Os erros de Blinken resumem a falência do poder e da diplomacia dos EUA

Todos os diplomatas que se prezem deveriam tentar acalmar as tensões, e não inflamá-las. O insulto desprezível de Blinken ao povo iraniano é uma provocação imprudente.

fotos
© Foto: Domínio público

Enquanto a nação iraniana lamentava a trágica morte do Presidente Ebrahim Raisi esta semana, os Estados Unidos não conseguiram sequer apresentar uma respeitosa oferta de condolências.

O Secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, oficialmente o principal diplomata daquele país, fez uma observação grosseira de que o povo iraniano estaria “em melhor situação”. Isto porque a República Islâmica declarou cinco dias de luto pelo falecido presidente, cujo funeral na cidade de Mashhad contou com a presença de milhões de iranianos.

O Presidente Raisi morreu num acidente de helicóptero juntamente com o muito respeitado Ministro dos Negócios Estrangeiros do país, Hossein Amirabdollahian, e vários outros dignitários que também estavam a bordo da aeronave. O acidente fatal aconteceu num clima traiçoeiro numa região montanhosa no noroeste do Irã, quando a comitiva do presidente regressava de uma visita ao Azerbaijão.

A maior parte do mundo expressou choque e tristeza pela perda. A Assembleia Geral da ONU manteve um minuto de silêncio e no funeral, 68 nações estiveram representadas, incluindo autoridades da Rússia e da China.

Os Estados Unidos e o Irã têm sido adversários ferrenhos durante mais de meia década após a revolução iraniana de 1979. No entanto, é uma questão básica de diplomacia e etiqueta que os países demonstrem um sinal de simpatia num momento de luto nacional.

Os comentários vergonhosos e baratos sobre a morte do presidente do Irã mostram quão inadequado é Blinken como suposto principal diplomata dos EUA. Mas o fracasso não é apenas uma questão pessoal, ele resume o colapso geral da qualidade política e da posição internacional de Washington. Os Estados Unidos presumem ser um líder mundial, mas evidentemente não têm classe. Biden, o presidente e chefe de Blinken, é um excêntrico desbocado que regularmente insulta outros líderes com preconceito ignorante.

Sobre o insulto de Blinken pela morte do presidente iraniano, o porta-voz presidencial da Rússia, Dmitry Peskov, expressou o desgosto de muitos observadores em todo o mundo quando disse: “É difícil acreditar que um diplomata – e muito menos um funcionário de alto escalão de um país como o Estados Unidos – fariam uma observação tão desajeitada, para dizer o mínimo. Em essência, foi um insulto dirigido a uma nação inteira.”

Além da falta de decência humana, há uma total falta de política. O comentário ofensivo de Blinken surge num momento de extrema tensão no Médio Oriente, no meio de um genocídio perpetrado pelo regime israelita com o apoio dos Estados Unidos. A situação do barril de pólvora pode explodir a qualquer momento numa guerra internacional que engolirá toda a região. Israel e o Irã já trocaram golpes militares.

Todos os diplomatas que se prezem deveriam tentar acalmar as tensões, e não inflamá-las. O insulto desprezível de Blinken ao povo iraniano é uma provocação imprudente.

Mas tal sensibilidade e respeito são demais para se esperar de Blinken, que se mostrou muito fora de seu alcance como diplomata.

Na semana passada, o “diplomata de topo” envergonhou o seu gabinete ao tocar guitarra no palco de um bar durante uma visita oficial a Kiev. Blinken estava na capital ucraniana prometendo mais milhares de milhões de dólares em ajuda militar para prolongar uma guerra por procuração sangrenta e fútil contra a Rússia. Estimativas confiáveis ​​colocam o número de mortos militares ucranianos em mais de 500.000 em mais de dois anos de combate. No entanto, aqui estava Blinken dedilhando guitarra elétrica com uma banda de rock local. Ainda mais assustador foi a escolha da música, ‘Keep on Rockin’ in the Free World’, de Neil Young. Não só o tom de Blinken era surdo ao horror da guerra, como também ignorava o fato de que a canção é uma condenação explícita da barbárie imperialista americana.

Como alguém pode ser tão estúpido e insensível? Essa é a medida de Antony Blinken ali mesmo.

