O coronel Kaddafi avisou o Ocidente antes de sua morte: vocês são idiotas!

O governante da Líbia foi morto há dez anos, mas a “primavera árabe” iniciada pelos Estados Unidos ainda está em chamas

Kaddafi

A frase de uma política famosa “Que ótimo!” em uma ocasião das mais violenta e sanguinária pertence à ex-secretária de Estado norte-americana Hillary Clinton. Imagens que percorreram o mundo, ela é mostrada em seu smartphone durante o episódio do assassinato brutal de Kaddafi , e ela exclama com entusiasmo “Uau!”

Muammar Kaddafi, líder da Grande Jamahiriya Árabe Popular Socialista da Líbia (ele próprio cunhou este nome para a Líbia) foi morto em 20 de outubro de 2011. O coronel governou sozinho o país por 43 anos. Ele chegou ao poder após um golpe militar em 1969, enquanto ainda usava as divisas de capitão.

Mas o ex-revolucionário jamais esqueceu o povo. Sob ele, a Líbia se tornou o país mais próspero da África. PIB per capita em 2009 – $ 9.714, 49º no mundo. Subsídios anuais para cada membro da família, benefícios para os noivos na compra de um apartamento, pagamentos para cada recém-nascido. Praticamente não havia impostos, a medicina e a educação eram gratuitas. Um litro de gasolina custava 14 centavos, mais barato que água!

Mas então no início de janeiro de 2011 a “primavera árabe” explodiu.

Se na Tunísia e no Egito, onde começou a “primavera árabe”, a situação acabou voltando a um formato pacífico, a Líbia como um único estado deixou de existir. Lá, as duas principais forças continuam uma luta feroz – o governo Faraj de acordo nacional e o exército nacional líbio do marechal de campo Haftar. O confronto é agravado pela participação de radicais islâmicos, mercenários estrangeiros, apoio de “partes interessadas” estrangeiras em armas e finanças.

O apoio ocidental à “mudança democrática” nos países árabes se transformou em grandes problemas para a segurança do mundo inteiro. O fato de ser um empreendimento inútil e nocivo impor seus modelos de democracia aos países muçulmanos é agora, depois de deixar o Afeganistão, reconhecido até pelos Estados Unidos. Mas, antes, um fluxo de imigrantes invadiu a UE dos países árabes envolvidos em guerras civis e o domínio de apoiadores de todos os tipos de “califados”. Somente em 2015, até 1,8 milhão de refugiados entraram na Europa. As cidades europeias aprenderam o que é o islamismo militante. O número de ataques terroristas por radicais aumentou dramaticamente.

Da última carta de Kaddafi aos líderes europeus:

“Vocês estão bombardeando o muro que não permitia o fluxo de migração africana para a Europa, o muro que parou os terroristas da Al-Qaeda. Este muro era a Líbia. Vocês o destruiu. Vocês são idiotas!”

A derrubada de Kaddafi com o apoio do Ocidente teve outra consequência. Ele tentou secretamente criar uma bomba nuclear, mas seu plano foi descoberto. Sanções severas foram impostas à Líbia, e Kaddafi desistiu de sua ideia. O Ocidente até o colocou como exemplo para os outros não cair na tentação. Mas o massacre do coronel, sem dúvida, tornou-se um poderoso argumento a favor do fato de que uma bomba nuclear é a melhor defesa.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!