Será que Milei catapultará a Argentina para o desconhecido? Não, outros políticos e economistas não permitirão que ele faça isso

O libertarianismo (anarcocapitalismo) está de fato a combater a lenda do peronismo que está muito viva, escreve Richard Barton.

fotos

Acabaremos com a casta política parasitária, estúpida e inútil que está afundando este país.

Milei em discurso após terminar em primeiro lugar nas eleições primárias de agosto de 2023

A longa sombra de Juan Domingo Perón

Compreender a atual situação social e econômica da Argentina a que chegou é impossível sem pelo menos algumas dicas limitadas sobre o movimento peronista que tem vindo a encenar regressos desde meados do século XX . Perón afirmou ter aprendido economia durante sua estada de dois anos na Itália. Os princípios fundamentais das ideias econômicas de Perón incluíam a ênfase na industrialização, no comércio e na autarquia financeira, e no planejamento e intervenção ativa do Estado, particularmente na atribuição de crédito e na distribuição do rendimento entre os fatores de produção. Estas políticas tiveram um impacto persistente e negativo na economia argentina e levaram à inflação, ao défice e à estagnação.

Alguns analistas concordam que o Paradigma da Política econômica Peronista é melhor condensado numa carta enviada por Perón em 1952 ao recém-eleito presidente do Chile, Carlos Ibáñez del Campo:

Dê ao povo, especialmente aos trabalhadores, tudo o que for possível. Quando lhe parecer que já lhes deu demais, dê-lhes mais. Você verá os resultados. Todos tentarão assustá-lo com o espectro de um colapso econômico. Mas tudo isso é mentira. Não há nada mais elástico do que a economia, que todos tanto temem porque ninguém a compreende.

Ironicamente, no final de 1951, a economia argentina estava de joelhos após quatro anos de estagflação e crescente agitação social. Nessa altura era evidente que a economia não era “elástica”.

Alguns insights adicionais sobre o modo peculiar de pensar de Perón podem ser dados com base em seus discursos. Segundo analistas como Emilio Ocampo, especialista em peronismo, podem ser reduzidos a argumentos em apoio à ideia de matiz nacionalista, desconsiderando o esforço individual ou a sorte, mas enfatizando a influência sobre o rendimento como uma força externa com intenção humana. É importante ressaltar que são “outros”, argumentou Perón, que estão ativamente tomando medidas que reduzem a renda dos argentinos. Ele considerou de menor importância a questão da tomada de posição coletiva para reduzir a influência dos elementos naturais (através de seguros ou de uma melhor selecção de atividades e culturas). Basicamente, para ele tratava-se de se opor ativamente a outros atores que tentam explorar os argentinos.

O recém-eleito presidente Javier Milei derrotou Sergio Massa, cujo movimento peronista governou durante 16 dos últimos 20 anos. Ele promete superar uma calamidade financeira que deixou 40% dos 45 milhões de cidadãos argentinos na pobreza e empurrou a inflação para mais de 140%. Como ele pretende alcançá-lo? Bem, não é segredo, ele já lançou todo o armamento libertário pesado.

Você negociaria com um assassino?

Presidente Javier Milei em novembro de 2023

Encruzilhada

A característica marcante do programa de recuperação de Milei é o seu caráter ideológico. Para começar, Milei apresentou as suas propostas de política externa como uma “luta global contra socialistas e estatistas”. Ele disse que não promoveria relações políticas e comerciais com países comunistas como Coreia do Norte, China, Nicarágua, Venezuela e Cuba. Isto pode ser interpretado como a retirada ou limitação da interdependência e a criação de relações potencialmente conflituosas, basicamente por motivos ideológicos.

Suas críticas mais duras foram reservadas à China. Segundo ele, o Partido Comunista, no poder, do presidente Xi Jinping, normalmente silencia os dissidentes com longas penas de prisão e foi acusado de deter mais de 1 milhão, a maioria uigures, em campos na região de Xinjiang. Os EUA apelidaram essa campanha de genocídio, enquanto a China chama as instalações de centros de formação profissional.

