O mundo pode se dar ao luxo de ter seu primeiro trilionário?

Desde 2020, os cinco indivíduos mais ricos do mundo viram as suas fortunas explodir, enquanto durante o mesmo período cerca de cinco mil milhões de pessoas em todo o mundo ficaram mais pobres.

fotos

Por Roberto Ponte

Desde 2020, os cinco indivíduos mais ricos do mundo viram as suas fortunas explodir, enquanto durante o mesmo período cerca de cinco bilhões de pessoas em todo o mundo ficaram mais pobres.

O patrimônio líquido desses bilionários – o CEO da Tesla, Elon Musk, Bernard Arnault e sua família da empresa de luxo LVMH, o fundador da Amazon, Jeff Bezos, o fundador da Oracle, Larry Ellison, e o investidor Warren Buffett – explodiu 114%, para US$ 869 bilhões, depois de levar em conta a inflação, de acordo com o relatório anual sobre desigualdade da Oxfam .

Atualmente, Elon Musk, que dirige várias empresas, incluindo a Tesla e a SpaceX, é o homem mais rico do planeta, com uma fortuna pessoal de pouco menos de 250 bilhões de dólares.

“Temos os cinco maiores bilionários, eles duplicaram a sua riqueza. Por outro lado, quase 5 bilhões de pessoas ficaram mais pobres”, disse Amitabh Behar, diretor executivo interino da Oxfam, aos jornalistas em Davos, na Suíça, sede do Fórum Econômico Mundial deste ano.

“Muito em breve, a Oxfam prevê que teremos um trilionário dentro de uma década”, disse Behar. “Considerando que, para combater a pobreza, precisamos de mais de 200 anos.”

Para colocar a ideia de um trilionário (mil milhares de milhões) em alguma perspectiva, os Estados Unidos gastam atualmente cerca desse valor anualmente em toda a sua máquina militar.

No total, os bilionários viram a sua riqueza explodir em 3,3 biliões de dólares, ou 34%, desde 2020, com as suas fortunas a expandirem-se três vezes mais rapidamente do que a taxa de inflação, segundo a Oxfam.

Os bilionários americanos, muitos dos quais acumulam a sua riqueza a partir do capital das empresas que lideram, tornaram-se 1,6 biliões de dólares mais ricos.

A força motriz por trás deste enorme aumento nos lucros pessoais é o poder corporativo bruto. Setenta por cento dos maiores interesses empresariais do mundo têm um bilionário no comando ou um bilionário como principal acionista.

Além disso, 1% dos maiores rendimentos possui 43% dos ativos financeiros mundiais, de acordo com a Oxfam, que combinou os seus dados da Riqueza X. Nos Estados Unidos, este grupo possui 32%; na Ásia, é de 50%. No Médio Oriente, o 1% do topo detém 48% da riqueza financeira, enquanto na Europa é 47%.

Cerca de 150 das maiores empresas do mundo obtiveram quase 1,8 biliões de dólares em lucros no ano que antecedeu Junho de 2023, informou a Oxfam. Isso é 52,5% a mais do que a média entre 2018 e 2021.

Embora a desigualdade econômica seja tão antiga como Roma, nos Estados Unidos a disparidade aumentou dramaticamente nas últimas quatro décadas. A desigualdade pode ser medida de diversas formas, frequentemente utilizando o rendimento.

O coeficiente de Gini, desenvolvido pelo estatístico italiano Corrado Gini em 1921, é uma das medidas mais precisas de como a renda é distribuída pela população, sendo “0” perfeitamente igual (onde todos recebem uma parcela igual) e “1” sendo completamente desigual (onde 100 por cento da renda vai para apenas uma pessoa).

Os Estados Unidos têm um coeficiente de Gini de 0,485, o mais elevado em meio século, segundo o Census Bureau, excedendo em muito o de outras economias avançadas. Esta medição prova que os EUA são a grande economia mais desigual do mundo.

Em 1980, o 1% dos maiores assalariados nos Estados Unidos ganhava pouco mais de 10% da renda do país. Atualmente, eles trazem para casa cerca de 20%, mais do que toda a metade inferior dos assalariados.

Apesar da enorme desigualdade, os americanos têm demonstrado uma enorme paciência com o status quo. A última vez que houve qualquer tipo de reacção contra os 1% foi em 2011, com os protestos Occupy Wall Street, onde milhares de manifestantes protestaram contra a desigualdade econômica, a ganância corporativa e a influência do dinheiro na política.

Os americanos mostraram que já estavam fartos após os resgates bancários de 2008 sob a administração George W. Bush, que utilizaram fundos dos contribuintes para comprar ativos tóxicos de bancos e instituições financeiras “demasiado grandes para falir”. Os manifestantes também ficaram furiosos com a influência indevida do dinheiro corporativo no processo político dos EUA.

Hoje, Wall Street cuida silenciosamente do seu trabalho de ganhar quantias obscenas de dinheiro, enquanto grande parte da atenção do público está preocupada com outros assuntos não relacionados com classe, como raça, gênero e política de identidade, ninharias que a grande mídia de propriedade corporativa apenas considera muito feliz em promover. Ainda não se sabe ao certo se será necessário o primeiro trilionário do mundo para tornar as pessoas “conscientes de classe”.

 

Related Posts
Protestos de agricultores na Europa podem afetar os preços dos alimentos – FMI
fotos

Se os agricultores continuarem a protestar em diferentes cidades da Europa, isto poderá afectar significativamente os preços dos alimentos

O que o PIB esconde
fotos

EXISTEM problemas bem conhecidos associados ao conceito de produto interno bruto, bem como à sua medição. A inclusão do setor dos [...]

Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo
Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo

O Fórum Econômico Mundial dá-nos o privilégio excepcional de um estudo que só os fósseis vivos podem proporcionar. Representante de uma [...]

Milei em Davos: um divórcio controverso da realidade
fotos

Não admira que Elon Musk goste e a direita neofascista esteja eufórica. Afinal, Milei atacou todos os seus inimigos ilusórios, contraditórios [...]

Previsões econômicas para o Brasil e para o mundo em 2024
fotos

Todo final de ano sempre ocorre uma enxurrada de exercícios de previsões econômicas, algumas mais sombrias e outras mais otimista, [...]

O possivel papel da moeda dos BRICS
fotos

Países do Sul poderiam, pela primeira vez, financiar seu desenvolvimento sem a rapinagem e as chantagens do Norte. EUA sentem [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!