Primeiro ministro Boris Johnson é transferido para UTI em Londres

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Saint Thomas, em Londres, com sintomas persistentes devido ao Covid-19

primeiro-ministro
Primeiro-ministro Boris Johnson

O primeiro-ministro britânico Boris Johnson foi transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Saint Thomas, em Londres, na segunda-feira, depois de ter sido internado no domingo, depois de sua saúde piorar devido ao Covid-19.

Segundo a mídia local, o porta-voz do primeiro-ministro disse que sua saúde piorou nas últimas horas, motivo pelo qual a equipe médica recomendou sua transferência para a UTI do hospital.

Em um comunicado, ele especificou que Johnson pediu ao ministro das Relações Exteriores e primeiro secretário de Estado, Dominic Raab, que assumisse a liderança do governo em caráter provisório.

Raab já encabeçou nesta segunda-feira a reunião do comitê do governo, encarregado de monitorar a crise criada pela pandemia e coordenar várias ações para mitigar seus efeitos.

Johnson havia sido internado no hospital Saint Thomas na noite de 5 de abril por precaução contra os sintomas continuados do Covid-19. 

Na última sexta-feira, Johnson postou um vídeo na rede social do twitter, onde mencionou que “infelizmente ainda tenho um dos sintomas, um sintoma menor”. Além disso, ele pediu aos cidadãos que cumpram o isolamento social para conter o vírus.

Johnson foi uma das autoridades que não deu muita importância ao Covid-19 que rapidamente se tornou uma pandemia global, de acordo com a classificação feita pela Organização Mundial da Saúde.

O Reino Unido recebeu fortes críticas frente a reação à pandemia. No início da pandemia, o governo de Johnson ter adotado uma postura de deixar o vírus circular, para imunizar a população, nas últimas semana de março houve uma mudança drástica na postura, seguindo as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

O ex-diretor regional de saúde pública do noroeste da Inglaterra, John Ashton, observou que o governo deveria ter respondido rapidamente e seguido o exemplo de Hong Kong. “Eles estão se comportando como um bando de colonialistas que jogam críquete por cinco dias”. Aston concluiu.

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − 2 =