Tentando entender a intentona militar

Caráter terrorista do golpe estava nítido desde 24 de dezembro, com a bomba colocada em caminhão de combustíveis

intentona milica

Por Luis Nassif

Ainda levará algum tempo para o levantamento de todos os episódios ligados à intentona de 8 de janeiro.

Na TV GGN de ontem, o professor João Roberto Martins Filho – especialista em questões militares – lembrou um detalhe relevante para entender a posição do Exército. Trata-se do artigo “Comandante exonerado defendeu resultado das urnas na última reunião com generais”, de Marcelo Godoy, no Estadão. Ela conta que o então chefe do Exército, general Júlio César de Arruda, em reunião do Alto Comando afirmou que era preciso respeitar o resultado das urnas e defender a democracia – o mesmo teor do discurso feito, na sequência, por seu futuro sucessor, general Tomás Miguel.

O discurso foi 4 dias após o ataque terrorista aos 3 Poderes.

O que significa isso? Que já tinha caído a ficha do Alto Comando sobre o desastre, para as Forças Armadas, da participação na armação da intentona militar. O caráter terrorista do golpe estava nítido desde a tentativa de atentado no dia 24 de dezembro, com a bomba colocada em um caminhão de combustíveis a caminho do aeroporto de Brasília. Presos, os terroristas confessaram que outro plano seria colocar a bomba no próprio salão de embarque do aeroporto.

É impossível que esse movimento não tenha sido detectado pelo Exército. Os terroristas estavam acampados em área do quartel, convivendo com famílias de militares e militares da reserva ou da ativa, à paisana. Estavam colados na sala do quartel general, separados apenas por um muro da inteligência do Exército.

Então, como não prever as consequências da invasão dos 3 poderes?

Mais que isso, junto aos malfeitores – trazidos de todos os cantos do país – havia famílias com crianças e adolescentes participando das invasões.  Será que não pensaram na possibilidade de uma tragédia, com mortos e feridos? Ou a intenção era justamente criar uma comoção nacional para obrigar o governo a decretar a GLO (Garantia da Lei e da Ordem), que colocaria o país em estado de sítio administrado pelos próprios militares?

Se for isso, ao colocar idosos, crianças e adolescentes na linha de frente, a irresponsabilidade atinge um nível inédito.

Por tudo o que foi dito, pode-se concluir:

O discurso do general Tomás foi alinhado, antes, com o Alto Comando, incluindo o próprio general Arruda. Foi uma tentativa de saída honrosa.

Arruda foi para o patíbulo por ser um primário, sem um mínimo de lustre intelectual ou visão política. Prova foi ter ameaçado três Ministros do governo, achando que sairia ileso do episódio.

A rigor, o único ponto não previsto pelos militares foi o tamanho da repercussão negativa provocada pelas imagens de destruição dos palácios. O que é incrível! Achavam o quê? Que os terroristas limpariam os pés antes de invadir os edifícios e organizariam uma assembleia geral da plebe? O que comprova que a corporação militar viveu esses anos todos em uma bolha, alimentada por fantasias bolsonaristas.

 

Related Posts
Delação de assassino de Marielle joga luz sobre as relações das milícias com autoridades
fotos

A morte de Marielle teria sido encomendada pelos Brazão por causa de sua atuação nas comunidades, em especial em Jacarepaguá

Os judeus e o comunismo na cultura brasileira
fotos

Mesmo com toda a romantização do Holocausto e com uma intensa presença da esquerda na vida cultural, as questões do [...]

Marielle, milícias e mais: relatórios de inteligência da intervenção militar no RJ sumiram
fotos

O resultado da investigação da Polícia Federal (PF) sobre o assassinato da ex-vereadora do PSOL Marielle Franco e do motorista [...]

Como Eduardo Bolsonaro e comitiva articulam com parlamentares dos EUA punições ao Brasil
fotos

Comitiva bolsonarista passa uma semana nos EUA e tenta convencer republicanos e lobistas de que Brasil viveria ditadura

Brasil não cumpre decisões da Corte Interamericana sobre polícia e Forças Armadas
fotos

Tribunal internacional condenou novamente o país por crimes cometidos por policiais militares

Denunciado por incitação, bolsonarista agora se diz apoiador de Boulos e do PT
fotos

“Segunda-feira eu tô lá em Brasília levando o capacete para o presidente [Lula]”, diz em um vídeo no Instagram um [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!