Relatório do Banco Mundial: Inflação, estagflação e dívida em dólar aguardam o mundo

A economia global está enfrentando um crescimento fraco e inflação alta, de acordo com um relatório publicado pelo Banco Mundial.

banco mundial

“No contexto da guerra na Ucrânia, um aumento acentuado da inflação e aumento das taxas de juros, este ano, o crescimento econômico global deverá cair de 4,1% para 2,9%. Muito provavelmente, muitos países do mundo enfrentarão recessão e estagflação, que o mundo não via desde os anos 70 do século passado”, diz o comunicado de imprensa.

O presidente do Banco Mundial, David Malpass, lembrou que a crise atual foi precedida por um período de pandemia, durante o qual o crescimento econômico caiu pela metade e atingiu 5,7%. Agora – nos próximos dois anos – “o crescimento ficará parado em 3%, já que o conflito russo-ucraniano e as divisões políticas afetaram o investimento e o comércio devido à pandemia”.

O relatório destaca que a desaceleração do crescimento entre 2021 e 2024 deverá ser o dobro da observada entre 1976 e 1979. E tanto os países ricos quanto os pobres sofrerão com isso.

O crescimento deverá desacelerar este ano:

  • nas economias avançadas de 5,1% para 2,6%;
  • em mercados emergentes e países em desenvolvimento, de 6,6% para 3,4%.

A recuperação da estagflação da década de 1970 exigiu um forte aumento das taxas de juros no Ocidente. Mas agora tal medida não pode ser usada. Em primeiro lugar, pelo alto nível de dívidas em dólar. Ou seja, os analistas financeiros esperam que a estagflação possa se arrastar por vários anos.

Consequências dos Altos Níveis de Dívida em Dólar

O relatório elaborado pelo Banco Mundial confirma as conclusões dos especialistas do Institute of International Finance (IIF):

  • as duas maiores economias do mundo – os EUA e a China – foram as que mais tomaram empréstimos nos primeiros três meses deste ano, elevando a dívida global para mais de US$ 305 trilhões.

A dívida da China aumentou US$ 2,5 trilhões no primeiro trimestre, enquanto a dívida dos EUA aumentou US$ 1,5 trilhão, segundo o IIF. Embora a dívida total na área do euro tenha diminuído pelo terceiro trimestre consecutivo.

De acordo com a análise do Instituto, muitos países, tanto em desenvolvimento quanto desenvolvidos, estão entrando em um ciclo de aperto da política monetária para, de alguma forma, conter a pressão da inflação.

“Com as necessidades de financiamento público ainda bem acima dos níveis pré-pandemia, os preços mais altos e mais voláteis das commodities podem forçar alguns países a aumentar ainda mais os gastos públicos para evitar distúrbios sociais”, disseram os especialistas.

Fonte: Pravda

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!