Sul do Cáucaso: Uma batalha de vontades e corredores

O Azerbaijão e a Turquia estão empenhados em estabelecer o “corredor Zangezur”, em conflito direto com os interesses do Irã e da Armênia, pois envolve o bloqueio do corredor Lachin – uma tábua de salvação para os armênios étnicos de Nagorno-Karabakh.

Nagorno Karabakh 2.jpg
Foto: The Cradle

Por Yeghia Tashjian

Em 12 de dezembro, sob o pretexto do ambientalismo, dezenas de “ecoativistas” apoiados pelo Estado do Azerbaijão bloquearam o único corredor terrestre que liga a Armênia a Nagorno-Karabakh.

O bloqueio criou uma crise humanitária para os 120.000 armênios que vivem em Nagorno-Karabakh, isolando-os do mundo exterior. Esta não é a primeira vez que Baku faz uma ação tão provocativa. O Azerbaijão há muito pressiona pela criação do “corredor Zangezur” para se conectar ao aliado próximo, a Turquia através do sul da Armênia, cortando assim a fronteira estratégica Armênia-Irã.

Teerã se opôs a este projeto e se envolveu em exercícios militares em sua fronteira com o Azerbaijão. Em outubro, os iranianos abriram um consulado na cidade de Kapan, no sul da Armênia, como um aviso a Baku e seus aliados regionais.

Bloqueando o corredor Lachin

Apesar disso, o Azerbaijão, com o apoio de Turquia, continuou a perseguir seu objetivo, que incluiu bloquear a estrada onde as forças de paz russas estão estacionadas no corredor Lachin que liga a Armênia a Nagorno-Karabakh.

Azerbaijan-Armenia-conflito
Mapa das zonas de conflito Azerbaijão-Armênia (Foto: The Cradle)

Em julho de 2022, Baku alterou um contrato com a empresa britânica  Anglo Asian Mining PLC , transferindo três novos locais de mineração dentro do Azerbaijão para a empresa. Uma dessas áreas está localizada na parte oriental da região de Martakert de Nagorno-Karabakh, uma área rica em minas de ouro, cobre e prata.

A população armênia de Nagorno-Karabakh recusou os esforços do Azerbaijão para enviar grupos de monitoramento, acreditando que a mudança daria a Baku o controle sobre a economia da região e, eventualmente, levaria à sua anexação. Em retaliação, Baku enviou “ambientalistas” para bloquear o único corredor que liga a Armênia a Nagorno-Karabakh.

Usuários de mídia social identificaram funcionários do estado do Azerbaijão entre alguns desses “ambientalistas” que periodicamente tentam provocar as forças de paz russas. O bloqueio causou um desastre humanitário na região, com milhares de civis sem acesso a produtos de primeira necessidade, como remédios e alimentos, pela única estrada que os conecta ao mundo exterior.

Para agravar as tensões, a Anglo-Asian Mining enviou uma carta às principais organizações internacionais e estados exigindo que a “ exploração ilegal ” das minas em Nagorno-Karabakh pelos armênios fosse interrompida. E, no entanto, Moscou continua a assumir uma posição passiva, apesar de ser o alvo da confusão.

A Batalha dos Corredores

O bloqueio do corredor Lachin não foi uma surpresa, tendo sido discutido abertamente na mídia do Azerbaijão.

A única surpresa foi a incapacidade da Rússia de resolver a crise. No início deste mês, o ministro da defesa de Turquia,  Hulusi Akar, pediu à Armênia que “aproveitasse a oportunidade e respondesse positivamente aos apelos de paz de Turquia e do Azerbaijão” durante exercícios militares conjuntos com o Azerbaijão perto da fronteira iraniana.

Ele também comentou sobre o “corredor do Zangezur”, afirmando que era o “desejo mais sincero” de Baku restabelecer as conexões na região e garantir “uma normalização abrangente em toda a região, incluindo as relações entre Azerbaijão-Armênia e Turquia-Armênia”. Akar também prometeu que Turquia continuaria a apoiar a “causa justa” do Azerbaijão contra a Armênia.

