Terrorismo Social: O flagelo do milênio

Do Pravda.Ru

Políticas sociais terroristas praticadas por regimes econômicos liberais que dependem de tendências de mercado que protegem as elites criaram miséria e não resolveram nada

 

A antítese da anarquia é a existência de um Estado, reconhecido como uma entidade legal em troca de serviços, sua existência justificada pela alocação de recursos para proteger seus cidadãos. De fato, o Estado é limitado por uma linha imaginária traçada em um mapa que, por sua vez, define a sorte dos cidadãos nascidos por acaso dentro dessa linha. Sua continuação é uma questão de aceitação pública, lealdade e confiança.

Já vimos antes o que acontece quando há uma Revolução, quando essa confiança é rompida e o populus sente a necessidade de uma mudança, o que muitas vezes substitui o Establishment pelos filhos do Established e plus ça change, plus c’est la même chose (quanto mais ele muda, mais é do mesmo). Até a linha imaginária continua a mesma.

Mas dentro da linha, e não importa onde é desenhada, o cenário é praticamente o mesmo. O sistema em vigor substituiu o modelo social criado por Marx, Engels e Lênin, entre outros, modelo que produzia serviços públicos gratuitos e se concentrava no desenvolvimento através da partilha de conhecimento em dezenas de países (programas de alfabetização em países governados por elites ocidentais onde a população era analfabeta depois de três séculos de domínio estrangeiro, por exemplo). Funcionou. O sistema agora em vigor que o substituiu não fornece nada.

Ele não aloca recursos de maneira sustentável e é incapaz de funcionar sem se financiar, emprestando dinheiro que não gera nada para pagar pelos serviços que compra e vende, mas não consegue entregar. Chama-se dívida soberana, que gira em torno de emprestar dinheiro dos mercados financeiros e pagá-lo em parcelas com taxas de juros variáveis. Na maioria dos casos, a dívida em relação ao PIB, a relação entre o que um país deve e o que produz, é negativa, o que significa que os países devem e gastam mais do que ganham.

O resultado dessa gestão econômica do tipo cassino é o que vemos hoje. Hospitais saturados ao ponto de ruptura, alojamento escolar perigoso para uso, cortes no policiamento, taxas de criminalidade aumentam e um sentimento crescente de insegurança toma conta das comunidades, estudantes que enfrentam pesadelos financeiros saindo de seus cursos carregados de dívidas, outros que gostariam ir para a universidade, mas não pode ir porque o preço da mensalidade é baseado na lei de mercado desregulamentado. E assim por diante.

Sob este sistema, os países não podem arcar com os serviços que oferecem. Vamos tomar a seguinte analogia: alguém decide abrir um restaurante chique e que se chama de Lagosta Fresca, porém o restaurante fica a vários quilômetros de distância do mar e em uma região que não produz lagostas. Está no meio do deserto do Saara. Você pode imaginar o final da história!

Assim, com um sistema econômico que segue tendências econômicas de mercado, nas quais a alocação de serviços é deficiente, na qual o vetor social da política foi reduzido ao ponto de ruptura (você alimenta uma planta e rega, você não a poda no chão, adubar e envenenar o solo), em que os serviços públicos são considerados um luxo e um favor, não é de admirar que nada funcione, embora as pessoas tenham que pagar mais e mais, por muito menos.

Também está claro que com uma inversão completa da pirâmide etária, menos pessoas pagam em um sistema social que não pode se dar ao luxo de existir, com pessoas vivendo mais e com custos de saúde em espiral, qual é melhor alternativa, um novo sistema, ou um velho que provou ser válido?

Se não é crime oferecer serviços públicos gratuitamente, também é uma ideia fornecer alojamento gratuito, libertar as pessoas do fardo de uma dívida ou de uma hipoteca que as retenha e também as famílias a partir do qual  recebem seus salários em troca de uma parte substancial de suas vidas adultas, se não todas. Outra é a criação de empresas mistas públicas / privadas para administrar a enorme quantidade de edifícios desocupados nas cidades, em grande parte de propriedade do município, que poderia ser usado para abrigar estudantes, por exemplo.

Se o modelo social não está em voga hoje, pelo menos ele prestou serviços públicos gratuitamente, e mais: garantiu habitação gratuita e pleno emprego. O modelo terrorista social que o substituiu forneceu o que, exatamente?

Foto: Na época da harmonia Por Paul Signac – domínio público.

Timothy Bancroft-Hinchey

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + doze =