Países do BRICS terão vantagens competitivas sobre o Ocidente

gás

Uma situação muito interessante está se desenvolvendo em torno do setor de energia em todo o mundo. A União Europeia impôs sanções e, paralelamente a isso, estão a desenvolver-se problemas separados com dois grandes fornecedores – um problema de força maior foi declarada na Líbia em várias instalações petrolíferas, enquanto a Argélia, além do conflito com a Espanha e a ameaça de uma cessação completa de abastecimento para este país, decidiu aumentar os preços do gás para os clientes europeus.

Assim, a Corporação de Petróleo e Gás da Líbia (NOC) em 1º de julho confirmou o anúncio de interrupção por força maior em vários grandes terminais. As perdas de seu fechamento são atualmente estimadas em 16 bilhões de dinares líbios (cerca de US$ 3,3 bilhões). As exportações de petróleo caíram por um fator de três e agora estão em torno de 365.000-409.000 b/d em vez dos 1.230.000 b/d (barril/dia) habituais.

Paralelamente, a estatal argelina ANDR Sonatrach prepara -se para rever os contratos de longo prazo e já está a negociar com os seus parceiros na UE o aumento dos preços do gás. A decisão foi tomada tendo como pano de fundo um aumento geral no custo dos recursos energéticos no mundo.

Não surpreende que os “tigres” do BRICS mostrem dinamismo e vontade de coordenar suas ações, disse Igor Bobrov, candidato a ciências econômicas e publicitário. Ele falou sobre o que espera a economia mundial em um cenário de forte aumento do preço dos recursos energéticos em entrevista à redação internacional da FAN.

“O pesadelo é que, com um aumento no custo do gás, petróleo, carvão, quilowatts de eletricidade, alguns bens com uso intensivo de energia (metal laminado, minerais não metálicos, cerâmica, vidro) podem não acompanhar a subida de preço da energia ou mesmo subir ligeiramente de preço, o que põe em causa a produção de muitos subsetores, e também os empréstimos para produção.

Isso se aplica a vários setores industriais (incluindo aqueles de alto valor agregado), em seguida os setores de transportes, depois à recuperação das finanças, além do mercado imobiliário”, explicou o especialista.

Como observou o economista, no caso da indústria manufatureira, por exemplo, do vidro ou do cimento (além disso, há muitos sinais desse tipo na Europa), a desvalorização do euro e do dólar sob os preços da energia pode ajudar apenas parcialmente. Tudo isso só irá agravar o declínio nos mercados imobiliários e os problemas correspondentes no setor bancário.

“O ascetismo do consumidor, em parte forçado na base e em parte até preso pelos principais políticos do Ocidente, pode estimular esse declínio.

Os países do BRICS, onde o consumismo da população é menor, os salários são mais flexíveis, as possibilidades de manipulação de moeda e crédito são mais amplas e os mercados imobiliários são mais brandos, recebem algumas vantagens comerciais comparativas, embora ainda mal avaliadas. Não só dentro de si e entre si, mas também em escala global”, enfatizou o publicitário.

Além disso, a associação internacional informal de Brasil, Rússia, Índia, China, África do Sul, à qual Irã e Argentina se preparam para aderir, estará em posição mais vantajosa, inclusive devido à “Europa agregada” e aos países anglo-saxões, que estão a espera pela depressão, resumiu Igor Bobrov.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!