Putin e Xi são estadistas mundiais, enquanto as elites ocidentais demonstram ser a verdadeira ameaça à paz global

A força militar e econômica combinada da Rússia e da China, juntamente com a sabedoria política dos seus líderes, são uma garantia de um mundo melhor.

fotos

Esta semana, para aqueles dispostos a perceber a realidade objetivamente, foram apresentados dois tipos de ordem mundial. A notícia animadora é que um prevalecerá sobre o outro e, assim, produzirá um mundo melhor para a humanidade, um mundo de dignidade e desenvolvimento para o bem comum.

Foi uma ocasião importante esta semana quando o presidente russo, Vladimir Putin, visitou a China, onde foi calorosamente recebido pelo homólogo chinês, Xi Jinping. Ambos os líderes afirmaram a sua amizade e a sua visão de um mundo multipolar baseado na parceria e no benefício mútuo. Putin e Xi assinaram numerosos acordos sobre uma vasta gama de projetos comerciais e de desenvolvimento que abrangem energia, tecnologia, engenharia, construção, agricultura, infra-estruturas e defesa militar.

A visita foi a segunda de Putin à China desde outubro do ano passado. Foi a sua primeira viagem ao exterior desde que assumiu, no início deste mês, como presidente para um quinto mandato. Ambos os líderes estabeleceram uma tradição de visitar os países um do outro como primeira parada internacional após suas respectivas inaugurações. Ao iniciar a sua terceira gestão como presidente da China em 2023, Xi fez da Rússia o seu primeiro destino internacional. Nas últimas duas décadas, ambos os homens reuniram-se como líderes em pelo menos 40 ocasiões.

O calor pessoal atesta uma amizade genuína e também uma visão política do mundo estreitamente partilhada. Putin e Xi defenderam ardentemente um mundo multipolar baseado no respeito, na igualdade e na cooperação.

Durante a sua recepção em Pequim esta semana, numa visita de dois dias, Putin e Xi saudaram a crescente aliança das suas nações como um fator fundamental na manutenção da estabilidade e da paz mundiais.

Putin declarou: “Trabalhamos em solidariedade na formação de uma ordem mundial multipolar mais justa e democrática, que deve basear-se no papel central das Nações Unidas e do seu Conselho de Segurança, no direito internacional e na diversidade cultural e civilizacional, num equilíbrio verificado de interesses de todos participantes da comunidade mundial.”

Por sua vez, Xi observou que os laços Rússia-China “estabeleceram um modelo de respeito mútuo, franqueza, harmonia e benefício mútuo” e enfatizou o seu compromisso com “equidade e justiça”.

Ambos os homens sublinharam que a sua aliança e visão não procuravam ameaçar ninguém. Apelaram à diplomacia e ao diálogo razoável na resolução de conflitos internacionais, nomeadamente na Ucrânia e no Médio Oriente.

O Presidente Xi não mencionou nações específicas, mas era evidente que se referia aos Estados Unidos quando denunciou a “mentalidade da Guerra Fria… unilateralismo, hegemonismo, confronto de blocos e política de poder” como ameaças à paz e à segurança internacional.

Em contraste, de dois estadistas mundiais que representam o humanismo progressista, podemos passar para o outro tipo de mundo em exibição esta semana, aquele a que Xi aludiu com a sua denúncia da mentalidade da Guerra Fria.

A segunda visão é anacrônica, abjeta e fracassada. É a ordem mundial que dominou desde a Segunda Guerra Mundial baseada na hegemonia ocidental, ou mais eufemisticamente, chamada de “ordem baseada em regras”. A hegemonia líder são os Estados Unidos, cujos aliados ocidentais são vassalos para servir a sua ordem de privilégio e exploração de outros num paradigma neocolonial.

Hoje, esta ordem ditada pelo Ocidente é uma desordem hipermilitarizada onde guerras ilegais e conflitos clandestinos são fomentados para reforçar a suserania hegemônica e o parasitismo. Tal como nos tempos antigos, a maioria é tratada como escravos que devem prestar tributo aos seus senhores ou serão mortos à espada. Hoje, o sistema de tributos manifesta-se pela exploração comercial, condições de troca injustas e predação financeira resultante do abuso da moeda fiduciária, o dólar americano. Não existe parceria ou mutualismo nesta “ordem” porque todo o sistema se baseia no privilégio e na exploração, sustentado por noções fascistas de superioridade e excepcionalismo.

