O começo do fim: a geopolítica da vacina

capitalismo
pinterest

Se para o historiador marxista Eric Hobsbawm o século 20 foi um curto século que começou em 1914 com a Primeira Guerra Mundial, talvez pudéssemos nos aventurar a pensar que neste 2020 que encerramos, está se iniciando o século 21, um século de pandemias e crises.

Há também quem diga que o ciclo que se iniciou com a crise económica de 2008 está a terminar, mas nesse caso, se a primeira grande crise do século XXI foi uma tragédia, agora trata-se de uma farsa em que, ao contrário de 2008, onde a crise foi resgatada por bancos privados com dinheiro público, desta vez as empresas farmacêuticas privadas estão sendo financiadas antecipadamente com dinheiro público.

De qualquer forma, este 2020 que já passou, deixou claro que a relação entre as pandemias que nos assolam e o sistema produtivo capitalista é cada vez mais estreita. A acumulação por expropriação teorizada por outro marxista britânico, David Harvey, tornou-se mais presente do que nunca no ano passado. A privatização dos bens comuns e a especulação com a saúde (respiradores, testes, vacinas …) têm sido uma constante durante esta pandemia que ainda não acabou.

A polêmica sobre a administração da vacina nos deixa pelo menos uma coisa clara: dinheiro não dá direito, embora haja quem queira que assim seja. Os ricos devem pagar (mais impostos) para financiar saúde e educação, mas também vacinas gratuitas e universais para toda a população. Eles podem ir para hospitais privados ou universidades, mas isso não lhes dá mais direitos em relação à população em geral. Pelo contrário, primeiro os pobres e o pessoal de saúde.

Diante da demanda por direitos universais, 2020 foi o ano da privatização da luta contra a pandemia. Milhões e milhões de dólares de dinheiro público investidos em uma indústria, a indústria farmacêutica, que gasta mais de 100 milhões de dólares em atividades de lobby a cada ano.

Por exemplo, a Pfizer, a transnacional mais badalada para sua vacina, gera receitas anuais de 52 bilhões de dólares e pertence ao gestor do fundo abutre Black Rock. No entanto, no início da pandemia era subsidiado com mais de 2 bilhões de dólares de dinheiros públicos, pouco menos do que os 2,5 bilhões de subsídio que a Moderna recebeu.

E ainda, apesar de ter desenvolvido vacinas com boa parte de financiamento público, não podemos conhecer as cláusulas dos contratos que as empresas farmacêuticas estão firmando com os estados para a distribuição da vacina. Existe a possibilidade de rescindir contratos? A soberania do Estado está sendo abandonada com a desculpa da urgência?

Perguntas sem resposta ao mesmo tempo em que reforça um sistema de patentes que apenas agrava a desigualdade geopolítica e econômica global, ao mesmo tempo que prioriza a lucratividade em relação à saúde pública. A privatização da agenda de saúde pública mundial já é um fato, em uma área de negócios muito suculenta sob a lógica do capitalismo voraz e da especulação financeira.

A disputa geopolítica também foi levada para a área de relações públicas, com disputa midiática entre 4 dos 5 membros que compõem o Conselho de Segurança das Nações Unidas: China, Rússia, Estados Unidos e Reino Unido, ganhando especial relevância no que diz respeito as notícias relacionadas à China. Recentemente, vimos a hipocrisia da mídia no caso da jornalista da oposição Zhang Zhan, presa de acordo com as transnacionais da mídia ocidental por “reportar e cobrir a pandemia” na China. A realidade é que Zhan fez o que era proibido em qualquer país do mundo durante a pandemia: entrar nos necrotérios e registrar os mortos e suas famílias e depois enviar para o YouTube sem o consentimento deles, em clara violação de sua privacidade.

2020 termina, 2021 começa, e a dívida de famílias, empresas, bancos e governos em todo o planeta chega a quase 300 trilhões de dólares, cerca de 365% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial. Enquanto isso, os 12 milionários de Wall Street, liderados por Jeff Bezos, da Amazon, aumentaram seu patrimônio líquido em 40%, para US $ 283 bilhões.

Fecho, portanto, esta coluna, escrita no último dia do ano, com os meus votos para 2021 (ainda não decidi se é o ano do início do fim ou do fim do início): a redução da desigualdade num mundo onde as crenças não prevalecem sobre a verdade, e que podemos nos abraçar novamente.

Fonte: TeleSur

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 + 12 =