Puxa, obrigado América! Sanções dos EUA tornam a economia russa mais forte e precipitam mundo multipolar

O paradoxal é que as sanções dos EUA e da Europa contra a Rússia, embora destinadas a paralisar a economia russa, tornaram-na mais forte.

Forum SPIF

A economia da Rússia está tendo um forte desempenho, de acordo com previsões recentes do Banco Mundial e do Fundo Monetário Internacional. O resultado desafia as previsões anteriores dos Estados Unidos e seus aliados europeus, que sustentavam que as sanções ocidentais colocariam a economia russa de joelhos e a forçariam a submissamente “Cry Uncle San”.

Quando o conflito na Ucrânia escalou 16 meses atrás (depois de oito anos de agressão patrocinada pela OTAN usando o regime neonazista de Kiev), vários políticos e especialistas ocidentais estavam saboreando a perspectiva do colapso da economia russa da “Guerra Total” lançada contra seu bancário e comercial.

Bem, não foi bem assim. Longe disso. Como o Banco Mundial observou acima, as sanções ocidentais simplesmente ajudaram a Rússia a impulsionar mercados alternativos na China, na Índia e em outros lugares do mundo. A principal fonte de renda da Rússia são as exportações de energia de petróleo e gás. O aumento das vendas para a Ásia manteve as receitas, apesar da perda dos mercados europeus devido às sanções ocidentais.

O paradoxal é que as sanções dos EUA e da Europa contra a Rússia, embora destinadas a paralisar a economia russa, na verdade a tornaram mais forte.

Michael Hudson, um analista americano de economia global, aponta : “As sanções obrigaram a Rússia a se tornar autossuficiente na produção de alimentos, manufatura e bens de consumo”.

Hudson também observa que a estratégia geopolítica dos EUA é usar sanções para tornar seus supostos aliados europeus mais dependentes e subservientes a Washington.

Outro comentarista respeitado, Glenn Diesen, um professor norueguês de geoeconomia, comparou o uso de sanções ocidentais ao comportamento autodestrutivo de “automutilação”. Os Estados Unidos e a União Europeia, diz, “entregaram um enorme mercado ao resto do mundo”.

Diesen também observa que 85% da população mundial vive em países que não cumprem as sanções ocidentais contra a Rússia. Esta maioria global está mais do que nunca criando novas formas de comércio e finanças que evitam o controle ocidental. Um grande impulso para este desenvolvimento positivo é a necessidade legada pelo abuso sistemático de poder e privilégio de Washington.

As repercussões são mais amplas e profundas do que os benefícios involuntários para a economia nacional da Rússia. O que as sanções ocidentais também estão fazendo é acelerar o desenvolvimento de um mundo multipolar e o desaparecimento do dólar americano como moeda de reserva global. O resultado dessas duas tendências é a diminuição histórica do poder imperial americano – embora com explosões de militarismo e belicismo ao longo do caminho.

Uma ilustração significativa da mudança dos tempos foi vista esta semana na 25ª cúpula do Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo (SPIEF). Participaram do evento de quatro dias 17.000 delegados de cerca de 130 nações. A convocação deste ano contou com grandes representantes da Ásia, América Latina e África.

O movimentado evento não apenas refletiu a própria força econômica da Rússia, mas também o fato de que – longe de estar “isolada” e oprimida – a Rússia é vista pelo resto do mundo como um motor para o crescimento e relações multipolares mais prósperas.

De fato, da perspectiva da maioria das nações, parece que os Estados Unidos e seus aliados ocidentais são os únicos isolados e anacrônicos.

Um dos participantes do SPIEF foi o analista industrial americano Douglas Andrew Littleton, que comentou : “As sanções ocidentais contra a Rússia saíram pela culatra”. E acrescentou: “Estou feliz que a Rússia tenha conseguido contornar as sanções de tantas maneiras com seus amigos e aliados”.

O que está acontecendo aqui não é apenas o surgimento de um sistema alternativo, mas uma mudança histórica de paradigma político e talvez moral. O mundo quer relações mais pacíficas e mútuas de cooperação e desenvolvimento. A maioria das pessoas nesta Terra deseja que o belicismo sem fim, o militarismo e a intimidação unilateral por parte de poderes auto ordenados acabem. O planeta clama por um mundo baseado na justiça e na paz.

