O direito da primeira noite: os costumes de diferentes nações e a opressão da mulher

fotos
Imagem: Urbanlegends

Na Europa, até o final do século XIX, havia uma tradição incomum. Ela foi chamada de “o direito da primeira noite”, o significado estava na autoridade do senhor feudal de privar qualquer garota de suas posses de inocência ( virgindade). Assim, os jovens recém casados passam a primeira noite de núpcias não um com o outro. O senhor  feudal podia recusar a primeira noite naqueles casos em que não se interessava pela noiva, e o “dono” tinha o direito de vender a primeira noite com a menina para o futuro marido.

Existem muitas versões da origem dessa tradição incomum. O primeiro diz que o senhor feudal deveria simplesmente “apor” seu direito de propriedade – deve-se lembrar que além da posse de terra, o senhor feudal era “proprietário” da vida dos camponeses. O segundo – o proprietário faz isso para impor seu poder sobre seus camponeses, e ostensivamente para que a noiva viesse ao noivo já “testada”. Existem, à primeira vista, absurdas versões que referem o sacrifício da virgindade para uma certa divindade.

Há também relatos de superstições segundo o qual  o sangue de uma virgem era um sinal terrível – trazia o mal e a doença. “Para retirada do sangue da virgem”, essa cerimônia não era realizada pelos próprios pretendentes (noivo), mas pelos anciãos da tribo ou feiticeiros. Não parece sensato acreditar que pessoas tão fortes não seriam capazes de sucumbir à maldição do sangue virgem! Objeções à parte, somente após a cerimônia, a noiva voltava para o marido.

Havia outro costume incomum, diz respeito aos escandinavos. No início das trevas, mesmo antes da primeira noite de núpcias, o sacerdote do deus da fertilidade, Freyr, levava a jovem para a floresta. Lá ele fazia um fogo e abater um porco (sacrifício para Deus). Depois de finalizar o ritual, o sacerdote devolve a noiva ao seu futuro marido. Meses após passar por este “ritual”  as mulheres deveria  dar à luz descendentes saudáveis.

Outra estranha noite de núpcias diz respeito às tribos da África. Lá, como na América do Sul, outras mulheres privaram a garota de sua inocência. Elas eram freqüentemente curandeiras ou esposas de líderes. Outro rito não menos interessante da primeira noite existiu na Escócia. Amigos e parentes dos recém-casados ​​impediam os amantes de passar a primeira noite de núpcias com toda a sua força. Ao redor do aposento os convidados gritavam e faziam barulho, por muito tempo até que todos se cansassem e adormecessem, ficando impossível a concretização matrimonial.

Mas na Alemanha e na França havia outro ritual semelhante ao escocês. Todos os convidados, amigos, parentes faziam barulho sob as janelas, disparavam alarmes e colocavam-se à volta do quarto dos jovens. Mas tudo isso ainda é flores em comparação com os costumes filipinos – era impossível alguém fazer amor na primeira noite de núpcias. O fato é que, devido à intoxicação alcoólica, um “bebê saudável” não poderia nascer para o casal (não está claro como era possível a noiva  ter engravidado após a primeira noite).

Os chineses também têm um ritual incomum associado à primeira noite de núpcias. Então, muita atenção é dada à escolha do quarto, deve ser lindo. A sala inteira deve estar decorada com flores vermelhas e amarelas. Também em toda parte deve haver velas na forma de dragões, elas tem a função de expulsar da sala os maus espíritos. Outro atributo – o vinho, os noivos devem beber com copos amarrados com uma fita vermelha, e só depois ir para o quarto.

Um casamento é em si um evento cheio de rituais e tradições. Às vezes, esses rituais são tão impensáveis ​​que é difícil acreditar em sua existência. No entanto, até hoje, no século 21, há muitos exemplos semelhantes.

Fonte: Glavtema

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!