Tomada da Base aérea de La Carlota: epicentro de notícias falsas na Venezuela

A notícia falsa da suposta aquisição da base militar foi o gatilho para a tentativa de golpe de 30 de abril.

fotos
A suposta revolta generalizada foi rapidamente negada: as bases militares do país, incluindo La Carlota, não haviam sido tomadas pelo pequeno grupo de rebeldes militares. | Foto: AVN

A nova tentativa de golpe na Venezuela começou com uma notícia falsa: a tomada da base aérea de La Carlota, localizada ao lado do distribuidor de Altamira, um setor da classe média alta no leste de Caracas, um bastião da oposição desde 2002.

Foto suposta de La Carlota

A notícia falsa foi transmitida pelo empresário e fugitivo da justiça, Alberto Federico Ravell, que se diz “diretor da comunicação presidencial” do autoproclamado Juan Guaidó. Assim, às 5H13 (hora local) anunciou que Leopoldo López e Juan Guaidó, junto com um grupo de soldados, mantiveram “o controle da base aérea de La Carlota”. Esta seria “a fase definitiva do golpe de Estado em curso”.

Às 06h00 (hora local), o opositor Juan Guaidó publica um vídeo, no qual ele afirma que mantém a posse efetiva da base aérea de La Carlota e pede manifestações em Altamira. O objetivo era reforçar as notícias falsas e, ao mesmo tempo, gerar violência para apoiar a tentativa de romper a ordem constitucional na Venezuela e derrubar o presidente Nicolás Maduro, eleito em maio de 2018 por votação.

O líder venezuelano disse na terça-feira que os promotores do golpe de Estado “procuravam um confronto, um desastre, uma estratégia, com 200 mortos”.

A notícia falsa cai: A Carlota nunca foi tomada

Às 6h47 (horário local), as falsas notícias sobre a suposta tomada da Base Aérea de La Carlota já haviam sido expostas. O presidente da Assembléia Nacional Constituinte (ANC), Diosdado Cabello, e o ministro da Defesa, Vladimir Padrino López, relataram que as bases militares do país, incluindo La Carlota, estavam calmas.

Pouco a pouco, a suposta insurreição generalizada é negada. Madelein García, jornalista do Telesur, publica vídeos de dentro de La Carlota, onde os militares foram destacados para defender a área. De lá, ouviram-se bombas de gás lacrimogêneo para dispersar os revoltados civis armados e militares na rodovia La Carlota, adjacente a La Carlota.

Militares enganados

O presidente Maduro também detalhou na terça-feira que 80% dos militares e funcionários do Serviço Bolivariano de Inteligência Nacional (Sebin) foram levados a rodovia de Altamira sob falsos pretextos.

A explicação de Maduro é confirmada pela história oferecida pelo primeiro tenente do exército, Jairo Betermini, de dentro de La Carlota. Em 29 de abril, eles foram ordenados a procurar por “uniformes patrióticos (gala)” para receber condecorações e “uma notícia que mudaria nossas vidas”. Às 3h da manhã do dia 30 de abril, eles foram instruídos a procurar por rifles sob o argumento de tomar o centro penitenciário de Tocoron (estado de Aragua) “porque haviam entrado com mil rifles para tirar os  prisioneiros para que investissem contra o povo “. 

Uma vez em Altamira, receberam pulseiras azuis “e nos informaram que se tratava de um golpe de Estado”, disse Beteri. Essa tática serviu para enganar oficiais das Forças de Ações Especiais (FAES), Sebin e o Exército. Depois de se darem conta da trama, as tropas começaram a informar seus comandantes para denunciar a situação irregular.

De sua parte, o presidente Maduro reconheceu o trabalho do FANB em neutralizar o golpe com o uso mínimo de forças

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!