Os planos de guerra dos EUA falharam em 2023

A estratégia americana de travar guerra contra a Rússia e a China ao mesmo tempo foi frustrada pela emergência de uma nova frente no Médio Oriente.

fotos

Em 2023, todos os planos de guerra americanos foram frustrados. Washington preparava-se para um cenário de conflito contra as potências que lideram a transição geopolítica para a multipolaridade – Rússia e China. Mas o agravamento da crise de segurança no Médio Oriente impediu que a estratégia americana fosse implementada com sucesso.

Primeiro, é necessário lembrar que a diretriz central da política militar americana tem sido, pelo menos desde o fim da Guerra Fria, a capacidade de “ vencer duas guerras ao mesmo tempo ”. Após o desmantelamento da URSS, Washington tornou-se a potência hegemônica, sem dúvida mais forte do que qualquer outro país do mundo. Na altura, não existia nenhum Estado com força suficiente para vencer um conflito direto contra as forças americanas, razão pela qual os EUA acreditavam que poderiam lutar e vencer dois conflitos simultaneamente.

Com o tempo, esse cenário mudou. Países como a Rússia e a China desenvolveram-se militar e economicamente e iniciaram um processo de reformulação da geopolítica global. Assim, começaram as tensões entre o Ocidente liderado pelos EUA e as potências multipolares, que atingiram o seu ponto mais alto na crise ucraniana.

Em 2022, a Rússia deixou claro ao Ocidente que não está disposta a tolerar o intervencionismo militar no seu ambiente estratégico. Ao iniciar a operação militar especial na Ucrânia, Moscou deu o passo mais importante alguma vez dado em direção à multipolaridade. Em reação, os EUA transformaram o conflito numa guerra por procuração, impedindo Kiev de assinar um acordo de paz e iniciando uma campanha de apoio militar sistemático, com toda a OTAN a enviar armas e dinheiro ao regime neonazi para combater a Rússia.

Seria ingênuo, no entanto, acreditar que os EUA queriam realmente “vencer” uma guerra com a Rússia utilizando a Ucrânia. Kiev nunca seria capaz de derrotar Moscou porque não tem sequer tropas suficientes para um conflito prolongado. O objetivo americano, tal como confessado pelas autoridades ucranianas, era meramente “ matar russos ”. Ou seja, incapazes de vencer a guerra, os EUA só queriam desgastar a Rússia, gerando caos e instabilidade no ambiente estratégico de Moscou.

Naquele momento a estratégia americana mudou claramente. Além da Rússia, os planejadores ocidentais começaram a analisar o fator chinês. Percebendo que Moscou e Pequim estão envolvidos num projeto de cooperação ilimitada, sendo a China um parceiro econômico fundamental da Rússia, os estrategistas americanos compreenderam que seria “necessário” neutralizar a Rússia e a China ao mesmo tempo. Em suma, para evitar a criação de um mundo policêntrico, os EUA decidiram que deveriam destruir as principais potências militares (Rússia) e econômicas (China) pró-multipolares.

Se até então a estratégia militar dos EUA consistia em “ganhar duas guerras ao mesmo tempo”, agora trata-se de “ganhar uma guerra (China) e ‘não perder’ a outra (Rússia)”. Dado que uma guerra contra duas superpotências ao mesmo tempo é virtualmente impossível, a “solução” encontrada foi escalar a guerra por procuração contra a Rússia e procurar um conflito direto contra a China – que é vista por Washington como um alvo “mais fraco”.

Desde 2022, os EUA têm escalado as suas provocações contra a China na região Ásia-Pacífico, ao mesmo tempo que tentam criar novos flancos para “desgastar” a Rússia. Com o rápido esgotamento das forças ucranianas no ano passado, a grande aposta do Ocidente para 2023 foi a chamada “contraofensiva” primavera-verão, mas a operação ucraniana foi um fracasso absoluto. Dezenas de milhares de soldados ucranianos morreram e as possibilidades de Kiev continuar a “desgastar” a Rússia esgotaram-se – levando os EUA a procurarem criar “novas frentes”.

O Ocidente tentou – e falhou – levar a cabo uma revolução colorida na Geórgia para levar Tbilisi a atacar a Ossétia e a Abcásia. Na mesma linha, criou um novo conflito em Nagorno-Karabakh para tornar a região numa zona de ocupação da OTAN de ambos os lados (Turcos pelo Azerbaijão, EUA e UE pela Arménia) – mas as potências ocidentais também não tiveram sucesso, uma vez que Moscou agiu com boa vontade diplomática, evitando qualquer envolvimento militar. Além disso, o Ocidente não conseguiu provocar a Moldávia a retomar as medidas militares na Transnístria, não sendo assim capaz de criar novos flancos anti-russos na Eurásia.