O Presidente dos EUA, Joe Biden, e praticamente todos os líderes políticos ocidentais não têm nada a oferecer ao mundo, exceto guerra, conflito, pobreza e privação. Esta semana, Biden e os vassalos ocidentais continuam a usar armas, a ajudar e a encorajar o genocídio em Gaza perpetrado pelo criminoso regime israelita; continuam a alimentar a guerra e a destruição na Ucrânia, rejeitando qualquer busca genuína de diplomacia pacífica.

Poucos dias antes de Putin chegar a Pequim, o presidente chinês Xi fez uma viagem oficial à Europa, onde se encontrou com o francês Emmanuel Macron, seguido pelo húngaro Viktor Orban. Durante a visita europeia de Xi, Biden anunciou uma série de medidas econômicas anti-China, incluindo novas tarifas sobre exportações chinesas no valor de 18 bilhões de dólares. Isso se soma às tarifas já impostas sobre 300 bilhões de dólares em exportações que Biden mantém da administração Trump. Não há dúvida de que Washington escolheu a oportunidade para aumentar as tensões com a China enquanto Xi estava na Europa. Esta é a manobra americana para desenterrar divisões e antagonismos como forma de tentar reforçar o seu (em declínio) poder global.

Num nível frívolo, esta semana vimos Antony Blinken, o principal diplomata americano (supostamente), a visitar Kiev e a prometer fornecer mais armas e milhares de milhões de dólares a um regime neo-nazi irremediavelmente corrupto. Depois de comer pizza em um restaurante famoso por exibir trajes nazistas, Blinken foi a um bar onde tocou guitarra com uma banda de rock local. A música tocada foi Rockin’ in the Free World, de Neil Young. Isto ocorre enquanto cerca de 500.000 soldados ucranianos foram mortos na guerra por procuração instigada pelos EUA contra a Rússia. Também é assustador que Blinken nem pareceu perceber que a canção contundente de Young é uma crítica sardônica à arrogância imperial americana.

Noutras partes de Pequim, depois de Putin e Xi terem conduzido reuniões sinceras e aprofundadas dedicadas à busca da paz e da prosperidade mundiais, os dois líderes jantaram e à noite assistiram a um magnífico concerto de música orquestral celebrando os séculos de herança cultural dos seus países.

Os dois acontecimentos justapostos falam muito sobre a qualidade humana, a sensibilidade, o intelecto e a consciência da profunda obrigação da história de elevar a condição humana.

O resultado empírico é que a desordem global dominada pelo Ocidente é obsoleta e decadente. O império liderado pelos EUA de predação e agressão capitalista neocolonial está morrendo a cada dia. Está a emergir uma nova ordem mundial baseada na igualdade e no respeito democrático genuíno. Esse novo mundo já está presente e exemplificado na forma da amizade entre a Rússia e a China.

Existem razões sólidas, embora deploráveis, pelas quais os imperialistas norte-americanos como Henry Kissinger e Zbigniew Brzezinski sempre temeram que o alinhamento histórico da Rússia e da China fosse um presságio de desastre… isto é, desastre para o imperialismo norte-americano.

Felizmente, para o resto do mundo, há esperança de um mundo melhor, de paz e prosperidade. Putin da Rússia e Xi da China são arautos desse futuro melhor.

A força militar e econômica combinada da Rússia e da China, juntamente com a sabedoria política dos seus líderes, são uma garantia de um mundo melhor, apesar do imenso perigo que decorre dos nefastos Neros do decadente império Ocidental.

strategic-culture.su

Related Posts
À beira da dissolução: Neurose no Ocidente à medida que o dique rompe
fotos

O discurso da escalada militar está na moda na Europa, mas tanto no Oriente Médio como na Ucrânia, a política [...]

Níger ordena a saída dos militares dos EUA e convida a Rússia a entrar
fotos

Os dias de dominação americana acabaram e as portas em África estão abertas para ajuda alternativa da Rússia e da [...]

A Rússia e a China estão fartas
fotos

Ambos estão fartos de serem “educados”. Você quer confronto? Confronto é o que você vai conseguir.

O fracasso das sanções financeiras ocidentais
fotos

As ameaças persistentes de Washington revelam um consenso bem estabelecido no Atlântico Norte de que, por um lado, o poder [...]

Uma história de dois soberanos, um lacaio e uma babá
fotos

Imagens espelhadas surpreendentes giram em torno de dois acontecimentos importantes nesta semana, diretamente embutidos na Grande Narrativa que dá forma [...]

O sionismo cristão no Brasil como guerra híbrida
fotos

Os cristãos antissionistas nos EUA receberam, espantados, a notícia de que a Câmara dos Representantes dos EUA estaria votando um [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!