Lamentavelmente, Blinken tem muitas companhias duvidosas em Washington. A sua arrogância e incompetência coletivas estão a levar o mundo à calamidade. Foi relatado esta semana que Blinken está entre aqueles em Washington que defendem o fornecimento de armas de longo alcance dos EUA para atacar o território russo. Outros que promovem esta receita para a Terceira Guerra Mundial incluem o presidente republicano da Câmara, Mike Johnson, e a ex-funcionária do Departamento de Estado, Victoria Nuland.

Os erros de Blinken deveriam tê-lo levado à demissão há muito tempo em desgraça. Ele foi um dos principais apoiantes do armamento do regime de Kiev muito antes da escalada do conflito em Fevereiro de 2022. Ele, juntamente com Nuland e outros, foi fundamental na definição do rumo para esta guerra por procuração que corre o risco de se transformar numa guerra nuclear.

Durante os seus cargos anteriores como conselheiro de segurança nacional do Presidente Obama e Biden quando era vice-presidente, Blinken apoiou a guerra dos “direitos humanos” da OTAN na Líbia e a guerra por procuração “pró-democracia” para a mudança de regime na Síria. Este último envolveu Washington a armar gangues terroristas sectários – até que a Rússia e o Irã puseram fim a essa operação suja.

Este rasto de desastre traçado por Blinken deveria ter garantido que o impedisse de ascender à proeminência de Secretário de Estado. No entanto, isso pressupõe que tais nomeações sejam feitas com base na sanidade e numa política externa sólida.

Não, Blinken é um criminoso de guerra cujo narcisismo ignorante não conhece limites. Ele nada mais é do que uma ferramenta útil para o fomento da guerra imperialista norte-americano. Blinken, guitarrista e educado em Harvard, é um manequim que fornece uma imagem pseudo-liberal para encobrir a barbárie do poder global dos EUA.

A sua inépcia está a levar o mundo a um estado abismal de confronto no Médio Oriente e entre potências nucleares sobre a Ucrânia.

O que é mais importante é a deplorável verdade de que Washington está cheia de clones como Blinken. O nível de cultura política no establishment dos EUA que gera pessoas como Blinken é tão pútrido e predominante que é difícil imaginar o surgimento de quaisquer pensadores e líderes de qualidade.

A degeneração da política e da diplomacia nos Estados Unidos tem estado em longo declínio, tal como o seu poder global. Alguns dos antecessores mais recentes de Blinken incluem Mike Pompeo (“mentimos e trapaceamos o tempo todo”) e Hillary Clinton (que se vangloriou do assassinato de Muammar Gaddafi com “viemos, conquistamos, ele morreu”); Condoleezza Rice (da notoriedade da guerra no Iraque e da tortura de rendição) e Colin Powell (que contou mentiras descaradas ao CSNU sobre as ADM). A lista de degenerados continua.

Mas no caso de Blinken, ele é provavelmente o ponto alto – ou talvez esse devesse ser o ponto baixo – da incompetência polida.

Chega a hora do fracasso dos EUA, chega o homem que personifica o fracasso abjeto.

strategic-culture.su

Related Posts
BRICS, outra maneira de moldar o mundo
brics

Uma ordem internacional justa e humanista só poderá ser instaurada por povos inconformados com o uso e abuso de sua [...]

Hegemon ordena Europa: aposte na guerra e roube o dinheiro da Rússia
fotos

Sem os BRICS, não há absolutamente nada que o Ocidente coletivo – como o Hegemon e diversos vassalos – possa [...]

Estará uma nova crise dos mísseis cubanos a formar-se na Ucrânia?
fotos

Em 12 de junho, três navios russos e um submarino com propulsão nuclear chegaram a Havana, Cuba. Depois de cruzar o Atlântico, [...]

Uma proposta, uma última chance, um ultimato
combate

Condições de paz recentemente expostas por Putin estabelecem uma nova fase da operação militar especial.

O fim do pacto do petrodólar
fotos

Os EUA persuadiram os sauditas a comercializar o petróleo somente em dólares, o que se tornou parte integrante do comércio [...]

Com relação às propostas de Putin para paz na Ucrânia
fotos

Contra o pano de fundo da "cúpula de paz", isso indicará que, na verdade, é o Ocidente que está prolongando [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!