Na Geórgia, a oposição e os manifestantes invadiram o prédio do parlamento

Foto: twitter.com/KhatiashviliS

TBILISI, 20 de junho – Em Tbilisi, representantes da oposição, junto com os manifestantes, tentam invadir o prédio do parlamento, informou o primeiro canal da Geórgia .

De acordo com o canal, os manifestantes estão exigindo a renúncia de membros do governo, a polícia tenta controlar a situação e há brigas entre os manifestantes e a polícia.

Além disso, os manifestantes jogam garrafas na polícia que estão com equipamentos especiais. Depois disso, as forças especiais usaram gás de pimenta contra os manifestantes. Segundo a mídia, alguns manifestantes precisavam da ajuda de médicos.

O primeiro-ministro Mamuka Bakhtadze chegou ao prédio do parlamento. Ele disse que a oposição está tentando desestabilizar a situação no país.

Como tudo começou

Anteriormente, a Sessão Geral da Assembléia Parlamentar de Ortodoxia foi realizada na capital da Geórgia. O chefe da delegação russa, Sergei Gavrilov, abriu a sessão, sentado na cadeira do chefe do parlamento georgiano. Isso causou descontentamento entre os deputados da oposição do Movimento Nacional Unido e da Geórgia européia.

Os opositores deixaram o salão, a reunião foi suspensa. Depois disso, o edifício do parlamento foi capturado pelos radicais. Como RIA Novosti Gavrilov afirmou anteriormente, durante a ação extremista no parlamento, os radicais despejaram água sobre ele e tentaram tirar-lhe os documentos.

Mais cedo, os manifestantes exigiram que os delegados russos deixassem o país imediatamente. Os manifestantes jogaram ovos no prédio do hotel onde Gavrilov estava.

Delegados russos já deixaram Tbilisi. A segunda onda do protesto começou na quinta-feira à noite, o número de participantes chegou a cerca de mil pessoas, os manifestantes bloquearam Avenida Rustaveli.

Cerca de cem policiais de patrulha com equipamentos especiais foram mobilizados no local. Os participantes da ação expressam sua insatisfação com a visita dos delegados russos e com as ações das autoridades que permitiram que a sessão fosse realizada.

O que os manifestantes exigem

Os opositores exigem a renúncia do Presidente do Parlamento, Irakli Kobakhidze, e do Ministro do Interior, Georgy Gakharia, que são considerados responsáveis ​​pelo incidente.

Contra o pano de fundo dos protestos, Gakhariya chamou a situação em frente à “tragédia” do parlamento e “a tomada de instituições estatais”.

“Não importa como essa tragédia termine hoje, seja qual for o fim, ela será devidamente avaliada e todos os perpetradores serão punidos”, disse Gaharia a repórteres, observando que considera inaceitável a violência contra policiais.

O chefe do Ministério da Administração Interna acrescentou que ele estava pronto para deixar o cargo, se necessário.

Reação russa

A Rússia também respondeu aos protestos em Tbilisi. Assim, o porta-voz da Duma, Vyacheslav Volodin, disse que as ações das autoridades georgianas durante a organização da assembléia são contrárias às normas internacionais. Ele acrescentou que o lado georgiano não pode garantir a realização do evento, nem proteger a delegação russa de ataques e ameaças.

Por sua vez, o vice-ministro das Relações Exteriores, Grigory Karasin, expressou indignação com as ações dos representantes das forças políticas radicais da Geórgia, que interromperam o trabalho da assembléia.

Comentando o que aconteceu com a RIA Novosti, ele apontou que “ele está seguindo com preocupação o desenvolvimento da situação em torno da reunião de Tbilisi da Assembléia Parlamentar da Ortodoxia”.

“No entanto, estamos determinados a continuar a linha sobre a normalização das relações russo-georgianas, atendendo aos interesses dos povos dos dois países”, concluiu.

Fontes:  Dknews/RIA Novosti

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × três =