O comunista Thomas Sankara tornou-se herói de Burkina Faso

fotos

O governo de transição do Burkina Faso declarou Thomas Sankara herói nacional. Assassinado em 15 de outubro de 1987, em consequência de uma traição, o jovem líder popular tornou-se uma figura de culto não apenas para os burquinenses. Hoje, Sankara é um ídolo do hip-hop e do reggae, lembrado como “o Che Guevara de África” e “o presidente mais pobre”, que ia de bicicleta para o trabalho e fez avanços na luta contra as doenças, a fome e o analfabetismo.

Um oficial combatente das forças especiais que se tornou um comunista convito; o jazzista que escreveu o hino de Burkina Faso; o orador que deu o nome ao seu país; o autor de um milagre econômico realizado sem conselheiros ocidentais e apesar deles; um político que se preocupou com o meio ambiente antes mesmo da popularidade dos partidos “verdes” na Europa; um crítico profundo do neocolonialismo, que explicou a essência dos problemas de África em palavras simples e compreensíveis – esta é uma lista superficial e incompleta das facetas da personalidade de Sankara.

Herói das pessoas honestas

O capitão Ibrahim Traore, 35 anos, que chegou ao poder no Burkina Faso em julho de 2022, lembra regularmente de Sankara e presta-lhe homenagem. O governo rebatizou a Avenida Charles de Gaulle – uma das maiores e mais famosas da capital – Boulevard Thomas Sankara. “A atribuição do estatuto de herói nacional a Sankara visa preservar os valores que fundamentam a república”, explicou um porta-voz do governo aos jornalistas.

No entanto, a este respeito, Traoré e os seus associados não são muito diferentes de muitos milhares de representantes ativos da juventude africana, especialmente nas antigas colônias francesas. “Sankaromania” ultrapassa as fronteiras do Burkina Faso, enfatizou Jeune Afrique, uma importante publicação pan-africana em francês, em 2012.

“Sankara é um fenómeno que ultrapassa as fronteiras do Burkina Faso”, explicou o rapper Serge Martin Bambara, também conhecido como Smokey, à Jeune Afrique, “Congo, Senegal, Mali… Os jovens estão agora à procura de heróis que deverão substituir Sankara, o ponto final ainda não foi encenado nesta história. Houve a geração de Cheikh Anta Diop, depois a geração de Nkrumah e Lumumba, e hoje a nova geração leva o nome de Thomas Sankara.”

Related Posts
Uma nova (e mais justa) Nuremberg
fotos

A Federação Russa continua a desempenhar o seu papel civilizador na Ucrânia, capturando, julgando e punindo os nazis que participaram [...]

Impossibilitada de escalar militarmente, OTAN aposta na retórica
fotos

Continuando sua incessante onda de escaladas na guerra contra a Federação Russa, os países da OTAN decidiram deliberar sobre “autorizar” [...]

O Ocidente já está em guerra com a Rússia, mas os seus líderes não conseguem acordar de um sonho
fotos

A OTAN está a planejar algo grande na Ucrânia? Estaremos agora à beira do início da Terceira Guerra Mundial, já [...]

Iêmen contra-ataca, visando o USS Eisenhower
fotos

As Forças Armadas do Iémen, alinhadas com Ansarallah, aumentaram as apostas no Mar Vermelho ao atacarem o porta-aviões norte-americano Eisenhower [...]

‘Líder do mundo livre’ permite genocídio e aniquilação global
fotos

Se houver alguma esperança, pode ser que a abominável realidade estimule o mundo a revoltar-se contra este sistema criminoso e [...]

Pogroms, censura, manipulação midiática: o que o Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
fotos

Israel rompe todos os limites de ultraje, humilhação e desprezo pela dignidade humana, cuja vítima há 75 anos é o [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!