A China também foi acusada de sequestrar um punhado de pessoas do exterior, incluindo a Tailândia. Ele reiterou que manteria relações particularmente amistosas com os EUA e Israel.

O principal impulso das suas políticas visa a transformação radical da economia argentina. Ele é bastante aberto sobre a necessidade de introduzir a dolarização e diz que os seus detratores da dolarização são “brutos”; Milei está determinada a eliminar o Banco Central; Ele está empenhado em “destruir” 12 dos 18 ministérios; apoia a privatização de 34 grandes empresas estatais; ele prevê uma redução nas despesas governamentais que subiram para 38% do PIB anual; ele está empenhado em reduzir ou eliminar a maior parte dos impostos da Argentina e mais uma vez declarou : “Eu sei como exterminar o cancro da inflação!”

Reações mistas à vitória de Milei

Com um programa político tão extremo e invulgar como o de Milei, galvanizou para a ação tanto os seus amigos como os seus inimigos. Vamos citar algumas reações à sua vitória em 19 de novembro de 2023.

“Sou um homem democrático e nada valorizo ​​mais do que o veredito popular. Confio que amanhã poderemos começar a trabalhar com Javier Milei para garantir uma transição ordenada”, disse o presidente cessante, Alberto Fernandez.

“Parabenizo Javier Milei por representar corajosamente a vontade de avançar e prosperar que vive nos corações dos argentinos. Ele soube ouvir a voz dos jovens e o cansaço de milhões de pessoas negligenciadas e empobrecidas”, disse o ex-presidente Mauricio Macri.

“A extrema direita venceu na Argentina. É a decisão de sua sociedade. É triste para a América Latina, e veremos… A relação entre a Colômbia e a Argentina, os laços entre as suas comunidades são mantidos no respeito mútuo. Parabenizo Milei”, disse o presidente da Colômbia, Gustavo Petro.

“Como presidente do Chile, trabalharei incansavelmente para manter as nossas nações irmãs unidas e colaborando para o bem-estar de todos”, disse o presidente chileno, Gabriel Boric.

“A democracia é a voz do povo e deve ser sempre respeitada… Desejo boa sorte e sucesso ao novo governo”, disse o presidente brasileiro Luiz Ignácio Lula da Silva.

“A Argentina é um parceiro próximo da União Europeia. Agradeço a Alberto Fernandez pela excelente cooperação nos últimos anos. Estou ansioso por continuar esta cooperação em benefício dos nossos povos”, escreveu o Presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, no X.

“Esperamos que o caminho rumo ao compromisso com a multipolaridade, a política externa independente e uma defesa firme dos interesses nacionais seja ainda mais desenvolvido. Estamos confiantes de que isso será facilitado pela adesão da Argentina ao BRICS, o que lhe abrirá novos horizontes e oportunidades”, disse o embaixador da Rússia na Argentina, Dimitry Feokitistov, segundo a agência de notícias estatal russa RIA Novosti.

O porta-voz do Kremlin, Dimitry Peskov, disse aos repórteres que o Kremlin tomou nota das declarações de Milei sobre a Rússia, mas queria manter laços fortes com Buenos Aires.

A reação de Washington veio através do Conselheiro de Segurança Nacional Jake Sullivan, que felicitou o presidente eleito, bem como o povo da Argentina “pela realização de eleições livres e justas”. “Esperamos construir a nossa forte relação bilateral baseada no nosso compromisso partilhado com os direitos humanos, os valores democráticos e a transparência”, acrescentou.

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China disse que Pequim espera “continuar a nossa amizade, impulsionar o nosso respectivo desenvolvimento e revitalização com uma cooperação ganha-ganha”.

O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, a quem Milei é frequentemente comparado, também enviou parabéns.

“Parabéns a Javier Milei pela grande vitória à presidência da Argentina. O mundo inteiro estava assistindo! Estou muito orgulhoso de você. Você mudará seu país e realmente tornará a Argentina grande novamente! 

Sua vitória também foi comemorada pelo dono do X, Elon Musk, que postou : “A prosperidade está à frente para a Argentina”.

