Presos pastores que obrigavam seus “fiéis” a vender suas casas

Argentina pastores picaretas

Um bando de pastores evangélicos que forçaram os fiéis a vender suas casas, viver lotados em um cortiço e ao trabalho escravo em uma panificadora foram capturados em diferentes locais em Buenos Aires por meio de operações da polícia da província, disseram fontes policiais.

A investigação que permitiu desarticular este grupo de pastores evangélicos começou em dezembro passado depois de uma queixa apresentada por uma jovem de 24 anos na Assistência Fiscal de Delitos de Trato de Pessoas, Pornografia Infantil  do departamento judicial de La Matanza.

A polícia capturou nas últimas horas para 26 pessoas e apreendeu quase 40 mil dólares e mais de 1 milhão de pesos no comando operacional a cargo Divisão do Trato da Pessoas da Superintendência de Investigações do Tráfico de drogas ilícitas.

No caso, caracterizado como associação Ilícita com a redução à servidão e tráfico de seres humanos, repetido em doze oportunidades e lavagem de dinheiro,  também interviu no caso o Tribunal de Garantia número 1, a cargo Mary Castillo, do departamento judicial de La Matanza.

De acordo com a jovem, seus pais foram cooptados por membros de um templo evangélico conhecido como “Filadelfia” na cidade de San Justo, em Buenos Aires, quando ela era adolescente e eles moravam em González Catán.

A jovem disse que seus pais começaram a se envolver cada vez mais na esfera religiosa e mudaram seus hábitos cotidianos e que, depois de manipulações psicológicas, “os líderes religiosos os convenceram a vender sua propriedade e dar-lhes o dinheiro”, segundo fontes policiais.

Então, eles se mudaram junto com outros membros da congregação para uma espécie de cortiço, onde foram impedidos de ter contato com o resto de sua família ou amigos.

Lá, eles foram obrigados a realizar trabalhos em uma panificadora, de propriedade da igreja, e seus filhos foram  submetidas a trabalhos forçados em diferentes esquinas do San Justo, além de proibir frequentar a escola, de acordo com pesquisa revelada por fontes.

Segundo consta, as crianças que se recusava a vender o que era fabricado e quem desobedecia ou não aceitava casar-se com as pessoas que os líderes indicavam eram transferidos para campos no interior da província de Buenos Aires, onde deveriam participar  de “seminários bíblicos”.

Com base nessa denúncia, os membros da polícia de Buenos Aires realizaram investigações onde determinaram que quem liderava este grupo “ficou com todos os lucros produzidos, e maltratavam física e psicologicamente as pessoas.”

Fonte: El Caminante

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × três =