Rachaduras no comando e controle nuclear

bomba
Um teste de bomba atômica em Nevada em 1957. Foto: © CORBIS / Corbis via Getty Images

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, disse em uma carta aos membros na sexta-feira que falou com o presidente do Estado-Maior Conjunto, Mark Milley, sobre impedir que o presidente Trump acesse os códigos nucleares.

A mensagem de Pelosi trouxe à tona uma realidade incômoda sobre a estrutura de controle nuclear dos Estados Unidos: se o presidente deseja usar armas nucleares, não há uma maneira clara de detê-lo.

Em sua mensagem, Pelosi mencionou discutir as “precauções disponíveis” em torno de Trump e dos códigos nucleares. Mas na realidade tais precauções não existem.

Como Fred Kaplan da Slate – autor de um livro recente sobre controle de armas nucleares – escreveu na sexta-feira , “o sistema de controle de comando nuclear foi projetado para permitir que o presidente, e apenas o presidente, lance armas nucleares o mais rápido possível”.

Apesar de todo o poder destrutivo das armas nucleares, um fator diferente dita a estrutura de comando e controle da América: sua velocidade.

O controle presidencial absoluto do arsenal nuclear foi solidificado em parte pela percepção de que a velocidade da guerra nuclear não permitiria debates prolongados.

Se um presidente dos Estados Unidos fosse alertado de que ICBMs vinham da Rússia, poderia haver apenas 10 minutos para decidir se retaliará antes que os mísseis atinjam seu destino.

Essa pressão de tempo não existe no caso do primeiro uso ser do lado americano de armas nucleares. Mas, como uma audiência sem precedentes no Senado em 2017 deixou claro, embora o protocolo exija que o presidente consulte vários oficiais antes de lançar armas nucleares, “o presidente não tem obrigação de seguir o conselho dos oficiais”, escreveu Kaplan.

O presidente Obama supostamente considerou descartar o primeiro uso de armas nucleares em um conflito, mas nunca o fez.

O senador Edward Markey redigiu um projeto de lei em 2019 impedindo o presidente de lançar um primeiro ataque sem o consentimento do Congresso, mas nunca foi a votação.

Conclusão o poder de usar as armas mais devastadoras já inventadas está nas mãos do presidente ou de um louco!

Fonte:Axios

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!