Cinco projetos que ameaçam a hegemonia do dólar

A agressiva política estadunidense contra a Rússia, na forma de bloqueio das reservas de divisas, tem…

TI

Desde o início de 2023, mais de 26.000 funcionários de TI em todo o mundo perderam seus empregos. Estas estatísticas são fornecidas pelo Layoffs.fyi, um recurso que rastreia as demissões em todo o mundo. De acordo com o Layoffs.fyi, mais de 100 empresas de TI em todo o mundo diminuíram de 1 de janeiro de 2023 para 18 de janeiro de 2023. A lista, que é atualizada em tempo real, inclui organizações desconhecidas, bem como corporações gigantes como a Microsoft. É o número dois da lista.

De acordo com a Market Watch, o ano 2023 poderia alcançar ou superar 2022 em termos de demissões tecnológicas. Em menos de três semanas, 104 empresas de TI demitiram mais de 26.000 pessoas, contra pouco mais de 154.300 em 2022. Se o ritmo atual continuar, cerca de 450.000 pessoas poderão estar desempregadas até o final de 2023.

Não faz muito tempo, a TI era o campo de carreira mais promissor. Agora, muitos funcionários de TI viram sua carreira chegar a um fim ignominioso com despedimentos.

As maiores empresas americanas de TI estão liderando o mundo em termos do número de pessoas demitidas em janeiro de 2023. Estes incluem a Amazon, Cisco, Google, HP, Intel e Salesforce. É digno de nota que todos eles correram para virar as costas à Rússia e aos russos em 2022, sob o pretexto de apoiar as sanções ocidentais.

A Microsoft poderá muito em breve se juntar a eles também. Como relatado pelo CNews, em janeiro de 2023, o gigante do software pretende expulsar cerca de 11.000 trabalhadores, o que representa aproximadamente 5% de sua força de trabalho global.

Quanto à Amazônia, a empresa disse no outono de 2022 que estava pronta para enviar 10.000 pessoas para a bolsa de trabalho nos próximos meses. Mas, em janeiro de 2023, a administração da empresa decidiu que despedir tantas pessoas não era o “caminho a seguir”. Como resultado, não 10.000 especialistas ficarão desempregados, mas todos os 18.000.

A Salesforce está se preparando para demitir 10% de sua força de trabalho, disse a empresa em uma declaração apresentada à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) em 4 de janeiro de 2023. O número atual de seus funcionários que a Salesforce não divulgou, mas em fevereiro de 2022 a empresa tinha 78.000 funcionários.

Isto pode ser apenas o começo

Até mesmo empresas em áreas que antes eram muito promissoras em TI são agora forçadas a encolher e cortar custos, o que inclui os salários do pessoal. Trata-se, principalmente, de organizações relacionadas com a moeda criptográfica.

Por exemplo, a CoinBase, uma das maiores e mais conhecida empresa de transações de moedas criptográficas do mundo, estará fazendo cortes. Vai demitir 950 pessoas, como anunciou sua administração logo após as férias de Ano Novo.

No caso do setor de moedas criptográficas, isto poderia ser devido a um enorme colapso do mercado. A rede de cadeias de blockchain Ethereum, que vem assustando os aderentes há vários anos sobre uma mudança iminente em seu algoritmo, finalmente o fez. Como tal, a mineração do Ethereum, a segunda moeda criptográfica mais popular do mundo, provou ser um exercício inútil.

Bitcoin, a criptomoeda mais popular, está em uma situação igualmente sombria. Na época da publicação, seu valor era de US$ 21.200, comparado a quase US$ 70.000 em novembro de 2021 (um recorde histórico). O nível atual ainda não é o mais baixo – não há muito tempo, o bitcoin estava caindo de volta ao ritmo de cinco anos atrás.

Como resultado, os investidores criptográficos estão falindo, assim como os mineradores, que também invadiram a Rússia. Alguns deles estão sendo acusados de dezenas de milhões de rublos em dívidas de eletricidade e são impedidos de contestá-la em tribunal. Como resultado, o interesse no mercado criptográfico está caindo, e as empresas estão sofrendo perdas e tendo que cortar custos e pessoal.

No mundo dos gigantes de TI, a situação é um pouco diferente. Eles foram atingidos pela estagnação econômica global resultante dos conhecidos eventos de fevereiro de 2022. Em particular, os consumidores deixaram de comprar computadores, o que levou a problemas financeiros para seus fabricantes. O mesmo está acontecendo com os smartphones – Xiaomi já está se preparando para demissões em larga escala.

As empresas de TI reduziram ou deixaram de contratar novos funcionários já em meados de 2022. A Microsoft decidiu até mesmo se livrar de centenas de recrutadores cujos serviços não eram mais necessários.

Às vezes, as empresas de tecnologia dispensam pessoal por capricho da gerência. No final de outubro de 2022, o bilionário filantropo Elon Musk assumiu o leme do Twitter e quis tornar o serviço saudável cortando 75% de seu pessoal. Os funcionários lhe pediram para não fazer isso, e ele aceitou, demitindo 50% deles em vez de 75%. Tecnicamente, a promessa foi mantida, e Elon Musk não enganou ninguém, mas mesmo assim, milhares de pessoas ainda ficaram sem um meio de subsistência.

Related Posts
A Rússia criou um gel para reparo ósseo
fotos

O primeiro gel bioassimilável do mundo para regeneração, que permite restaurar o tecido ósseo com 100% de compatibilidade e tratar, [...]

A gripe H5N1 pode ser a próxima pandemia?
fotos

Animais e seres humanos compartilham cerca de 300 doenças infecciosas, e novas doenças surgem todos os anos. De acordo com [...]

Matando o bem-estar algoritmicamente
Inteligência artificial

ALGUMAS das mais proeminentes startups de IA, empresas tecnológicas, seus executivos, investigadores e engenheiros querem fazer-nos acreditar que a inteligência [...]

‘Doença X’: o mundo deve se preparar para uma nova pandemia que pode matar 20 vezes mais que o coronavírus
fotos

A Organização Mundial da Saúde usa o termo “Doença X” para se referir a uma infecção com potencial para causar [...]

Carbono azul: aquecimento dos oceanos ameaça plâncton e clima do planeta
fotos

Grande parte do ar que respiramos é produzido nos oceanos por criaturas que nem enxergamos. Um trabalho feito de forma [...]

Cientistas descobriram quanto tempo leva para o cérebro se recuperar após abstinência do álcool
fotos

As funções cerebrais prejudicadas em uma pessoa podem ser restauradas após uma abstinência prolongada de consumo de álcool

Sobre a falência da corretora de criptomoeda FTX

O colapso da exchange de criptomoedas FTX continua a provocar efeitos diretos e indiretos na economia…

Pirâmide financeira: Evangélicos, bolsonaristas e “empreendedores” no centro de um escândalo milionário

Nesta quarta-feira (19), Patrick Abrahão foi preso pela Polícia Federal sob suspeita de movimentar um esquema…

El Salvador: A experiência que provou ser um fracasso

John Hawkins, economista da Universidade de Camberra, publicou um artigo no The Conversation resumindo a política…

Roleta russa de Biden pode matar o domínio do dólar

A decisão do governo Biden de bloquear o acesso da Rússia às suas reservas em dólares…

error: Content is protected !!