Síndrome da morte súbita em adulto: por que jovens saudáveis ​​morrem de parada cardíaca

Os médicos já deram o nome a esse fenômeno – uma síndrome de morte súbita de adultos. Vale a pena falar sobre uma nova epidemia?

SADS
Imagem: reprodução de www.minutoenfermagem.com.br

A morte em tenra idade devido a problemas cardíacos não é tão rara. Especialmente agora, quando os médicos dos países ocidentais estão sendo confrontados pelos casos crescentes de mortes súbitas e misteriosas de pessoas com menos de quarenta anos.

A Síndrome da Morte Súbita em Adulto, ou, em outras palavras, SADS (Sudden Arrhythmic Death Syndrome) – Síndrome da morte arrítmica súbita.

Esse nome foi dado a um novo fenômeno em que pessoas jovens e saudáveis ​​morrem repentina e inesperadamente sem motivo aparente.

A síndrome da morte súbita em adulto (SADS) se deu a conhecer em meio à pandemia de covid, mas segundo os médicos, a própria covid não foi a causa raiz. Muito provavelmente, ele serviu como um gatilho.

Agora, o diagnóstico de SADS é usado pelos médicos quando uma autópsia não consegue estabelecer uma causa óbvia de morte para uma pessoa. É apenas claro que em algum momento houve uma parada cardíaca e por que exatamente – permanece desconhecido.

De acordo com o Royal College of General Practitioners of Australia, o SADS é mais comum em pessoas com menos de 40 anos. Além disso, todos podem estar em risco, independentemente do estado de saúde, forma física e estilo de vida.

Então, Catherine Keane, de 31 anos, de Dublin, morreu enquanto dormia quando morava com dois amigos. Eles estavam todos trabalhando em casa devido à pandemia de covid, então ninguém prestou muita atenção quando Katherine não desceu para o café da manhã. Eles mandaram uma mensagem para ela às 11h20, e quando ela não respondeu, eles entraram em seu quarto e a encontraram morta. Katherine era considerada saudável até o último dia, ia à academia e caminhava 10.000 passos diariamente.

Desmaios, convulsões e outros “sinais” alarmantes

A SADS foi chamada de síndrome porque ataca inesperadamente, e absolutamente qualquer pessoa pode se tornar sua vítima.

No entanto, a US SADS Foundation disse que mais da metade das 4.000 pessoas que morreram de síndrome da morte súbita no ano passado nos EUA tinham um destes dois sinais:

– desmaios ou convulsões durante o exercício, quando excitado ou assustado;

– Morte súbita e inexplicável de um parente próximo na história familiar.

E de acordo com o Royal Australian College of General Practitioners (RACGP), as condições SADS mais comuns incluem síndromes de arritmias genéticas, taquicardia ventricular e outras condições em que o sistema cardíaco de repente para de funcionar corretamente.

“Concordamos que um fator genético desempenha um papel importante nas síndromes de morte súbita”, diz a Dra. Elisabeth Paratz do Australian Baker Heart and Diabetes Institute.

– Portanto, se você mesmo teve um parente cuja morte foi uma surpresa para todos, inclusive para os médicos, recomendo fortemente consultar um cardiologista.

Se você tiver sintomas cardíacos, como dor no peito, falta de ar ou se não conseguir acompanhar os outros enquanto caminha, esse também é um motivo para consultar um médico.

E, por enquanto, isso é tudo o que os médicos podem recomendar para evitar o desenvolvimento de SADS. A Dra. Elisabeth Paratz diz que, por enquanto, essa síndrome continua sendo um diagnóstico misterioso:

– Tudo o que sabemos com certeza é que definitivamente não são drogas, nem suicídio, nem uma lesão, e nem mesmo um ataque cardíaco.

E por falar nisso, as pessoas muitas vezes confundem um ataque cardíaco (também conhecido como infarto do miocárdio) e parada cardíaca. São coisas diferentes: um ataque cardíaco refere-se a um bloqueio de um vaso cardíaco, enquanto uma parada cardíaca significa que o coração parou em algum momento. Como um relógio, ele tiquetaqueou e tiquetaqueou e de repente parou.

Se alguém tiver um ataque cardíaco, uma autópsia pode mostrar um coágulo de sangue, mas quando uma pessoa tem SADS, o coração permanece intacto.

“ESTA É APENAS A PONTA DO ICEBERG”

Depois que a neozelandesa de 30 anos Piata Tauhare morreu de SADS em um solário (ela caiu e ficou despercebida por quase duas horas (!), a Austrália começou a compilar o registro SADS. O primeiro no país e um dos poucos em quee combinou as informações do atendimento de ambulância, hospitais e perícia.

Todos os anos em Victoria (um dos estados da Austrália com 6,681 milhões de pessoas) ocorrem cerca de 750 casos de parada cardíaca súbita em pessoas com idade inferior a 50 anos. Destes, em cerca de 100 pessoas, a causa não será encontrada mesmo após extensa pesquisa, incluindo uma autópsia completa. Este é o fenômeno da síndrome da morte súbita.

A maioria dos casos de SADS – 90 por cento – ocorre fora do hospital. Tudo acontece tão rápido que uma pessoa simplesmente não tem tempo para pedir ajuda.

“E acho que os médicos estão subestimando toda a extensão do problema”, conclui a Dra. Elisabeth Paratz. “Receio que estamos vendo apenas a ponta do iceberg”.

Fonte: kp.ru

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!