O quebra-cabeça de volta ao trabalho nos EUA

volta trabalho
Reprodução

Com uma lista interminável de fatores a considerar – incluindo a segurança dos sistemas de ar condicionado, o risco de usar o transporte público, os horários de reabertura das escolas e as necessidades dos funcionários de alto risco – o quebra-cabeça de volta ao trabalho está ficando cada vez mais difícil de resolver.

No início, as empresas ficaram agradavelmente surpresas com o funcionamento do teletrabalho, com muitas empresas – incluindo o Twitter – dizendo que poderiam ficar remotas para sempre. Agora, cerca de quatro meses depois, o trabalho remoto não parece mais tão bom.

  • As empresas estão dizendo que os projetos demoram mais, a contratação e o recrutamento de talentos é mais difícil, e a integração de novos funcionários – especialmente os mais jovens sem muita experiência na força de trabalho – é difícil, escreve Chip Cutter do Wall Street Journal.
  • “Enquanto trabalhar em casa pode não ser ótimo, o escritório também não é uma ótima opção. Máscaras, verificações de temperatura, lavagem das mãos e distanciamento tornam uma experiência muito menos produtiva e agradável do que antes do COVID”, afirma Nicholas Bloom, professor de economia em Stanford. “No curto prazo, trabalhar em casa é realmente o menor de dois males.”

Cerca de 82% dos trabalhadores preveem que retornarão ao trabalho dentro de 18 meses, segundo uma pesquisa Xerox Future of Work nos EUA, Reino Unido, Alemanha, França e Canadá. As empresas estão testando várias estratégias diferentes para tornar a transição o mais suave possível.

O Google estabeleceu um precedente esta semana dizendo que terá funcionários trabalhando em casa até julho de 2021.

  • Isso não significa que o Google pense que a crise da saúde pública não terá melhorado até o próximo verão. Trata-se de dar aos funcionários tempo para planejar com antecedência, em vez de dar a eles datas de retorno que continuam sendo adiadas.
  • Os demais gigantes da tecnologia, juntamente com empresas de outros setores, provavelmente seguirão o exemplo do Google.
  • “Uma das maneiras de lidar com esse objetivo em movimento é remover o máximo de incerteza possível”, estendendo a orientação do trabalho em casa por muitos meses, diz Manny Medina, CEO da empresa de tecnologia Outreach. Sua empresa estará remota até o final de janeiro, pelo menos.

Algumas empresas tentaram voltar, mas acabaram enviando funcionários para casa mais uma vez devido a surtos locais de coronavírus.

  • O Sequoia Consulting Group recebeu trabalhadores de volta aos seus escritórios em Tempe, Arizona, em meados de junho, quando o estado foi aberto. Menos de duas semanas depois, eles decidiram fechar novamente.
  • “Tínhamos muitas opções e ideias”, e o objetivo era trazer todos de volta, disse Steve Kim, diretor jurídico da Sequoia. “Parecia mais confortável errar do lado da segurança”.

Enquanto a maioria das empresas está tentando descobrir como retornar, não subestime a extensão em que o coronavírus acelerará o movimento em direção ao teletrabalho.

  • Cerca de 20% dos dias úteis serão em casa no mundo pós-pandemia, em comparação com 5% pré-pandemia e 40% durante, de acordo com um estudo da Bloom, de Stanford.

Fonte: Axios

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + dezenove =