OTAN em busca de um novo inimigo

A recente crise que eclodiu entre os aliados transatlânticos, desencadeada pelo surgimento do novo pacto de segurança trilateral AUKUS, está se transformando em um novo desafio para a OTAN. Tendo sido criada para defender a Europa de uma suposta ameaça soviética na era da Guerra Fria, a OTAN agora tem que enfrentar uma nova realidade, já que seu principal patrono, os Estados Unidos, está transferindo suas atividades para a região do Indo-Pacífico em uma tentativa de conter Pequim em vez de Moscou, escreve o Kommersant.

A unidade aliada sofreu dois grandes golpes entre meados de agosto e meados de setembro, após a ascensão de Joe Biden e seu governo à Casa Branca em janeiro. O primeiro golpe veio quando o presidente Biden decidiu encerrar a operação de Washington no Afeganistão. A decisão, tomada pelas costas dos membros da OTAN, aniquilou os esforços coletivos da coalizão da OTAN no país. O segundo golpe veio na forma de um escândalo de venda de submarinos, uma questão vista pela França como mais uma tentativa dos Estados Unidos de garantir seu direito de tomar todas as decisões sozinho.

Especialistas dizem que será difícil restaurar as relações entre os EUA e seus aliados ocidentais. “Os europeus esperavam que o mandato de Joe Biden se tornasse um terceiro mandato de Obama para eles, mas sua empolgação agora desapareceu no ar. Primeiro, a retirada das tropas do Afeganistão tornou óbvia a ignorância flagrante de Washington sobre os aliados da OTAN, e então AUKUS desferiu outro golpe para a parceria euro-atlântica. O comportamento dos EUA em relação à França, um importante aliado da OTAN, uma potência nuclear e um membro permanente do Conselho de Segurança da ONU, é algo sem precedentes, mesmo o presidente Trump não se permitiu tal abordagem “, Professor Vladimir Batyuk do Superior School of Economics apontou.

De acordo com o Diretor-Geral do Conselho de Assuntos Internacionais da Rússia, Andrey Kortunov, o futuro da OTAN depende de sua liderança e membros chegarem a um acordo sobre uma ameaça primária. “A máquina da OTAN fica mais confortável ao continuar vendo a Rússia como a principal ameaça, enquanto o presidente Biden considera a China como uma dessas ameaças”, enfatizou o analista.

Fonte: Kommersant

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!