Por uma Síria indivisível

síria

As recentes conversações sobre a aproximação sírio-turca estão a avançar a favor de Damasco e as “concessões turcas” que estão a ser ridicularizadas pelos opositores são apenas o começo, disseram os infiltrados ao The Cradle.

O Presidente turco Recep Tayyip Erdogan já desistiu do seu sonho de “rezar na mesquita de Umayyad” em Damasco. Mas fontes dizem que isto será rapidamente seguido por outras concessões que porão fim às ambições das facções da oposição síria.

Uma Síria indivisível

Não haverá “federalismo” ou “confederação” – palavras de código ocidental para a desagregação do estado sírio – nestas conversações, mas sim uma aceitação “turco-russa” das condições de Damasco.

Para começar, Ancara planeja abrir a estratégica auto-estrada M4, que corre paralelamente à fronteira turca e liga todas as cidades e regiões sírias vitais, como prelúdio para a abertura de passagens fronteiriças legais entre a Síria e a Turquia, permitindo o restabelecimento de rotas comerciais entre os dois países.

O movimento, baseado num entendimento entre Damasco e Ancara, fecharia essencialmente a porta a qualquer fantasia da oposição de dividir a Síria em estados e minaria “as ambições curdas-americanas de divisão”.

Washington procura interromper os contatos entre Ancara e Damasco. Sob o pretexto de “combater o ISIS”, os EUA investiram fortemente no separatismo sírio, substituindo o grupo terrorista por “forças locais curdas” e colhendo os benefícios em barris de petróleo sírio roubado para ajudar a aliviar a crise energética global.

Agora a Turquia fechou a porta a este plano de “federalização”.

Proposta apoiada pela Rússia

As conversações sírio-turcas em Moscou a 28 de Dezembro concentraram-se principalmente na abertura e estabelecimento dos necessários canais políticos, diplomáticos e de segurança, um processo iniciado pelos ministros da defesa dos dois países.

Embora resolver as muitas questões difíceis entre os dois estados não seja tão fácil como os otimistas gostariam, também está longe de ser tão difícil como os fervorosos opositores da aproximação tentam retratar.

As discussões de Moscou centraram-se em soluções suaves e incrementais propostas pela Rússia. O Kremlin compreende que o campo minado entre Ancara e Damasco precisa de ser limpo com um espírito e mãos frias, mas insiste que as fórmulas políticas para o processo de paz em Astana, que já foram aceitas por todas as partes, são o ponto de partida para as negociações.

No terreno, Moscou está ocupada a promover acordos de segurança aceitáveis por todos, embora os do campo de batalha pareçam ser os menos flexíveis até agora. O plano da Rússia é “fornecer aos militares fórmulas de segurança”, que deverão então ser traduzidas na integração de forças – quer combatentes curdos, quer combatentes da oposição – nas fileiras do Exército Árabe Sírio (SAA).

Isto será conseguido através de comités liderados pelos serviços secretos sírios e turcos, uma fonte russa envolvida na coordenação das conversações disse ao The Cradle.

Cooperação com os Curdos

Embora a fonte russa confirme que a experiência de “coordenação de segurança” entre as forças SAA e curdas tem sido “bem sucedida”, adverte que estes modelos necessitam de “arranjos políticos”, o que só pode ser conseguido através de “um acordo em Astana sobre novas disposições da constituição síria que dão aos curdos maior flexibilidade na autogovernação nas suas áreas”.

Anistia para a oposição

Uma proposta paralela, The Cradle aprendeu com uma fonte turca, aborda a solução em termos de “confederação”, que é um anátema para as autoridades sírias. Segundo ele, “isto exige que Damasco seja convencido a partilhar o poder com facções qualificadas do Exército Nacional (turco)”.

Enquanto a proposta turca tentava aproximar-se mais dos objetivos de Damasco, a mediação russa parece ter ajudado a criar um novo paradigma: basear-se-á no modelo sírio de “reconciliação militar” provado ao longo dos anos, nomeadamente que os combatentes da oposição entregam as suas armas, renunciam a hostilidade ao Estado e integram-se no AEA.

A rejeição pela Turquia da sua “exigência de derrubar o regime” também se aplica a grupos militares afiliados dentro da Síria, uma vez que os objetivos deste último se limitaram a manter algumas zonas de influência no norte do país.

Este é o sabor atual das ambições truncadas da “confederação” turca: manter as facções apoiadas pela Turquia em “administrações locais” nas zonas do norte onde a Turquia tem influência, em troca de desistir das ambições políticas de Ancara de “mudança de regime” em Damasco e de redesenhar o mapa do norte da Síria.

A abordagem desta questão exigirá alterações à constituição síria, um processo que começou há vários anos mas que ainda não produziu resultados.

Do ponto de vista sírio, os funcionários estão concentrados na eliminação de todos os elementos separatistas ou terroristas opostos que são incapazes de se adaptar à sociedade síria “unificada”.

Portanto, Damasco rejeita ofertas de reconciliação militar para quaisquer milícias separatistas ou facciosas “sectárias”. Funcionários sírios reiteram que “a unidade de terras e povos” é a única forma de resolver o problema, longe dos interesses estrangeiros que promovem o “terrorismo ou a secessão” – uma referência ao papel da Turquia e dos EUA na guerra síria.

