Os três mistérios de Hitler ainda não resolvidos

No sótão de uma casa na cidade austríaca de Linz, um monte de cartas escritas pelo pai de Adolf Hitler foi descoberto inesperadamente. Mais de três dezenas de mensagens manuscritas permitiram ao historiador alemão tirar uma conclusão sobre a origem dos hábitos ditatoriais do Führer

Hitler

Novas informações sobre a família de Hitler

É curioso que Alois Hitler tenha nascido com o nome de Aloys Schicklgruber, e sua correspondência tenha sido publicada e comentada pelo professor honorário da Universidade de Linz, o historiador Roman Sandgruber.

“As 31 cartas escritas e enviadas por Alois Hitler ao construtor de Josef Radlegger são uma sensação, porque praticamente não sobraram autógrafos de Alois Hitler ou de Adolf Hitler até 1914. Nesse aspecto, é realmente um grande achado.” – diz Sandgruber, que publicou o livro “Pai de Hitler. Como seu filho se tornou um ditador” (Hitlers Vater: Wie der Sohn zum Diktator wurde).

Surpreendentemente, os historiadores sabem muito mais sobre os estranhos ao redor de Hitler: secretários, tradutores, motoristas ajudantes, seguranças, em vez de pessoas mais próximas, como pai e mãe.

“Eu admirava meu pai”, confessou Hitler em Mein Kampf, “mas amava minha mãe.”

Em 1895, o chefe da alfândega, Alois Hitler, comprou uma fazenda na Alta Áustria em Hafeld, perto de Lambach. O vendedor de 20 hectares de terra foi um certo Josef Radlegger. Seguiu-se uma correspondência animada em torno da transação imobiliária, que fornece informações, por exemplo, sobre a situação financeira da família Hitler.

Todas as cartas são datadas de 1895 e endereçadas a Josef Radlegger. Sua tataraneta encontrou essas cartas e, tendo sabido nos jornais que o historiador escrevia sobre o Terceiro Reich, ela se voltou para ele.

“No começo, devo admitir, fiquei um pouco hesitante”, confessa Sandgruber, “porque você tem que ter cuidado quando o assunto é sobre Hitler, mas depois afastei todas as dúvidas.”

Retrato do pai do Fuhrer

Alois Hitler teve um sonho. No final da carreira de fiscal da alfândega, pretendia adquirir uma propriedade para se tornar proprietário de terras. Dois anos depois, neste campo, Hitler pai fracassou enquanto seu filho Adolf ainda estava na escola primária.

O historiador moderno considera o pai do futuro Fuhrer “um homem bastante decente, que expressa bem o seu pensamento na escrita e ao mesmo tempo se orgulha da sua autoeducação. Ao mesmo tempo, mostra uma certa arrogância e superiodade em relação aos funcionários próximos, a servos e criadas, bem como aos vendedores. “

Alois Hitler, na descrição de Roman Sandgruber, é uma pessoa pouco atraente. Colegas de trabalho falavam dele como um pedante de natureza colérica e, em conversas privadas, o chamavam de autoritário.

Corria o boato de que o Hitler pai chamava seus filhos, como cachorros, de assobiar, dando-lhes ordens curtas. O pequeno Adolf sempre o seguia obedientemente. Resulta do livro de Sandgruber que o jovem Adolf Hitler já era um nacionalista nas décadas de 1890-1900, compartilhando ideias darwinistas racistas e sociais, bem como ideias anticlericais e antidemocráticas.

“Muito vem da casa de seu pai. Hitler copiou seu pai, tornando-se, como ele, um autodidata. A assinatura do filho é quase indistinguível do autógrafo de seu pai. Ao mesmo tempo, ele frequentemente o contradiz. Adolf não queria mais ouvir o pai dele, que queria fazer dele um funcionário público. Ele queria ser um artista. Ele também era muito apaixonado pela política, que estava cada vez mais à deriva para a direita ”, enfatiza o historiador.

Os fatos descobertos não nos permitem reescrever radicalmente a biografia de Adolf Hitler. No entanto, esse trabalho meticuloso certamente adiciona alguns toques interessantes à aparência do Führer.

Perguntas que não têm resposta

Infelizmente, esta biografia não responde a três enigmas:

  1. Quem era o avô de Hitler?
  2. Por que, aos quase 40 anos, seu pai mudou seu sobrenome Schicklgruber para Hitler e só então conseguiu legitimar o fato de seu nascimento ilegítimo?
  3. Como surgiu o sobrenome Hitler, se a grafia Hiedler ou Hüttler era comum na família?

Sandgruber repetidamente levanta essas questões e honestamente admite que não pode respondê-las. Depois de se tornar chanceler do Reich, Adolf Hitler fez de tudo para esconder sua biografia, as biografias de seus pais e de seus ancestrais. O Führer, que atribuía grande importância à ancestralidade ariana documentada, tinha lacunas em sua própria árvore genealógica.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!