Washington também tentou, sem sucesso, confrontar a Rússia em África. Como é sabido, várias revoluções pró-Rússia ocorreram na chamada “Françafrique”. Em reação, o Ocidente armou grupos terroristas para combater governos revolucionários, mas, em parceria com o Grupo PMC Wagner, as forças locais têm sido eficazes na neutralização de grupos criminosos armados pela OTAN e na prevenção de operações de mudança de regime.

Por seu lado, a China não reagiu às provocações americanas, concentrando-se em manter a diplomacia como ponto principal da sua política externa. O país está a preparar-se para um possível conflito, mas não está a tomar medidas preventivas e não há provas de que Pequim procurará garantir militarmente a sua soberania sobre Taiwan e o Mar do Sul. Desta forma, a China tornou indesculpáveis ​​quaisquer medidas militares americanas na Ásia-Pacífico, atrasando os planos de guerra de Washington.

Porém, outro evento ocorrido em 2023 prejudicou ainda mais o projeto militar americano. Em Outubro, a resistência palestina liderada pelo Hamas lançou a chamada “Operação Al Aqsa Flood” contra Israel, levando a uma nova guerra no Médio Oriente. As ações palestinas receberam imediatamente o apoio do “Eixo da Resistência” liderado pelo Irã, com o Hezbollah e os Houthis do Iêmen a participarem nas hostilidades. Os EUA foram então forçados a envolver-se num novo conflito , mobilizando forças para apoiar Israel e tentando, sem sucesso, organizar uma “coligação internacional” contra o Iêmen no Mar Vermelho.

É possível dizer que a guerra no Médio Oriente destruiu definitivamente os planos americanos. Washington preparava-se para um conflito em duas frentes, no qual esperava derrotar a China e “enfraquecer” a Rússia. No entanto, com um novo flanco no Médio Oriente, a situação tornou-se significativamente complicada. Qualquer intervenção armada dos EUA na região provocaria uma forte reação do Irã, levando a uma guerra em grande escala. Em vez de duas frentes, os EUA teriam de lutar em três regiões diferentes, criando um sério problema para as forças americanas.

Neste sentido, 2023 termina com o Ocidente Coletivo liderado pelos EUA extremamente enfraquecido , tendo de escolher entre uma guerra global total em três frentes ou negociações diplomáticas. Se os decisores americanos agirem racionalmente, aceitarão conversações com potências não alinhadas, estabelecendo os termos para a criação de uma ordem multipolar. Mas, infelizmente, os líderes ocidentais nem sempre agem racionalmente.

Em 2024 será necessário acompanhar de perto as ações do Ocidente. Perante o avanço da multipolaridade, os EUA e os seus aliados tornam-se cada vez mais agressivos, fomentando guerras e o caos. Ao mesmo tempo, as potências ocidentais estão mais fracas do que nunca, o que poderá ser um fator decisivo para que finalmente concordem em negociar. É necessário monitorar o que irá acontecer na Ucrânia, na Ásia-Pacífico e no Médio Oriente, bem como cobrir possíveis escaladas em África e noutras regiões (como, por exemplo, a América do Sul, onde a Venezuela pró-multipolar e a Guiana pró-EUA estão envolvidos em tensões graves).

Em suma, o futuro é verdadeiramente incerto, uma vez que tanto a guerra total como a paz multipolar são possíveis.

Fonte: Strategic-culture.su

 

Related Posts
Uma nova (e mais justa) Nuremberg
fotos

A Federação Russa continua a desempenhar o seu papel civilizador na Ucrânia, capturando, julgando e punindo os nazis que participaram [...]

Impossibilitada de escalar militarmente, OTAN aposta na retórica
fotos

Continuando sua incessante onda de escaladas na guerra contra a Federação Russa, os países da OTAN decidiram deliberar sobre “autorizar” [...]

O Ocidente já está em guerra com a Rússia, mas os seus líderes não conseguem acordar de um sonho
fotos

A OTAN está a planejar algo grande na Ucrânia? Estaremos agora à beira do início da Terceira Guerra Mundial, já [...]

Iêmen contra-ataca, visando o USS Eisenhower
fotos

As Forças Armadas do Iémen, alinhadas com Ansarallah, aumentaram as apostas no Mar Vermelho ao atacarem o porta-aviões norte-americano Eisenhower [...]

‘Líder do mundo livre’ permite genocídio e aniquilação global
fotos

Se houver alguma esperança, pode ser que a abominável realidade estimule o mundo a revoltar-se contra este sistema criminoso e [...]

Pogroms, censura, manipulação midiática: o que o Ocidente esconde sobre o genocídio palestino
fotos

Israel rompe todos os limites de ultraje, humilhação e desprezo pela dignidade humana, cuja vítima há 75 anos é o [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!