Modificações a caminho

O programa eleitoral da presidente eleita Milei terá de ser consideravelmente modificado. A tão amplamente aclamada necessidade de dolarização está a ser alvo de algum escrutínio. Notavelmente, Emilio Ocampo, a quem ele nomeou estrategista-chefe da dolarização, elogiou a ideia de trazer dólares offshore e retirar dinheiro debaixo dos colchões e colocá-los de volta no sistema, a fim de criar um conjunto de dólares para fins de dolarização. Além disso, a equipe de Milei que projeta a dolarização está a analisar cinco alternativas entre elas, tais como títulos do tesouro, dívida do fundo de pensões público e ações na empresa petrolífera estatal.

Embora ainda falasse alto sobre a sua promessa de campanha, saudando a dolarização como uma cura para o problema de hiperinflação do país, Milei teve, a 5 de Outubro de 2023, uma reunião decepcionante com o grande empresariado reunido em Mar del Plata. Os principais empresários argentinos recusaram-se a apoiar a sua proposta de dolarização e permaneceram céticos em relação a ela. Além disso, foi-lhe lembrado que, segundo mais de 200 economistas de todos os matizes, signatários de um artigo de opinião publicado em 10 de Setembro, trata-se de uma “miragem”. No seu texto, sublinharam a impossibilidade de “dolarizar” sem dólares suficientes em reservas, mas também a perda de soberania monetária. Para tornar o quadro mais completo, o FMI proibiu a Argentina de aceder aos mercados internacionais enquanto o país ainda está a pagar as suas dívidas. A Argentina deve ao credor sediado em Washington, DC, cerca de 44 bilhões de dólares, na sequência de um resgate histórico em 2018. Para piorar consideravelmente a situação, o Banco Mundial espera que a economia argentina se contraia 2,5% em 2023, em parte devido a uma seca devastadora que se estima custar são US$ 20 bilhões em exportações agrícolas perdidas. Presidente Milei, você não tem azar!

Uma das explicações úteis sobre por que a Argentina não deveria usar a dolarização para controlar a inflação que encontrei foi a do investigador Bhagwan Das. A consequência básica da dolarização é que o Banco Central Argentino deixa de existir e atua de acordo com as instruções da Reserva Federal dos EUA. Esta última instituição atua no interesse dos EUA. Assim, o Banco Central Argentino deixa de atuar como credor de última instância para instituições financeiras nacionais em dificuldades e abdica do seu poder de fixar taxas de juro nacionais e de gerir o valor cambial da sua moeda. .

Como isso pode afetar a economia argentina? Por exemplo, neste momento, as taxas de empréstimo nos Estados Unidos estão no seu máximo (5,25 a 5,50%) enquanto a sua inflação está a abrandar para cerca de 4% ou mesmo abaixo. Quando a taxa de inflação dos EUA descer para 2%, a Reserva Federal dos EUA poderá começar a reduzir a sua taxa de empréstimo para apoiar o seu próprio crescimento econômico. Entretanto, assim que a Argentina adotar o dólar americano como moeda ou curso legal, com os défices orçamentais e comerciais e as taxas de inflação prevalecentes, uma redução nas taxas de juro apenas piorará a inflação e conduzirá a economia ainda mais à recessão e ao desemprego. Isto, por sua vez, pode levar a agitação social e motins como aconteceu no início dos anos 2000.

Neste contexto, já não é surpreendente que no seu discurso de vitória Milei já não tenha mencionado a dolarização e o encerramento do Banco Central Argentino. Pode ser entendido como uma forma de buscar apoio dos partidos centristas.

Eu observei por muitos anos e vi como algumas famílias ricas detinham grande parte da riqueza e do poder da Argentina em suas mãos. Assim, Perón e o governo criaram uma jornada de trabalho de oito horas, auxílio-doença e salários justos para dar aos trabalhadores pobres uma vida justa.

