Os norte-coreanos estão cada vez mais conectados

Pyongyang precisa ser muito criativo e aproveitar toda a tecnologia que tem acesso para assimilá-la e produzir por conta própria, bem como as vantagens de se fazer fronteira com a China.

fotos
© Photo: Public domain

Eduardo Vasco

Todos se surpreenderam quando ficamos sabendo que havia sinal de wi-fi no Hotel Koryo. Até a última vez que os estrangeiros tinham estado na República Popular Democrática da Coreia, antes do início da pandemia de COVID-19, só era possível acessar a internet no hotel por um terminal de computadores para enviar e-mails.

Quatro anos se passaram e os primeiros estrangeiros a visitarem oficialmente o país desde que ele começou a ser reaberto ao turismo ficaram encantados em conversar por chamada de vídeo com seus amigos e parentes por U$ 1,70 a cada dez minutos.

Para mim, que nunca havia estado no país, embora pesquisasse há tempos sobre ele, foi uma surpresa ainda maior ver cidadãos norte-coreanos incontáveis ​​passando nas ruas de Pyongyang com seus smartphones na mão, assistindo a vídeos, enviando mensagens de texto ou conversando ao pé do ouvido.

Existem pelo menos três grandes marcas de smartphones na Coreia do Norte, todas de fabricação nacional: Arirang, Pyongyang Touch e Samtaesong. Ao contrário do que alguns poderiam pensar, seus modelos não devem nada às mais poderosas marcas internacionais. O Samtaesong 8, por exemplo, lançado no ano passado, é equipado com uma câmera dupla traseira e outra frontal e se parece bastante com o Samsung Galaxy ou com os modelos da Huawei.

Os aparelhos são vendidos livremente e todos os cidadãos comuns podem comprá-los. Não parece ser verdade a história difundida por alguns veículos de imprensa imperialistas de que os smartphones custam o olho da cara e só os coreanos “privilegiados” conseguem adquiri-los. Eles estão por todo o país, como me disse o meu guia, Ju Myong Won.

Ju tem um Arirang. Me mostra instalado em seu aparelho alguns aplicativos de jogos, de mensagem e de leitura das obras dos líderes Kim Il Sung, Kim Jong Il e Kim Jong Un. O seu aplicativo de mensagem é muito semelhante ao WhatsApp ou ao Telegram, especificamente para enviar e receber mensagens instantâneas de texto, foto e vídeo, bem como para conversar por chamadas de áudio ou de vídeo.

O outro guia da delegação de brasileiros, Choe Chol Ryong, gosta de jogar videogame no celular e tem um aplicativo de tradução de texto.

Ju me diz que os coreanos do Norte repassam as músicas e filmes dos computadores públicos para seus aparelhos smartphones e assim podem ouvir suas músicas favoritas e assistir aos seus filmes prediletos em qualquer lugar. Muitos fazem isso no transporte público, enquanto vão ou voltam do trabalho ou da escola. Até os bebês assistem a desenhos animados pelo celular.

Também há um aplicativo de streaming com filmes norte-coreanos e chineses.

As lojas eletrônicas também já se popularizaram ao norte do Paralelo 38. São pelo menos meia dúzia delas, a mais famosa chamada Apnal, que entrega os seus produtos em um prazo de 5 horas para toda a capital. Nas outras cidades também há lojas online locais, me diz Ju.

Além das lojas online e do serviço de streaming, há outras centenas de sites na intranet coreana – devido ao bloqueio total imposto pelos EUA e às incessantes ameaças de sabotagem e subversão, não é possível manter um contato normal com o resto do mundo, inclusive de forma virtual. Os jornais e demais veículos de imprensa têm seus próprios sites, como fábricas, universidades, associações civis e, obviamente, os órgãos governamentais.

Vi coreanos andando na rua com fones sem fio no ouvido. Vi lojas de produtos eletrônicos. Retrato da modernidade e também da segurança total para os cidadãos é uma mulher passando sozinha na noite escura e falando ao celular, o que seria extremamente perigoso de se fazer em qualquer cidade do Brasil devido enormes aos riscos de assalto ou mesmo de estupro.

Há também muito mais carros no trânsito de Pyongyang que as pessoas no mundo capitalista podem imaginar. E carros novos, misturados com modelos das décadas de 70, 80 e 90. Porém, mais carros do século XXI do que do século XX. Vi BMWs, Mercedes, Volkswagens… e há muitos carros também de fabricação nacional: vi muitos Pyeonghwa, Hwiparam, Bbeokgugi (Peokkugi) e Zunma.

A República Popular Democrática da Coreia sofre o pior bloqueio econômico, militar, político, comunicacional, alimentar e humanitário do mundo há 80 anos. O responsável por isso, como sempre, é o governo dos Estados Unidos, que utiliza seus satélites e as Nações Unidas para asfixiar o povo coreano e tentar derrubar o regime socialista. Graças a essa intensa e ilegal campanha de boicote e sabotagem, as relações da Coreia do Norte com o resto do mundo não são normais.

O mesmo vale para o comércio. Por isso causa enorme espanto ver um desenvolvimento tecnológico tal nesse país. Para driblar o bloqueio, Pyongyang precisa ser muito criativo e aproveitar toda a tecnologia que tem acesso para assimilá-la e produzir por conta própria, bem como as vantagens de se fazer fronteira com a China, embora Pequim seja oficialmente obrigada a observar o regime de análise contra o vizinho.

Pelo que observei, pelo menos em Pyongyang, o governo está um caminho para instalar uma rede wi-fi para acesso público. Essa é a minha impressão, haja vista o avanço surpreendente que foi a instalação de um ponto de acesso no Hotel Koryo e o uso generalizado de smartphones nas ruas.

strategic-culture.su

Related Posts
Uma nova (e mais justa) Nuremberg
fotos

A Federação Russa continua a desempenhar o seu papel civilizador na Ucrânia, capturando, julgando e punindo os nazis que participaram [...]

Impossibilitada de escalar militarmente, OTAN aposta na retórica
fotos

Continuando sua incessante onda de escaladas na guerra contra a Federação Russa, os países da OTAN decidiram deliberar sobre “autorizar” [...]

O Ocidente já está em guerra com a Rússia, mas os seus líderes não conseguem acordar de um sonho
fotos

A OTAN está a planejar algo grande na Ucrânia? Estaremos agora à beira do início da Terceira Guerra Mundial, já [...]

Iêmen contra-ataca, visando o USS Eisenhower
fotos

As Forças Armadas do Iémen, alinhadas com Ansarallah, aumentaram as apostas no Mar Vermelho ao atacarem o porta-aviões norte-americano Eisenhower [...]

‘Líder do mundo livre’ permite genocídio e aniquilação global
fotos

Se houver alguma esperança, pode ser que a abominável realidade estimule o mundo a revoltar-se contra este sistema criminoso e [...]

Pogroms, censura, manipulação midiática: o que o Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
fotos

Israel rompe todos os limites de ultraje, humilhação e desprezo pela dignidade humana, cuja vítima há 75 anos é o [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!