Rússia e China se unem na criação de estação lunar

Em 9 de março, a Corporação Estatal de Atividades Espaciais Roskosmos da Rússia e a Administração Espacial Nacional da China assinaram um memorando de entendimento mútuo em nome de seus governos
A China deve cooperar com a Rússia e outras partes interessadas no projeto de criação de uma estação lunar científica internacional, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, em uma entrevista coletiva regular na terça-feira.

“O espaço sideral é uma dimensão importante das relações de cooperação abrangente e mutuamente vantajosa entre a Rússia e a China, onde um progresso significativo foi alcançado nos últimos anos. A última declaração sino-russa sobre a criação de uma estação lunar demonstra a confiança de ambas as partes e sua determinação em implementar cooperação na exploração da Lua e do espaço profundo “, disse o porta-voz.

Em 9 de março, a Corporação Estatal de Atividades Espaciais Roskosmos da Rússia e a Administração Espacial Nacional da China (CNSA) assinaram um memorando de entendimento mútuo em nome de seus governos sobre cooperação na criação de uma estação lunar científica internacional (ISLS). A cerimônia de assinatura foi realizada por meio de videoconferência.

A interação Rússia-China prevê o estudo da superfície lunar e a implementação de projetos conjuntos na órbita do satélite natural da Terra.

Em novembro de 2017, Roskosmos e CNSA assinaram um programa de cooperação espacial para 2018-2022. É composto por seis seções: o estudo da Lua e do espaço profundo, pesquisa espacial e tecnologias relacionadas, satélites e seu uso, base de componentes e materiais, cooperação nos dados de sensoriamento remoto da Terra e outras questões. Subgrupos de trabalho foram criados para implementar projetos no âmbito deste programa.

Missão lunar robótica Chang’e-5 da China

Em 24 de novembro de 2020, a espaçonave Chang’e-5 decolou em direção à Lua no topo de um foguete  Changzheng-5 do espaçoporto de Wenchang, na província insular de Hainan, no sul da China. Em cerca de 23 dias, a espaçonave retornou à Terra após coletar cerca de 2 kg de rocha lunar para estudo de especialistas chineses e para o projeto de preparação para a construção de uma base lunar científica.

Em 17 de dezembro, a cápsula retornável Chang’e-5 pousou com sucesso no território da Região Autônoma da Mongólia Interior, no norte da China. A China se tornou o primeiro estado nos últimos 44 anos a realizar uma missão para recuperar rochas geológicas da superfície lunar. Em 2030, a CNSA planeja enviar uma missão tripulada ao satélite natural da Terra.

Fonte: Agência TASS

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!