“Massacre” nas ruas da Colômbia: o que temem outros países do mundo

Por Igor Shatrov

A vida corre a todo vapor, especialmente na Colômbia, e os acontecimentos que estão ocorrendo se refletem de uma forma ou de outra no resto do o mundo.

– A Colômbia é um país muito bonito, talvez com a história mais trágica de toda a região. Ela é conhecida por uma série de estereótipos criados pela imprensa e por Hollywood:

  • drogas, violência, traficantes, Pablo Escobar e assim por diante.

Mas esse é um lado da moeda. E o segundo é um país muito legal com uma cultura interessante, com uma enorme variedade de natureza e história. Esta literatura de García Márquez, realismo mágico e tudo mais é um reflexo da realidade cotidiana da Colômbia, profundamente humana, muito interessante, muito complexa, profundamente trágica também, já que a Colômbia é o único país da América do Sul que ocupa uma posição geopolítica tão privilegiada – acesso aos oceanos Pacífico e Atlântico, esta é a chave de todo o continente tão rico.

A injustiça social na Colômbia dispara, mas ninguém se importa

A Colômbia é um dos países com maior injustiça social na região.

colômbia

Se em todos os outros países da América Latina em meados do século passado ocorreu uma reforma agrária que amenizou parcialmente as contradições no campo, então na Colômbia praticamente não há estradas, ou seja, não há Estado.

  • O estado não controla a maior parte do território do país, porque o estado não tem interesse nisso.
  • As duas maiores e mais ricas cidades são Bogotá e Medellín. A distância entre eles é inferior a 200 km. A estrada está em um estado que pode levar de 10 a 12 horas ou mais.

É fácil imaginar o que está acontecendo no campo, no sertão, e por que na história da Colômbia sempre houve a imagem de um homem armado:

  • Vários movimentos guerrilheiros, militantes de extrema direita, paramilitares e quaisquer formações armadas sempre foram e continuam sendo o único poder real na maior parte do território colombiano.

Ao mesmo tempo, o país permanece “democrático”. Continua a fazer parte do chamado mundo civilizado:

  • A economia está crescendo, o desenvolvimento econômico está em andamento.
  • As organizações internacionais não questionam sobre as violações dos direitos humanos na Colômbia.

Enquanto isso, neste momento histórico, o país vive um verdadeiro drama:

  • há uma revolta popular contra o modelo prevalecente de capitalismo selvagem.

Em breve, bombardeio colombiano se repetirá em outros países

A mídia mundial está democraticamente silenciosa sobre o que está acontecendo no país latino-americano, porque tem temas muito mais importantes. Por exemplo, Venezuela, Cuba e assim por diante.

Será porque só “estourou” na Colômbia e logo estará à espera de muitos outros países?

Estamos à beira de novos fenômenos psicossociais que não podemos mudar em termos de história anterior, ferramentas sociológicas anteriores, análises e assim por diante.

Porque o modelo econômico que governa o mundo, que costuma ser chamado de neoliberalismo na América Latina (ou seja, é o capital especulativo que se apodera de nossos países), vive agora a crise mais severa e aguda de toda a sua história.

É muito difícil acreditar nisso a partir da realidade russa.

Ainda estou surpreso com a normalidade da vida em Moscou, na Rússia e assim por diante (em comparação com outros países).

A vida na América Latina é completamente diferente agora. A pandemia dos últimos 15 meses praticamente destruiu a pequena classe média que existia.

As pessoas, uma grande parte da população, a maioria dos hispânicos estão morrendo de fome ou prestes a começar.

  • O medo da fome é mais real, mais imediato do que o medo de contrair o vírus.

Embora se cerca de 6% da população do planeta Terra viva na América Latina,  25% das mortes por coronavírus no mundo ocorrem lá. Ou seja, este é também um problema totalmente real, que é muito difícil de imaginar.

Tudo começou no Chile

Lembramos como a propaganda de Pinochet no Chile se apresentava como um milagre econômico, um modelo, um oásis na América Latina. Nem tudo era verdade. Na verdade, a pobreza extrema reinava no país.

Mas os comerciantes chilenos são muito bem-sucedidos, os mais bem-sucedidos da América Latina. 

E esse mito existia no nível da mídia de massa. E em 19 de dezembro de 2019, seis meses antes do coronavírus, uma poderosa explosão social inesperadamente ocorreu no Chile, da qual participa a grande maioria da população de todo o país: em áreas pobres e ricas.

Ao contrário de alguns processos Maidan, isso não é controlado por ninguém de fora, é realmente um fenômeno de uma ordem completamente diferente, o que é surpreendente para seus próprios participantes.

Além disso, o governo não entende o que está acontecendo.

Colômbia segue os passos do Chile

Na Colômbia, desde 28 de abril, aconteceu algo muito parecido com o fenômeno chileno.

A única diferença é que a pobreza na Colômbia, o nível de violência nas ruas, o nível de violência no interior, a ausência de um Estado é um problema muito mais agudo.

Uma vida humana vale muito menos ali.

O governo colombiano, que não deu conta da vacinação da população, tendo compras fracassadas, embora houvesse dinheiro e recursos, de repente propõe uma série de reformas:

  • reforma tributária que favoreça os ricos, privando-os dos riscos de uma pandemia;
  • propõe a introdução do IVA sobre produtos essenciais para a população já faminta.

Em resposta, milhões de pessoas em todo o país estão tomando as ruas.

protestos

E a resposta às manifestações pacíficas (foram completamente pacíficas na primeira fase) foi a violência policial completamente brutal, a violência do exército, que nas grandes cidades, na capital Bogotá, em Medellín, abre fogo contra os manifestantes com lançadores de granadas.

Já que o exército e a polícia não cumprem com essas funções usuais na Colômbia, grupos de militantes de ultradireita que foram treinados em seu tempo pelo exército para combater guerrilheiros e camponeses, civis sob a proteção do exército e da polícia, representantes dos privilegiados de parte da população está atirando contra manifestantes em todo o país.

  • Um verdadeiro massacre está ocorrendo no país. Isso já dura 15 dias.

Há um massacre real (esta não é uma guerra civil), porque está ocorrendo contra uma população desarmada.

Fonte: Pravda

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!