ameaça à sua segurança nacional, embora seja muito mais correto falar sobre uma ameaça à ordem mundial americana.

Mas nem a Rússia nem a China estão pensando em acelerar o declínio do “mundo ao estilo americano” por métodos militares, ele já está sendo destruído diante de nossos olhos, graças às ações dos Estados Unidos e aos esforços cada vez mais coordenados de seus oponentes, principalmente os russos em aliança com os chineses. É claro que a corrida armamentista – entre os Estados Unidos, por um lado, e a Rússia, com a China, por outro – ainda está em andamento, apesar de quaisquer tratados, mas sua presença permite colocá-la pelo menos em algum tipo de estrutura.

O que é benéfico para a Rússia e os Estados Unidos – ambos os países têm armamentos nucleares mais do que impressionantes, e a única questão é o desenvolvimento de novos mísseis supersônicos, em particular. Não faz sentido vincular a China a tratados bilaterais – primeiro, porque fica para trás quantitativa e qualitativamente, e segundo, porque ela categoricamente não quer isso. Mas os americanos insistem, e fazem isso de maneira cada vez mais grosseira. Porque?

Alguns dias atrás, o The Washington Times publicou a primeira grande entrevista com Marshall Billingsley, enviado especial do presidente e futuro secretário de Estado adjunto para controle de armas e segurança internacional (ele ainda precisa ser aprovado pelo Senado) – com a manchete dizendo: “A participação da China é um fator chave na assinatura de um novo tratado “START” com a Rússia.

“Uma das principais deficiências sobre o novo tratado START, além de outros problemas relacionados, é que ele não inclui a China. A necessidade de um novo tratado START é uma questão que os russos devem entender. O atual tratado não dá aos Estados Unidos nenhuma segurança em relação à China e também não dá aos Estados Unidos nenhuma resposta aos nossos receios sobre o que a Rússia está fazendo, que está realizando uma série de ações desestabilizadoras fora do escopo deste tratado “.

Billingsley diz sem rodeios – antes que Moscou comece a pensar em qualquer extensão do tratado, deve “convidar a China para a mesa de negociações”.

Ou seja, não haverá acordo com a Rússia sem a China – o que equivale a um cancelamento do acordo em geral. Mas por que os EUA continuam insistindo em um cenário completamente impossível? Só assim? Por uma questão de pressão sobre a Rússia? Repreender a China novamente? Ou para tentar separar a Rússia da China?

Como o enviado especial de Trump disse: os novos sistemas nucleares da China, incluindo mísseis de menor alcance, devem incomodar a Rússia.

“Obviamente, o que a China está fazendo é provavelmente orientado para eles da mesma forma que é para nós, e os russos devem admitir isso.”

E assim – tudo é simples. Moscou é convidada a mudar sua estratégia de política externa – reconhecer a China como uma ameaça à Rússia e arrastá-la para negociações tripartites com os americanos. E isso é dito com toda a naturalidade pelo representante especial do presidente dos EUA. No entanto, por que se surpreender – afinal, a teoria suicida da geopolítica americana ainda é muito popular nos Estados Unidos de que uma aproximação russo-chinesa a longo prazo é impossível, porque existem contradições supostamente enormes e irreparáveis entre os dois países. Além disso, Billingsley se refere a um “poder regional” isolado de todo o mundo, com uma “economia despedaçada”. Essa percepção da Rússia é inerente não apenas a Barack Obama há apenas cinco anos – é a autoconfiança cega da maioria da elite americana.

Fonte: RIA Novosti – Tradução OPP

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − treze =