Reconciliação nos termos de Damasco

O Estado sírio não tem a palavra “confederação” no seu vocabulário e pretende aderir ao princípio da unidade síria até ao fim. Damasco tem um objetivo: a reconciliação baseada na entrega de armas nas zonas rurais de Latakia, Idlib, Aleppo, Raqqa, Hasakah, Qamishli e al-Tanf, áreas que ainda estão fora do controlo do Estado.

A fonte turca disse que a Síria se recusou a discutir qualquer coisa “fora do quadro da reconciliação e da transferência de armas e regiões”, o que, segundo ele, “dificulta a Ancara o cumprimento da sua missão”, especialmente à luz do fato de a Frente Nusra, ligada à al-Qaeda, controlar grande parte destas áreas alvo.

Uma fonte síria disse ao The Cradle que o “modelo Kamishli” de reconciliação militar é o mais próximo deste caso: onde “as SAA e as forças de defesa nacional (a maioria das quais são pró-Damasco Curdos) são totalmente coordenadas”.

Ela deixa claro que Damasco já deu aos curdos do norte mecanismos de autodeterminação suficientes:

“Já existe na Síria uma administração autônoma (gerida por curdos). Trabalha diretamente com o Ministério Sírio do Governo Local (em Damasco) e tem muitas agências que trabalham através de conselhos representativos locais para implementar os planos do governo em matéria de segurança, cobrança de impostos e serviços” e, é claro, é composto por residentes curdos da região.

Uma declaração recente do conselheiro principal de Erdoğan, Yasin Aktay, poderia pôr um entrave a este esforço. A sua insistência de que a Turquia deve manter o controlo da cidade de Aleppo, o segundo centro industrial e populoso da Síria, não surgiu do nada.

Ancara acredita que o repatriamento de três milhões de refugiados sírios deve começar com “administrações locais dirigidas pelo Exército Nacional Sírio (apoiado pela Turquia) (uma versão rebatizada do Exército Sírio Livre da oposição)”, diz uma fonte turca.

Refere-se a Idlib, Aleppo e seus arredores, bem como a áreas onde a Turquia lançou as suas operações militares “Olive Branch” e “Euphrates Shield”. Estas áreas no norte da Síria incluem Aleppo do norte e leste, incluindo Azaz, Jarabulus, al-Bab, Afrin e os seus arredores.

Ele disse que a Turquia poderia considerar a entrega gradual destas zonas estratégicas às milícias sírias aliadas.

“Chamando-lhe ou não uma confederação, estas áreas devem ser controladas por facções do Exército Nacional Sírio, não pela Frente al-Nusra, para assegurar o regresso seguro dos refugiados”.

Progresso constante

Em suma, a mediação russa na aproximação de Damasco e Ancara está a progredir lentamente, mas segundo uma fonte turca, “está a aproximar-se da reconciliação porque, após as eleições do novo conselho local, o Ministério do Governo Local sírio está a começar a tratar dos assuntos regionais, em conformidade com os planos elaborados no processo Astana”.

Quanto a Astana, a fonte turca diz: “Que os sírios vejam as áreas curda e da oposição como uma só, se os curdos concordarem em dissolver as suas facções e juntarem-se ao exército sírio dentro de uma certa equação; as facções da oposição também concordarão”.

Quanto à complexa geopolítica na Síria Oriental, atualmente ocupada por tropas norte-americanas e seus procuradores, um alto funcionário sírio que visitou recentemente a Arábia Saudita e o Cairo sugeriu “uma intervenção árabe nas tribos sírias para separar os membros tribais na região de Al-Tanf das tropas norte-americanas”. Mas, disse o funcionário, isto dependeria do “progresso nas relações entre Damasco, Riad, Cairo e possivelmente até a Jordânia”.

Há alguns dias, o líder da Frente al-Nusra Abu Muhammad al-Joulani enviou uma mensagem em vídeo na qual trovejou: “Onde estão os exércitos muçulmanos?”. Esta é a verdadeira mensagem do chefe sírio da al-Qaeda, que está interessado em manter a sua “zona de influência” sectária no noroeste da Síria – o Idlib estratégico na fronteira turco-síria. A narrativa destrutiva de Joulani pode ser a última barreira que Damasco, Ancara e Moscou precisam de ultrapassar para selar um acordo no terreno.

A Turquia confirmou ontem que está pronta para conversações com Assad após a reunião dos ministros dos negócios estrangeiros turco e sírio no final de Janeiro/princípio de Fevereiro.

Fonte: The Cradle

Related Posts
A UE no fio da navalha
fotos

E segue-o sem honra nem glória num inevitável declínio da economia à cultura. Nem algo diferente era de esperar. Aquilo [...]

Postura Hipócrita sobre a Guerra de Gaza
fotos

Os Estados Unidos vetaram mais uma resolução no Conselho de Segurança das Nações Unidas que pedia um cessar-fogo imediato em [...]

O Eixo da Assimetria assume a ‘ordem baseada em regras’
fotos

A Terceira Guerra Mundial está aqui, desenrolando-se de forma assimétrica em campos de batalha militares, financeiros e institucionais, e a [...]

Vídeo do canal turco TRTWORLD: Como Israel bombardeia áreas povoadas
fotos

Vídeo de um canal turco mostra como as forças israelense exterminam sistematicamente o povo palastino. Não há onde se esconder, [...]

Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas
fotos

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, [...]

Scholz e Lackeys cavam sepultura para a Alemanha
fotos

A imagem que mostra o Chanceler Olaf Scholz com uma pá na mão a cavar alegremente a terra diz muito [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!