Rússia se prepara para implantar bases militares em Cuba e Venezuela

A Rússia se preparou para a implantação de bases militares na Venezuela e em Cuba. “Putin colocou tudo em ordem”, dizem especialistas na América Latina.

base russa

A Rússia anunciou a possível implantação de infraestrutura militar perto das fronteiras dos Estados Unidos

O vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov , disse na quinta-feira que os EUA e a Otan disseram “não” às exigências russas de garantias de segurança. Quando questionado sobre as medidas de retaliação de Moscou, ele não descartou a implantação de infraestrutura militar em Cuba e na Venezuela.

“Não quero confirmar nada (…) e excluir nada”, disse.

O diplomata lembrou que o presidente Vladimir Putin falou sobre medidas “técnico-militares”, por exemplo, por meio da marinha russa, que poderão ser tomadas se as coisas forem no sentido de “provocar a Rússia e fortalecer ainda mais a pressão militar” sobre Moscou a partir de Washington.

Venezuela receberá bases militares russas

Na Venezuela, o autoproclamado presidente Juan Guaidó respondeu imediatamente.

“O que a Rússia quer? Nos tornar parte de um conflito que nem é latino-americano?”, perguntou. “A Rússia não precisa enviar nenhuma força militar para a Venezuela porque somos um país soberano”, destacou Guaidó.

No entanto, o ministro da Defesa do país, Vladimir Padrino Lopez, chamou a possível implantação de mísseis russos no território da Venezuela de “aprofundamento da cooperação” e Guaidó – “um representante vil” das forças anti-venezuelanas.

Ele lembrou que um tratado militar entre os dois países “já existe”.

“Não é de admirar ver o nefasto representante dos inimigos da Pátria falando sobre soberania nacional depois de pleitear intervenção militar e sanções contra a Venezuela quando a Rússia levanta a questão de aprofundar a cooperação militar entre nossos países que JÁ existe”, escreveu Padrino no Twitter.

Putin se gabando?

O Ocidente também reagiu à observação de Ryabkov. O conselheiro de segurança nacional de Biden nos Estados Unidos, Jake Sullivan , disse que não vai responder “a Putin se gabando em público”. Ele disse que “se a Rússia quiser seguir esse caminho, vamos combatê-lo resolutamente”.

A questão surge como, porque a cooperação entre a Rússia e a Venezuela é extensa e as sanções dos EUA não a impediram. Há apenas dois meses, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov , em uma reunião com seu colega venezuelano Felix Plasencia , reafirmou a solidariedade da Rússia com o governo do presidente Nicolás Maduro diante de sanções “ilegais” e suposta interferência estrangeira nos assuntos internos da Venezuela.

Em junho de 2021, o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu , disse na Conferência sobre Segurança Internacional que Cuba, Venezuela e Nicarágua precisam mais do que nunca do apoio militar de Moscou devido a várias formas de pressão que esses países estão experimentando.

Rússia está pronta para implantar bases militares em Cuba e Venezuela

A Rússia já está bem preparada para fornecer esse apoio. Os militares russos já estão presentes na Venezuela como conselheiros, pessoal técnico (armas compradas da Rússia no valor de US$ 11 bilhões devem ser reparadas) e estão realizando operações conjuntas com o exército venezuelano sob acordos existentes. Assim, bombardeiros estratégicos Tu-160 capazes de transportar armas nucleares voaram para o país, bem como uma aeronave Il-62 das Forças Aeroespaciais Russas da Síria com tropas a bordo.

Nesse sentido, a mídia venezuelana escreveu sobre a criação de uma base militar no nordeste da Venezuela.

O El Pitazo informou que especialistas russos em drones estavam envolvidos na captura de mercenários americanos e colombianos que tentavam encenar um golpe de estado na Venezuela em maio passado.

Recordemos também a operação fracassada do SBU (serviço secreto ucraniano) e da CIA para recrutar e enviar ex-militares e milícias Donbas supostamente para a Venezuela para sabotar de plataformas de petróleo.

Em Cuba , nos tempos soviéticos, havia uma base de inteligência de rádio em Lourdes, nos arredores de Havana, capaz de monitorar a maioria das comunicações dos Estados Unidos. Esta base foi fechada por Vladimir Putin em 2001. A segunda força militar foi a base de manutenção de submarinos em Cienfuegos. E o terceiro – uma brigada de fuzil motorizada, que tinha tanque e batalhões de artilharia, com até 3 mil pessoas.

A cooperação militar foi reduzida após o colapso da URSS, mas hoje é apoiada por assessores militares e cooperação com a indústria técnico-militar cubana. É possível que tenha sido alcançado um acordo sobre a manutenção das forças da Marinha russa nos portos cubanos. Em 2020, o Comandante-em-Chefe da Marinha Russa, Almirante Nikolai Evmenov, visitou Cuba e especialistas disseram que essa questão foi discutida.

O embaixador russo em Cuba, Andrei Guskov, disse mais tarde que Moscou estava pronta para considerar as possíveis propostas de Havana para fortalecer o potencial de defesa do país, alocando um empréstimo de mais de 1 bilhão de euros para isso. Mais cedo, o vice-diretor do Serviço Federal de Cooperação Técnico-Militar (FSVTS) da Rússia, Anatoly Punchuk, afirmou que Moscou está pronta para ajudar Havana no fortalecimento de sua frota e “modernizará seu complexo militar-industrial”.

A Rússia presta a maior assistência a Cuba no setor financeiro, Moscou perdoou à ilha 90% da dívida com a “União Soviética”, Havana deixou de pagar o restante em 2020. No ano passado, as partes concordaram com uma moratória de dois anos.

“A Rússia vai se comportar como a União Soviética fez”

O analista argentino Claudio Fantini disse à Rádio Mitra que a Rússia estabeleceu o “objetivo inabalável” de impedir os estados pós-soviéticos, “especialmente a Ucrânia”, de ingressar na Otan.

Após os eventos no Cazaquistão, a ameaça de Ryabkov na América Latina mostra “até que ponto Vladimir Putin coloca tudo em risco”, observou o analista.

Segundo o cientista político, o presidente russo “já está indo muito longe” e está tentando mostrar aos EUA “o que a Ucrânia significa para o nacionalismo russo”.

“O ultranacionalismo russo tem algo em comum com o que era durante a era soviética, que foi, por assim dizer, a maior conquista geopolítica da Rússia. A Rússia vai se mover da mesma forma, como a União Soviética se moveu. Há uma vontade geopolítica de voltar a isso e, sobretudo, de reconquistar os territórios que pertenciam à Rússia antes da era soviética”, finalizou Claudio Fantini.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!