Evita Perón

As razões mais essenciais para abandonar a dolarização e fechar o banco central

Estas promessas de campanha eleitoral do presidente Milei podem não ser politicamente aceitáveis. O ex-presidente Alberto Fernandez foi suficientemente cortês para felicitar Javier Milei pela sua vitória, mas no fundo continua a ser um peronista e não tem intenção de facilitar as suas políticas libertárias. Mais importante ainda, ele exerce uma influência considerável no congresso argentino, nos sindicatos e na sociedade argentina.

Em 1976, 1989, na década de 1990 e em 2007, enquanto estava na Argentina, tive extensas conversas com pessoas comuns tentando aprender sobre as suas percepções sobre o peronismo. Esmagadoramente, eles foram positivos. Alguns trabalhadores, numa conversa aleatória, observaram: “As pessoas comuns só tiveram a oportunidade de comprar uma casa quando Perón estava no poder”. Quando insisti em algo errado que estava acontecendo na era Perón, um trabalhador me disse que Perón introduziu em sua fábrica regras segundo as quais, uma vez que um trabalhador tenha um bom desempenho durante meio ano, você não poderá demiti-lo, mesmo que ele tenha um desempenho ruim mais tarde.

O libertarianismo está de fato a combater a lenda do peronismo que está muito viva. Perón e sua esposa Evita fazem parte do folclore, da cultura e das tradições argentinas admiradas por muitos. Não consigo imaginar a maioria dos argentinos querendo o dólar como moeda legal ou satisfeitos com a sua política monetária gerida por Washington. Subscrevo inteiramente o recente comentário feito por William Jackson, economista-chefe para mercados emergentes da Capital Economics, que disse: “Suspeitamos que algumas das suas propostas mais radicais – nomeadamente a dolarização – podem não se materializar, dado o apoio limitado tanto no Congresso como entre o público. .”

Recomenda-se vivamente maior flexibilidade nas relações com estrangeiros e com os seus colegas argentinos

Talvez seja necessária alguma flexibilidade na “motosserra” dos gastos públicos de Milei (terapia de choque). Tudo o que se sabe nesta fase não é o conteúdo da “terapia de choque”, mas o plano de Milei de aprová-lo ao Congresso em 11 de dezembro de 2023.

É necessário voltar a focar no corte de laços de Milei ou no congelamento deles com a China. Cortar laços ou congelá-los parecem declarações fortes que não deixam dúvidas quanto às intenções de Milei. Mas com toda a sua determinação em lutar contra “comunistas e socialistas”, será que ele conseguirá a sua política externa e negociará à sua maneira?

Poderá ele ignorar o fato de a China ser o segundo maior comprador das exportações argentinas? Será que se esqueceu que em 2015 a então presidente argentina Cristina Fernández de Kirchner, durante uma visita de Estado à China, procurou novos investimentos do Império Médio? Afinal de contas, os atuais enormes investimentos chineses incluem um contrato para a construção de barragens gêmeas na Patagónia e um acordo para a criação de uma central nuclear. Será que Milei não sabe que não é mais ninguém, a não ser a China, que fornece uma linha de swap crucial de 18 bilhões de dólares com o banco central que está a ser usada para pagar o Fundo Monetário Internacional?

Ultimamente, ele suavizou seus comentários sobre os laços comerciais com a China. A palavra “congelar” foi substituída por “não promover” e “honrar os contratos já assinados”. Acontece que novos contratos caberiam aos empresários argentinos e aos seus homólogos chineses. Surpreendentemente, usando elevadas habilidades diplomáticas, os chineses ignoraram em grande parte as críticas de Milei. Ao mesmo tempo, o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, Wang Wenbin, disse numa conferência de imprensa em Pequim que se Milei visitasse a China pessoalmente “ele teria uma conclusão completamente diferente quanto à liberdade e segurança na China”.