Mas no segundo dia dos protestos organizados pelos azerbaijanos e do bloqueio a Nagorno-Karabakh, os meios de comunicação do Azerbaijão deixaram claras suas intenções.

Eles pediram a substituição do comandante da missão de paz russa em Nagorno-Karabakh, Andrey Volkov, e a transferência do controle do corredor Lachin para o Azerbaijão, juntamente com a “restauração total da soberania do Azerbaijão nos territórios sob controle dos pacificadores”.

Alguns ativistas do Azerbaijão também pediram a remoção das forças russas e sua substituição por forças mandatadas pela ONU.

Remoção das forças de paz russas

Não está claro se a própria Baku está disposta a empregar essa linguagem e exigir a remoção e substituição das forças russas de manutenção da paz. De acordo com alguns especialistas do Azerbaijão, Baku é atualmente contra a retirada à força das forças de paz russas, pois isso poderia levar à anexação de Nagorno-Karabakh e à limpeza étnica dos cristãos armênios, o que poderia manchar a imagem do presidente Ilham Aliyev no oeste e potencialmente resultar em sanções econômicas EUA-UE.

Em vez disso, Baku prefere que os russos fiquem, mas de forma restritiva. É mais fácil para o Azerbaijão lidar com uma Rússia fraca do que com os europeus, pois eles estão familiarizados com a “mentalidade russa”, diz um especialista. Isso sugere que o Azerbaijão pode preferir continuar usando o corredor Lachin como uma ferramenta para negociar com Moscou, em vez de arriscar a remoção das forças russas.

Outro especialista do Azerbaijão concordou que a crise atual é essencialmente entre o Azerbaijão e a Rússia – que esta última é incapaz de cumprir sua “missão de manutenção da paz” e impedir que os “armênios de Karabakh explorem os recursos naturais da região”.

Mas ele também argumenta que a crise é menos sobre a mineração e exploração de recursos, e mais sobre pressionar os russos a abrir o “corredor de Zangezur”, que conecta o Azerbaijão ao enclave de Nakhichevan e fica na fronteira estratégica do Irã com a Armênia.

Segundo o especialista, “o Azerbaijão quer garantias adicionais de que terá uma conexão segura com Turquia, em troca da conexão segura de Karabakh com a Armênia”.

A história fica mais complicada. Em dezembro, a mídia do Azerbaijão acusou os armênios de convidar especialistas militares iranianos para treinar as forças de autodefesa de Nagorno-Karabakh. Os relatórios  afirmam que os iranianos cruzaram o corredor Lachin e entraram nos territórios controlados pelas forças de paz russas.

Apesar das farpas e provocações contínuas de Baku, parece que o objetivo do Azerbaijão não é remover ou substituir totalmente as forças de paz russas, mas sim controlar sua missão, monitorar o trânsito no corredor de Lachin e usar o corredor como um cartão de pressão em Yerevan para abrir um “ corredor” em Syunik ligando o Azerbaijão a Turquia.

Portanto, da perspectiva do Azerbaijão, o futuro do corredor Lachin está agora ligado ao destino do “corredor Zangezur”.

A vista de Teerã

Segundo o Dr. Ehsan Movahedian , pesquisador e instrutor da Universidade Allameh Tabataba’i de Teerã, “a República do Azerbaijão está buscando uma nova aventura na região do Cáucaso, e esta questão requer medidas diplomáticas da República Islâmica do Irã e deve ser alerta para as autoridades militares (em Teerã).”

Um meio de comunicação iraniano argumenta que, se Stepanakert (a capital de Nagorno-Karabakh) cair:

“Cenários desagradáveis ​​podem ser imaginados para a região do Cáucaso Meridional e seus arredores, incluindo o Irã. A remoção de um obstáculo como Nagorno-Karabakh abre caminho para a ocupação do território armênio e para a mudança do mapa da região e, a longo prazo, para ataques de segurança nas regiões do noroeste do Irã.”

O analista, Mohammad Hossein Masumzadeh, diz que a única solução para deter a agressão do Azerbaijão “são medidas ofensivas em vez da abordagem defensiva que rege a política regional do país para evitar riscos irreparáveis”.

