Postura Hipócrita sobre a Guerra de Gaza

fotos
Reprodução

Os Estados Unidos vetaram mais uma resolução no Conselho de Segurança das Nações Unidas que pedia um cessar-fogo imediato em 20 de fevereiro de 2024. Esta é a terceira vez que os Estados Unidos vetam resoluções no Conselho de Segurança que pedem um cessar-fogo – sendo a primeira em outubro e o segundo em dezembro de 2023.

O último veto surge numa altura em que a guerra genocida de Israel em Gaza levou à morte de mais de 29.500 palestinos e a mais de 69.000 feridos desde 7 de Outubro. Dos mortos, 12.500 são crianças.

O primeiro-ministro, Netanyahu, anunciou que o ataque terrestre à última cidade remanescente em Gaza, Rafah, começará em breve. Rafah fica no extremo sul de Gaza e a área está repleta de 1,4 milhão de pessoas, a maioria delas teve que se refugiar lá depois de fugir do norte e centro de Gaza. As Nações Unidas alertaram que um ataque a Rafah será catastrófico e terá consequências devastadoras para a população civil.

Os Estados Unidos têm manifestado ultimamente preocupação com o aumento das baixas palestinas e têm pedido a Israel que não lance o ataque a Gaza. No entanto, quando se pretende adotar uma resolução, que poderia ajudar a parar os combates, no Conselho de Segurança da ONU, os Estados Unidos frustram tal medida. Isto está de acordo com o duplo discurso a que o presidente Biden e a sua administração têm se entregado, nas últimas semanas – fazer barulho sobre o enorme número de vidas civis em Gaza e, ao mesmo tempo, fornecer um escudo para Israel continuar a exercer a sua missão de crimes contra a humanidade.

Grande parte do armamento e das munições utilizadas em Gaza pelas forças armadas israelitas foram fornecidas pelos Estados Unidos. Toda a diplomacia conduzida com as repetidas viagens do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, a Israel e aos países árabes vizinhos visa libertar os reféns israelitas ainda detidos pelo Hamas, em vez de pôr fim aos combates. Finalmente, confrontados com o crescente clamor internacional contra o genocídio em Gaza, os Estados Unidos distribuíram uma resolução alternativa no Conselho de Segurança da ONU que menciona o termo “cessar-fogo” pela primeira vez, mas depois diz que deveria entrar em vigor “quando for praticável”, ou seja, quando Israel decidir que isso pode ser feito.

A posição do governo Modi relativamente à guerra israelita em Gaza reflete o mesmo discurso duplo e hipocrisia dos Estados Unidos. Depois de manifestar o seu total apoio a Israel na sequência dos ataques de 7 de Outubro perpetrados pelo Hamas, o governo do BJP evitou escrupulosamente condenar a agressão israelita a Gaza. Na Assembleia Geral das Nações Unidas, quando foi realizada a primeira votação sobre uma resolução de cessar-fogo, a Índia absteve-se e não apoiou a exigência em Outubro de 2023. Quando uma resolução de cessar-fogo surgiu pela segunda vez na Assembleia Geral em Dezembro, sentindo a condenação mundial da ação de Israel entre os países do Sul Global, a Índia votou a favor da resolução, depois de ter apoiado em vão uma alteração que teria incluído a condenação dos ataques violentos do Hamas.

Passaram-se dois meses desde que o Ministro dos Negócios Estrangeiros, Jaishankar, declarou que “Israel deveria ter estado muito atento às vítimas civis na sua resposta ao ataque do Hamas em 7 de Outubro”. Ele também acrescentou que “(Israel) tem a obrigação de observar o direito humanitário internacional”. Isto foi dito à margem da Conferência de Segurança de Munique, em 17 de fevereiro.

Mas até agora, o governo indiano não pediu publicamente a Israel que não lançasse um ataque à cidade de Rafah, algo que os primeiros-ministros da Austrália, Canadá e Nova Zelândia declararam numa declaração conjunta que estão “muito preocupados” com o operação militar israelita potencialmente “catastrófica” em Rafah e apelou a um cessar-fogo imediato. Todos os três países são aliados próximos dos Estados Unidos e a Austrália é parceira do Quad como a Índia.

A posição pró-Israel da Índia contrasta fortemente com a dos seus parceiros BRICS, a África do Sul e o Brasil. A África do Sul conquistou o respeito e a apreciação do Sul Global ao apresentar uma petição ao Tribunal Internacional de Justiça (CIJ) para declarar que Israel viola a Convenção contra o Genocídio. Como resultado, a CIJ emitiu medidas provisórias orientando Israel a não tomar qualquer medida que pudesse equivaler a genocídio. O presidente brasileiro, Lula da Silva, condenou categoricamente a guerra genocida de Israel em Gaza e comparou-a ao Holocausto. O resultado foi uma crise diplomática entre Israel e o Brasil.

Há algo de hipócrita no conselho do ministro das Relações Exteriores, Jaishankar, a Israel para que esteja atento às vítimas civis. Isto ocorre num momento em que a Índia exportou para Israel mais de 20 drones militares Hermes fabricados na Índia. Foi criada uma joint venture entre o grupo Adani e a israelense Elbit Systems para fabricar os drones em uma fábrica em Hyderabad. Os drones armados Hermes estão a ser usados ​​pelo exército israelita em Gaza para lançar bombas guiadas por laser. Portanto, a Índia, tal como os Estados Unidos, é cúmplice no massacre de civis palestinos.

A crescente colaboração militar entre a Índia e Israel levou não só Israel a tornar-se o segundo maior exportador de armas para a Índia, mas o setor privado de defesa na Índia celebrou acordos de co-produção com empresas de armas israelitas. A Adani-Elbit Advanced Systems é uma dessas empresas. Outro é o Sistema Avançado Kalyani Rafael e alguns outros.

Desde que o governo Modi assumiu o poder em 2014, 42% de todas as exportações de armas de Israel chegaram à Índia. Da Índia, alguns milhões de dólares em exportações de armas foram para Israel. Se o governo Modi tiver um mínimo de preocupação com o massacre em curso de mulheres e crianças palestinas, deveria parar imediatamente as exportações de armas para Israel, incluindo drones armados. A Índia é um dos financiadores da máquina de guerra israelita e a colaboração militar com Israel deve parar.

Neste contexto, há que elogiar a decisão tomada pela Federação dos Transportes Aquáticos da Índia, que representa 3.500 trabalhadores em onze grandes portos indianos que declararam que não carregarão nem descarregarão carga armada que possa ser utilizada por Israel na sua guerra contra o povo palestino. Esta postura, ao contrário da do governo Modi, é o que está em sintonia com os sentimentos anti-imperialistas e amantes da paz do povo indiano.

peoplesdemocracy.in

Related Posts
Sobre Israel e estupro
fotos

As duvidosas alegações de violação de Tel Aviv contra o Hamas escondem a chocante crise de violência sexual doméstica de [...]

Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!