O moinho de mitos: os elefantes não têm cemitérios

Até agora, em muitas publicações científicas populares, pode-se encontrar declarações de que os elefantes enterram seus parentes mortos em locais especiais chamados cemitérios de elefantes. Os cientistas vêm tentando há muito tempo descobrir pelo menos uma dessas “necrópoles”, mas em vão – suas buscas não tiveram sucesso. E tudo porque essa afirmação nada mais é do que um mito

elefante

É interessante que o mito dos cemitérios de elefantes já não seja propriedade apenas do folclore daqueles países onde vivem gigantes de orelhas grisalhas – ainda no século passado ele migrou para as páginas tanto da ciência popular quanto de artigos científicos. Em muitos livros de referência, enciclopédias e guias, você pode encontrar a frase que: “… Os elefantes são as únicas criaturas vivas (além dos humanos) que enterram seus mortos em locais estritamente definidos, chamados cemitérios de elefantes. Cada elefante, sentindo a aproximação da morte, vai para lá, onde ele morre, e seus parentes jogam os restos com folhas, terra e vários tipos de lixo. “

Desnecessário dizer que a imagem acabou sendo tocante, mas, infelizmente, completamente implausível. Para começar, os cemitérios (se entendermos por esta palavra um local de sepultamento estritamente definido) são bastante difundidos no mundo animal. Em particular, eles são encontrados em insetos sociais – abelhas, vespas, formigas e cupins. Se um indivíduo morre dentro de uma colmeia ou formigueiro, o morto é arrastado para fora e levado para o local onde todos os outros resíduos são jogados fora (porque do ponto de vista dos insetos, um cadáver nada mais é do que lixo). O mesmo é feito com aqueles que foram para outro mundo perto do refúgio.

Tais precauções são totalmente justificadas – se o cadáver se deteriorar dentro do ninho, fungos e bactérias que são perigosos para os membros vivos da colônia podem se instalar nele. É por isso que, aliás, esses cemitérios estão localizados bem longe da área residencial, bem como dos caminhos pelos quais os insetos costumam circular. Aliás, os cientistas acreditam que os povos antigos tinham o costume de enterrar os mortos em determinados lugares, assim como todas as “histórias de terror” associadas aos cemitérios, surgiram justamente por causa do mesmo – um cadáver em decomposição perto do abrigo é uma fonte potencial de infecção. Portanto, é lógico escondê-lo em algum lugar distante e fazer todo o possível para que os membros mais curiosos da comunidade não visitem este lugar.

Mas os elefantes não têm esses cemitérios, o que, em geral, não é surpreendente – afinal, esses animais não têm um “registro” permanente, viajam o tempo todo. Portanto, um membro falecido do bando não é perigoso para os vivos – eles simplesmente deixarão o local onde a morte o alcançou e não aparecerão lá por um tempo. Assim, não há perigo de contrair uma infecção. E se for assim, também não há necessidade de um cemitério especial.

Mas de onde veio esse mito? Na verdade, foi inventado apenas para explicar um fato bastante engraçado – as pessoas raramente encontram os cadáveres de elefantes. Por exemplo, o biólogo John Sanderson, que por 13 anos chefiou a estação de captura de elefantes, escreve em seu livro que viu os restos de elefantes mortos apenas duas vezes, e eles morreram em acidentes, e não muito longe da própria estação. Muitos outros pesquisadores confirmam suas observações – é quase impossível encontrar os restos de um gigante na selva ou savana.

Mas por que isso está acontecendo? Sim, porque assim que o elefante parte para outro mundo, multidões de “amantes da queda do gigante”, de formigas a hienas, imediatamente se aglomeram em seu corpo. A propósito, verificou-se que na maioria das vezes os elefantes morrem perto de corpos d’água, porque antes da morte o gigante tem sede e, tendo reunido suas últimas forças, passa a ter a umidade vital. No entanto, após a morte, seu corpo fica totalmente atolado na lama costeira ou em sedimentos de lodo. E então peixes predadores, tartarugas e crocodilos, que não podem faltar a esse “jantar” gratuito, chegam facilmente.