Alguns especialistas iranianos e ex-diplomatas acreditam que os desenvolvimentos no sul do Cáucaso estão relacionados aos desenvolvimentos domésticos no Irã , onde muitos azeris étnicos, apoiados por Ancara e Baku, clamaram por aspirações separatistas para desmantelar o estado por dentro.

O Irã está preocupado que a expansão da influência turca em sua fronteira norte possa impactar sua política doméstica no futuro, já que o Azerbaijão pediu abertamente a “unificação do sul do Azerbaijão (norte do Irã) à República do Azerbaijão”.

Estas não parecem ser ameaças vazias. Em 29 de novembro, a “Organização para a Proteção dos Direitos dos Azerbaijanos do Sul” foi criada na Suíça, anunciando que enviará documentos e informações a organizações internacionais, incluindo a ONU, sobre os “direitos das pessoas na província azerbaijana do Irã ”.

Em 2 de dezembro, o representante do “Azerbaijão do Sul” na ONU, Araz Yurdseven, defendeu a ideia da independência do “Azerbaijão do Sul” e acusou o Irã de cometer “assassinatos contra os azeris iranianos”.

A região caminha para uma nova escalada?

Curiosamente, muitos especialistas europeus e do Azerbaijão viram a recusa do primeiro-ministro armênio Nikol Pashinyan em assinar o documento final da Organização do Tratado de Segurança Coletiva (CSTO) como um sinal de fraqueza russa, chamando-o de “um evento sem precedentes que nunca havia acontecido antes”.

O CSTO é uma aliança militar eurasiana composta por seis estados pós-soviéticos, que incluem Armênia, Rússia, Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Tadjiquistão.

Há preocupações de que a região possa estar caminhando para uma nova escalada. O Azerbaijão convidou recentemente caças turcos F-16 para a região, o que está sendo visto como uma preparação para o conflito. A última vez que Baku convidou os jatos turcos foi em 2020, semanas antes de sua guerra com a Armênia.

O Azerbaijão também está pressionando a Rússia a renegociar os termos de sua declaração trilateral de 10 de novembro de 2020, que afirma que apenas as forças de paz russas são responsáveis ​​pelo controle do corredor Lachin.

O Azerbaijão está vinculando o bloqueio do corredor Lachin à abertura do Zangezur. Se a Rússia concordar com essas concessões, isso pode levar ao isolamento da Armênia, ameaçar sua integridade territorial e bloquear uma fronteira estratégica iraniana.

Isso também mudaria o equilíbrio regional de poder em direção a Turquia, já que o Irã corre o risco de agir sozinho contra as aspirações pan-turcas turco-azerbaijanas, o que poderia eventualmente ameaçar os interesses de segurança nacional do Irã tanto regional quanto internamente.

Fonte: The Cradle

Related Posts
200 anos de relações Brasil-EUA: Bicentenário de intervenções e tentativa de subversão
fotos

Os EUA farão de tudo para impedir que cumpramos o nosso destino, e permaneçamos sendo o que tem sido ao [...]

À beira da dissolução: Neurose no Ocidente à medida que o dique rompe
fotos

O discurso da escalada militar está na moda na Europa, mas tanto no Oriente Médio como na Ucrânia, a política [...]

Níger ordena a saída dos militares dos EUA e convida a Rússia a entrar
fotos

Os dias de dominação americana acabaram e as portas em África estão abertas para ajuda alternativa da Rússia e da [...]

A Rússia e a China estão fartas
fotos

Ambos estão fartos de serem “educados”. Você quer confronto? Confronto é o que você vai conseguir.

O fracasso das sanções financeiras ocidentais
fotos

As ameaças persistentes de Washington revelam um consenso bem estabelecido no Atlântico Norte de que, por um lado, o poder [...]

Putin e Xi são estadistas mundiais, enquanto as elites ocidentais demonstram ser a verdadeira ameaça à paz global
fotos

A força militar e econômica combinada da Rússia e da China, juntamente com a sabedoria política dos seus líderes, são [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!