Turista argentino compara a vida em Caracas e Buenos Aires

Um turista argentino de 38 anos publicou na rede social  cerca de 28 vídeos nos quais fala sobre a vida na Venezuela. Diego Itursarri diz que os cidadãos venezuelanos vivem uma vida ” normal ” e, em parte, uma vida melhor do que na Argentina.

Caracas, Venezuela. (Foto: Reprodução)

Diego Itursarri viveu quase dois meses no país sul-americano.

Em Caracas, ele visitou grandes centros comerciais, mercados, hospitais e bairros “perigosos”.

Ele compartilha suas impressões através de sua conta no Twitter e Instagram @DiegoEnLaLuch, bem como através do Facebook e YouTube com o apelido de Diego Tw.

Em uma entrevista à RT, Diego observou que as “mentiras da mídia” que cobrem os acontecimentos do cotidiano na Venezuela são “enormes”.

“A mídia nos diz que não há papel higiênico, produtos de higiene pessoal, alimentos nos mercados, que há extrema pobreza, que há pessoas desnutridas nas ruas, como se fosse o país mais pobre da África.”

 

De fato, de acordo com ele, “não há guerra civil descrita e tal nível de violência que a mídia fal em meu país, mas há uma vida normal, há comida, comida. Tem carros muito luxuosos”. não tão ruim quanto me disseram “, disse Itursarri.

Em resposta aos seus relatórios, Diego “sofreu vários ataques em redes, ameaças”. Ele justifica esse comportamento com uma citação de Mark Twain. “É mais fácil enganar uma pessoa do que convencê-lo de que ele foi enganado”.

“Não nego que (na Venezuela) há uma crise econômica, mas precisamos analisar o contexto, precisamos entender por que toda a mídia fala da Venezuela, em vez de se concentrar em países como a Colômbia – com uma grave crise humanitária, um nível impressionante de violência, México ou países da América Central, onde a crise de emigração realmente é enorme “, disse Diego Itursarri.

“Apesar dos bloqueios e sanções, vejo uma vida normal, o que me faz pensar que as medidas do Estado para proteger a população estão se fazendo sentir. Em alguns lugares, há racionamento alimentares que atingem as famílias venezuelanas, e parte da população recebe benefícios do Estado “, continuou.

Mas em Buenos Aires, de acordo com o argentino, “há um mau humor geral devido a uma profunda recessão e crise econômica, famílias inteiras vivem na rua, deitados no chão e seus filhos pedem comida ou dinheiro. Em Caracas, eu não vi, Isso não significa que não exista, mas, para ser honesto, o contraste é muito forte “, disse Itursarri.

Texto adaptado do Izvéstia

 

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 1 =