Milei, el loco (o louco), como alguns o chamam entre as massas argentinas, exibiu uma bravata de longo alcance para com outros políticos e personalidades na Argentina. Por exemplo, em entrevistas anteriores, chamou o presidente da Câmara centrista de Buenos Aires de “um pedaço de merda esquerdista” e sugeriu que um antigo chefe de gabinete de um governo de centro-direita deveria ser decapitado com uma espada de samurai. Noutro caso, acusou o papa (que é argentino) de encorajar o comunismo e apelidou as alterações climáticas de “uma mentira socialista”. Em uma nota mais leve, ele não nega nem confirma os rumores de que seus cães o aconselham. “Se assim for” , diz ele , “eles são os melhores analistas políticos do mundo”.

Primeiro ano sob o presidente Milei

Estou entre aqueles que querem dar ao novo presidente argentino o benefício da dúvida e devo assumir que Milei aprende rapidamente e se volta cada vez mais para a moderação. Se assim for, não haverá necessidade de governar o país nem por decretos nem de realizar referendos. Todo o quadro dramático da crise argentina que ele chamou de “realidade trágica” parece ter sido exagerado. Para o perceber, talvez valha a pena compará-lo com a crise de 1989, quando o presidente Carlos Menem chegou ao poder. Mais resumidamente, era um país assolado pela pobreza, com a sua inflação a aproximar-se dos 5000% (não é um erro de impressão), a dívida externa era de cerca de 60 bilhões de dólares e a dívida interna de cerca de 7 bilhões de dólares. Além disso, houve cortes de energia, fechamentos de fábricas, demissões generalizadas e escassez de tudo.

Quando cheguei a Buenos Aires, em agosto de 1989, lembro-me vividamente de ver pessoas carregando pacotes, pastas ou sacolas com pilhas de notas para comprar alimentos básicos cujos preços mudavam até 2 a 3 vezes ao dia. Sem querer, imaginei uma crise na República de Weimar, sobre a qual tinha lido muito.

Bem, falando francamente, não há nada parecido agora na Argentina, pelo menos em termos de inflação. Menem chegou ao poder como peronista, mas observadores astutos dizem que ele acabou por lidar com os problemas econômicos como um democrata neoliberal. Os fatos são que em 1993, sob Menem, a inflação caiu para um dígito.

Não consigo imaginar Javier Milei não reduzindo acentuadamente a inflação no primeiro ano no poder. Deveria haver um aumento substancial no investimento, no emprego e no pagamento regular da dívida.

E parece haver alguns motivos para otimismo do presidente Milei.

Ele teve uma reunião “muito confortável” com assessores de Biden: Jake Sullivan, conselheiro de segurança nacional, e Juan Gonzalez, conselheiro para a América Latina. Eles não apenas irão orientá-lo, dar-lhe conselhos profissionais, mas ele terá que seguir suas instruções. O apoio da administração Biden será essencial. Nas próximas semanas, Milei entrará em negociações sobre o problemático empréstimo de 43 bilhões de dólares concedido à Argentina pelo FMI, no qual os EUA são o maior interveniente. Eles não o decepcionarão – ele receberá toda a assistência possível que puderem oferecer. Afinal de contas, não encontrarão outro falastrão do seu calibre que dê sermões ao mundo sobre as virtudes da democracia dos EUA.

strategic-culture.su

Related Posts
A UE no fio da navalha
fotos

E segue-o sem honra nem glória num inevitável declínio da economia à cultura. Nem algo diferente era de esperar. Aquilo [...]

Postura Hipócrita sobre a Guerra de Gaza
fotos

Os Estados Unidos vetaram mais uma resolução no Conselho de Segurança das Nações Unidas que pedia um cessar-fogo imediato em [...]

O Eixo da Assimetria assume a ‘ordem baseada em regras’
fotos

A Terceira Guerra Mundial está aqui, desenrolando-se de forma assimétrica em campos de batalha militares, financeiros e institucionais, e a [...]

Vídeo do canal turco TRTWORLD: Como Israel bombardeia áreas povoadas
fotos

Vídeo de um canal turco mostra como as forças israelense exterminam sistematicamente o povo palastino. Não há onde se esconder, [...]

Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas
fotos

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, [...]

Scholz e Lackeys cavam sepultura para a Alemanha
fotos

A imagem que mostra o Chanceler Olaf Scholz com uma pá na mão a cavar alegremente a terra diz muito [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!