O Ministério Público pede seis meses de detenção da ex-presidente Jeanine Áñez

O ex-presidente foi formalmente acusado de “conspiração, sedição e terrorismo”

golpista

O Ministério Público solicitou a prisão preventiva da ex-presidente Jeanine Áñez no presídio Obrajes de La Paz por um período de seis meses, conforme denúncia formal emitida por volta da meia – noite de sábado no caso do suposto “golpe de estado” .

O pedido, que deverá ser resolvido por um juiz cautelar nas próximas horas, inclui os ex-ministros Álvaro Coímbra e Rodrigo Guzmán , para os quais é solicitada a detenção na penitenciária de San Pedro.

A ex-presidente e os ex-ministros foram acusados ​​dos crimes de sedição, conspiração e terrorismo . A acusação foi assinada pelos promotores Harold Jaramillo, Rudy Terrazas e Omar Mejillones.

Áñez, junto com seus ex-ministros Coimbra e Guzmán, foi preso em Trinidad após uma operação policial ocorrida na sexta-feira, 12 de março. As ex-autoridades foram transferidas para as celas da Força Especial de Combate ao Crime.

“Pretende-se que eles se defendam em liberdade porque a prisão preventiva é o último motivo do atual processo penal. Estão dispostos a assumir a sua defesa e têm consciência da sua inocência, por isso estão relativamente calmos ”, afirmou o advogado Jhon Riveros, que integra a equipa jurídica que assiste as ex-autoridades.

A audiência judicial, que pode ocorrer entre este domingo e segunda-feira, vai definir se essas ex-autoridades se defendem em liberdade ou detidas em cárcere público. Para tanto, o Ministério Público destacou que existe o risco de fuga, pois os acusados ​​apresentam um fluxo migratório que demonstra sua capacidade de viajar para o exterior.

Além disso, indicou que existe o risco processual de impedir as investigações .

A denúncia contra Añez indica que a ex-autoridade não foi eleita presidente do Senado nas horas anteriores a assumir as rédeas do governo transitório, o que foi reconhecido com a Lei 1270, que também permitiu a prorrogação do mandato da Assembleia Legislativa.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!