O que o mundo está percebendo mais do que nunca é que o uso unilateral de sanções econômicas por Washington nada mais é do que guerra e terrorismo de estado com outro nome mais palatável. Durante décadas, os EUA tentaram usar armas econômicas para estrangular e matar outras nações. Coréia do Norte, Cuba, Irã, Iraque e muitos outros países vêm à mente onde o imperialismo dos EUA impôs condições de genocídio econômico.

O mundo está bem ciente desse legado diabólico e está farto da barbárie americana exercida com a ajuda de seus lacaios ocidentais na OTAN e na União Europeia.

Devemos aqui fazer uma menção especial à Síria, a nação árabe que luta para se recuperar de 12 anos de guerra infligida a ela por Washington e seus parceiros da OTAN para a “mudança de regime”. Hoje, a recuperação da Síria é cruelmente prejudicada por sanções econômicas impostas pelos EUA e pela UE. Quão desprezível é isso?

Há um senso histórico infalível, no entanto, de que Washington finalmente encontrou seu inimigo. Ao impor sanções contra a Rússia e forçar seus lacaios da UE a seguir o exemplo, os Estados Unidos desencadearam um processo dinâmico histórico de seu próprio colapso imperial.

Durante décadas, as sanções dos EUA funcionaram em um grau nefasto em nações menores e isoladas para, de fato, impor dificuldades vingativas.

Não mais. A vasta riqueza natural e a economia da Rússia são grandes demais para serem contidas. Militarmente, também, a Rússia não será pressionada. Na verdade, ele recuou na Ucrânia contra a enganosa e perniciosa guerra por procuração do Ocidente.

De forma orgânica e consciente, a economia mundial e as relações internacionais foram transformadas nos últimos anos, especialmente com a ascensão da China e da Eurásia em geral.

Outro desenvolvimento importante é que o monopólio da mídia imperialista ocidental também foi quebrado. Washington e seus lacaios na classe política europeia são desprezados como mentirosos e charlatães, até mesmo por suas próprias populações.

Ao tentar imprudentemente prender o urso russo, o Ocidente apenas criou um cenário de revolta do resto do mundo contra o controle explorador do Ocidente. Cinco séculos de parasitismo ocidental europeu e americano terminaram.

A força econômica da Rússia está estimulando o resto do mundo a se livrar das correntes da dominação e subjugação ocidentais. O processo de despejo do dólar está ganhando ímpeto que as sanções autodestrutivas estão precipitando. Pilares e fachadas estão desmoronando em tempo real.

O tema do evento SPIEF deste ano foi “Desenvolvimento soberano – a base para um mundo justo”.

Tal como acontece com muitos outros impérios nos anais da história que entraram em colapso, arrogância e a cegueira muitas vezes precedem a queda. A elite americana e ocidental pensava que tinha uma licença eterna para causar estragos para seu próprio ganho egoísta. Sua pilhagem econômica e armamento agora estão virando em suas próprias cabeças. E está muito atrasado.

Fonte: strategic-culture.org

Related Posts
Protestos de agricultores na Europa podem afetar os preços dos alimentos – FMI
fotos

Se os agricultores continuarem a protestar em diferentes cidades da Europa, isto poderá afectar significativamente os preços dos alimentos

O que o PIB esconde
fotos

EXISTEM problemas bem conhecidos associados ao conceito de produto interno bruto, bem como à sua medição. A inclusão do setor dos [...]

Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo
Davos é um fóssil vivo de um império em guerra consigo mesmo e com o mundo

O Fórum Econômico Mundial dá-nos o privilégio excepcional de um estudo que só os fósseis vivos podem proporcionar. Representante de uma [...]

Milei em Davos: um divórcio controverso da realidade
fotos

Não admira que Elon Musk goste e a direita neofascista esteja eufórica. Afinal, Milei atacou todos os seus inimigos ilusórios, contraditórios [...]

O mundo pode se dar ao luxo de ter seu primeiro trilionário?
fotos

Desde 2020, os cinco indivíduos mais ricos do mundo viram as suas fortunas explodir, enquanto durante o mesmo período cerca [...]

Previsões econômicas para o Brasil e para o mundo em 2024
fotos

Todo final de ano sempre ocorre uma enxurrada de exercícios de previsões econômicas, algumas mais sombrias e outras mais otimista, [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!