De acordo com as notas de naturalistas que observaram o processo de “utilização” da carcaça do elefante, muitas vezes leva cerca de seis horas para o gigante deixar apenas ossos (e se o elefante morreu ao pôr do sol, então menos – um bando de hienas, numerando cerca de cem indivíduos, endireitará com os restos mortais de um elefante em apenas duas ou três horas). Aliás, os ossos também não ficam por muito tempo – necrófagos, tentando chegar à medula óssea, roê-los e os insetos tiram os fragmentos. Como resultado, um dia após a morte, nada resta do gigante – apenas os restos de cabelo, pele e as partes mais duras dos ossos.

Além disso, a observação do comportamento muito estranho dos elefantes também contribuiu para o nascimento e disseminação do mito. Assim, uma vez os cientistas viram como os elefantes ficavam perto do corpo de seu irmão falecido por cerca de três dias. Casos também foram notados quando esses gigantes cobriram o cadáver de um parente com grama e galhos, e também transferiram os restos mortais encontrados por longas distâncias. No entanto, todos esses são casos isolados, e, portanto, pode-se considerar que o comportamento dos elefantes nas situações descritas foi atípico.

Sim, em geral, e é bastante passível de explicação: a transferência dos restos mortais ocorreu quando o elefante morreu perto do reservatório, e os parentes simplesmente queriam limpar o rio de várias toneladas de carne podre. Jogar grama no cadáver ocorreu em um momento de agonia – os elefantes não entenderam que seu parente estava morrendo e procuraram aliviar seu tormento do calor, que para um elefante doente era o mais insuportável. E o fato de que esses gigantes podem ficar por muito tempo perto do cadáver de seu parente também não é surpreendente – os elefantes estão sempre esperando por retardatários. Isso, aliás, prova que mesmo aqui os elefantes não entenderam que seu irmão já havia partido para outro mundo.

É também possível que um interessante achado feito no século XVIII no território de Angola influenciou a origem do mito. Os naturalistas descobriram um local contendo pilhas de ossos de marfim. No entanto, ossos posteriores de outros seres vivos, em particular humanos, também foram encontrados lá, assim como imagens de deuses locais feitas de pedra e madeira. Então ficou claro que este não era um cemitério de elefantes, mas um local de sacrifícios rituais (muitas tribos africanas têm o costume de sacrificar os ossos de vários animais, incluindo elefantes, aos seus deuses).

Posteriormente, a popularização do mito foi facilitada pelos ensaios de alguns viajantes que foram atraídos pelos segredos e maravilhas de países exóticos. Por exemplo, ao mesmo tempo muito barulho foi feito pela mensagem de um certo naturalista A. M. Mackenzie, que supostamente notou que nos distritos de Elgeyo e Souk em Uganda, onde ele caçava, os elefantes feridos sempre partiam para o norte. Um dia ele seguiu os rastros de um animal gravemente ferido, mas os perdeu nas margens do rio Perquell. A partir disso, ele concluiu que o elefante condenado nadou através do rio para chegar à ilha no meio dele.

À noite, o próprio naturalista cruzou para a ilha e, encontrando ali um animal, acabou com ele. Ao mesmo tempo, ele descobriu 20 esqueletos de elefantes na ilha, mas sem marfim (ou seja, presas). Porém, havia uma explicação para isso – segundo Mackenzie, eles foram levados por moradores locais que sabiam disso, assim como de outros cemitérios semelhantes, mas mantiveram essa informação em segredo. O naturalista ficou nesta ilha por uma semana e viu que elefantes doentes chegavam lá todos os dias, aparentemente para passar seus últimos dias aqui ou morrer imediatamente.

Esta história foi imediatamente percebida pelos cientistas como implausível – elefantes de longe podem determinar a localização de uma pessoa e, consequentemente, animais feridos provavelmente não morrerão onde esta criatura perigosa está, no entanto, foram feitas tentativas para verificar as informações fornecidas pelo Sr. Mackenzie. Como esperado, nenhuma ilha, que é um cemitério de elefantes, foi encontrada na área indicada. Aparentemente, o naturalista acima simplesmente recontou a lenda das tribos locais, complementando-a com detalhes fictícios com sua própria participação para dar autenticidade à história do ataque.

Então, como você pode ver, não há cemitérios de elefantes. Ou, para ser mais preciso, esse cemitério é todo o território onde vivem esses gigantes. Para os elefantes africanos, esta é a África, os indianos – sudeste da Ásia. No entanto, esses animais não realizam nenhuma ação especial em irmãos falecidos que possa ser confundida com um rito fúnebre … (Com Pravda)

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezoito − 1 =