Que tipo de perdas a Ucrânia pode tolerar antes de ser forçada a buscar um acordo de paz?

Este é o quarto mês da “operação militar especial” da Rússia na Ucrânia. Os combates, que começaram em todo o território norte, leste e sul do país, agora estão quase inteiramente concentrados no Donbass.

blindado ucraniano

É preciso admitir que a Ucrânia como adversário acabou sendo muito mais forte do que parecia para muitos às vésperas da ofensiva. Dito isto, a razão dada pelo lado russo para iniciar a operação (a ameaça de uma invasão ucraniana do Donbass) perdeu sua relevância nos primeiros dias, senão horas: com ataques maciços, o Exército ucraniano foi neutralizado e privado do poder capacidade de realizar ações ofensivas.

Sim, dentro de algumas semanas foi possível ocupar os territórios de várias regiões sem combates sérios. No entanto, não houve colapso do estado ucraniano, o controle de tropas foi mantido, a mobilização foi realizada e os suprimentos foram garantidos. Vendo que a Ucrânia estava resistindo e poderia lutar, o Ocidente finalmente decidiu entregar extensos suprimentos militares.

Kiev conseguiu construir uma propaganda militar bastante eficaz. A linha do governo é: “Fomos atacados, todo o Ocidente nos apoia, juntos permanecemos firmes e forçamos o inimigo a recuar, juntos lutaremos até a vitória”. Até agora, o bombeamento ideológico está dando certo, mas com o tempo, os pontos fracos da narrativa escolhida começarão a aparecer – os fatos ficarão aparentes ou, simplesmente, o excesso de mentiras será exposto.

A guarnição de Mariupol, cercada há dois meses e meio, é um exemplo ilustrativo nesse sentido. Kiev insistiu o tempo todo que seria salva por meios militares e depois transportada para um país neutro.

No entanto, terminou com uma “evacuação” regular para o cativeiro russo, e os soldados e combatentes ucranianos dos batalhões nacionais (neste caso, os neonazistas Azov) viram claramente como eles estavam sendo usados ​​como bucha de canhão na guerra de informação. Coincidência ou não, mas logo após a queda de Mariupol, a frente no Donbass também vacilou e, sob a ameaça de cerco, os soldados de Kiev agora preferem recuar e render cidades sem lutar.

Mudanças tectônicas ocorreram nas regiões ocupadas pelos russos de Kherson e Zaporozhye: a criação de administrações civis-militares de pleno direito, a mudança para pagamentos em rublos, a conexão da televisão e da internet russas e a mudança para os cartões SIM das operadoras russas. As placas russas dos carros estão sendo emitidas, os símbolos do estado ucraniano estão sendo desmantelados e o procedimento para emissão de passaportes russos foi adotado. Tudo indica que a Rússia leva a sério o território e pretende ficar lá por muito tempo.

A batalha pelo Donbass, que determinará o futuro da operação militar, está a todo vapor. Está seguindo um padrão lento e latente que não envolve uma derrota rápida e espetacular das Forças Armadas da Ucrânia. Um termo da Primeira Guerra Mundial é cada vez mais lembrado: Guerra de desgaste.

O conflito permanece localizado e periférico para todos, exceto para a Ucrânia. A Rússia está lutando com um exército em tempos de paz, essencialmente um corpo expedicionário com capacidade máxima, enquanto o Ocidente, embora forneça as forças de Kiev em uma escala sem precedentes, ainda não está fornecendo as armas mais recentes e mais caras e não intervém com suas próprias tropas.

Em qualquer conflito militar, duas questões são de importância fundamental. Primeiro, quais são as perdas politicamente aceitáveis ​​– quanto você está disposto a sacrificar para alcançar objetivos militares? Em segundo lugar, quais são as perdas fisicamente aceitáveis ​​– quanta energia e recursos você pode desperdiçar enquanto ainda é capaz de lutar e alcançar seus objetivos?

No contexto das Forças Armadas da Ucrânia, vamos tentar responder a essas perguntas:

Quantas pessoas a Ucrânia está preparada para perder?

Politicamente, ao que parece, a resposta é bastante. Neste momento, o número total de soldados mortos, feridos ou capturados é estimado em dezenas de milhares, e a opinião pública do país aceita esses números por enquanto. Sim, as perdas são altas, mas estão conseguindo conter “os orcs”, como as tropas russas são apelidadas na propaganda de Kiev. No entanto, esses são os melhores, mais experientes e mais motivados lutadores, e – pelo menos nos próximos meses – será difícil substituí-los. Além disso, as táticas defensivas das Forças Armadas da Ucrânia funcionam bem nas posições fortificadas que foram criadas no Donbass nos últimos anos. Como recrutas inexperientes se comportarão fora de tais posições e contra um exército experiente em operações de assalto, só o futuro mostrará.

Quantas armas a Ucrânia está disposta a perder?

Diante disso, dado que Kiev parece ter um ‘código de trapaça’ para um suprimento infinito de munição e armas do Ocidente, essa questão é irrelevante. Mas a espinha dorsal de um exército, especialmente um exército de defesa, não são drones modernos ou veículos blindados únicos e obsoletos, mas artilharia: canhões, obuses, MLRS e morteiros. Com a escala atual das operações de combate, são necessários milhares ou dezenas de milhares e milhões de peças de munição para eles.

Sim, a URSS acumulou armas por algumas guerras mundiais, e a maior parte dessas armas foi mantida na Ucrânia e agora atende às necessidades de Kiev. Sim, a ajuda militar é trazida de todo o mundo, mas o fluxo é menor do que as perdas no front. À medida que o estoque soviético estiver esgotado, o Ocidente enfrentará a tarefa de abastecer totalmente a Ucrânia com suprimentos militares em uma escala nunca vista em décadas; ele terá que suprir um exército endurecido pela batalha, mas severamente esgotado, com uma porcentagem significativa de recrutas não treinados, o que significa ainda mais baixas e a necessidade de suprimentos ainda maiores.

Quanto tempo a Ucrânia sobreviverá economicamente?

Eles dizem que o PIB da Ucrânia vai dobrar este ano, em cerca de US$ 100 bilhões. Manter a economia à tona diante da mobilização, perda de território, negócios estagnados e desvalorização da moeda exigirá investimentos consideráveis ​​do Ocidente. Mesmo um confisco total das reservas russas em moeda estrangeira compensaria apenas parcialmente isso, pois ainda há a questão dos suprimentos militares, que exigem até US$ 1 bilhão por dia.

E a Rússia? Enquanto a tática do exército russo de avanço lento com base na artilharia estiver valendo a pena, não devemos esperar que ela mude. Se as Forças Armadas russas pararem completamente, seja na defesa de Slavyansk/Kramatorsk, seja nos arredores de Kharkov ou Nikolaev, a questão de uma ampla mobilização militar terá que ser resolvida, o que ainda é politicamente inaceitável para o Kremlin.

Para o adversário (Ucrânia e Ocidente), a questão de que tipo de perdas são aceitáveis, em última análise, se resume a se as forças ucranianas serão capazes de avançar contra o exército russo e ocupar o território. Se puderem, os custos econômicos e as perdas humanas permanecerão insignificantes, as pessoas irão para a frente enquanto as armas chegam do Ocidente. Se não puderem, se continuarem a recuar, ainda que lentamente, isso levantará a questão de fazer a paz ou aumentar as apostas.

Como antes, tudo será decidido no campo de batalha.

Fonte: RT

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!