Ucrânia, outro fracasso histórico da guerra dos EUA, como Vietnã, Iraque, Afeganistão e muito mais

O império dos EUA, endividado pela guerra, está a vacilar rumo ao seu desaparecimento histórico e final. Todo império tem seu dia ao sol.

tio sam

A aliança OTAN liderada pelos EUA realizou esta semana a sua primeira reunião do Conselho OTAN-Ucrânia em Bruxelas. Como sempre, as promessas clichês de apoiar o regime de Kiev até ao fim foram proclamadas por toda a gente.

Na verdade, estes eventos da OTAN para a Ucrânia, e de forma mais geral, estão a tornar-se festas de bocejos.

Toda esta sórdida charada apenas adia a realidade de que a guerra por procuração na Ucrânia contra a Rússia é um desastre para as potências ocidentais. Isso não é algo para se gabar. É uma tragédia e uma abominação.

Até 400 mil soldados ucranianos foram mortos, bem como dezenas de milhares de militares russos. O número total de vítimas está sem dúvida na casa dos milhões. Além disso, milhões de civis foram deslocados como refugiados na Rússia e em toda a Europa. Centenas de milhares de milhões de dólares e euros foram roubados aos contribuintes ocidentais para financiar este fiasco sangrento. Não só isso, mas as tensões internacionais aumentaram entre as potências nucleares num nível perigoso nunca visto desde a crise dos mísseis cubanos em 1962, no auge da Guerra Fria.

Washington precisa de recobrar o juízo e negociar uma solução pacífica nos termos de Moscou. É tão simples e direto quanto isso. Isto é o que poderia ter sido alcançado antes do conflito eclodir em Fevereiro de 2022, quando Moscou oferecia um tratado de segurança negociável. O Ocidente rejeitou imediatamente esses termos naquela época. Agora terá que aceitar. Principalmente, as condições são que não haverá mais alargamento da OTAN em torno das fronteiras da Rússia e, em particular, não haverá inclusão da Ucrânia no bloco militar belicoso liderado pelos EUA.

Participaram da cimeira da OTAN esta semana o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, juntamente com o ministro dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Dmytro Kuleba, e os ministros dos Negócios Estrangeiros dos outros 30 estados membros da OTAN. Kuleba declarou com uma desconexão delirante: “Estamos praticamente a tornar-nos num exército de fato da OTAN”. Ele pode estar um pouco certo ao afirmar que a Ucrânia tem sido usada como força por procuração da OTAN, mas é uma força gasta e dizimada.

Blinken parecia estar preocupado em encobrir as fissuras que aparecem em vários relatos da mídia, indicando que os EUA estão sub-repticiamente dizendo ao regime de Kiev para reduzir as suas perdas e fazer uma espécie de acordo de paz com a Rússia. A retórica de bravata de Blinken é semelhante às promessas vazias dos EUA feitas anteriormente ao Afeganistão e a inúmeros outros regimes por procuração ao longo das décadas, antes de Washington ignominiosamente desligar a tomada e fugir.

Convidar a Ucrânia para uma cimeira do conselho da OTAN é tudo uma encenação e uma fachada para dar a impressão pública de que a aliança está a oferecer à antiga República Soviética algo de substantivo. Na realidade, tudo equivale a jogar um osso nu. Isto é análogo às promessas exageradas feitas por líderes da União Europeia, como a Presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen, que repetidamente falam das perspectivas de a Ucrânia aderir ao bloco no futuro. As hipóteses de isso acontecer num Estado fracassado, desenfreadamente corrupto e falido como a Ucrânia são inconcebíveis. Novamente, promessas vazias e cínicas.

Todo o discurso da OTAN e da UE não passa de alarde de relações públicas para esconder a realidade brutal de que os Estados Unidos e os seus aliados ocidentais criaram um lamaçal monumental de miséria para a Ucrânia, ao prosseguirem os seus nefastos jogos geopolíticos para confrontar a Rússia. O resto da Europa e, na verdade, o mundo inteiro pagaram um preço terrível por estes jogos imperiais.

Mas Washington e os seus aliados da OTAN não podem admitir a realidade odiosa e incriminatória, como salienta esta semana o nosso colunista Martin Jay. A aliança militar aproxima-se do seu 75º aniversário desde a sua fundação em 1949. Há, portanto, uma enorme pressão para tentar fazer com que o conflito na Ucrânia pareça uma espécie de vitória para proteger a imagem frágil da aliança obsoleta e a reputação política dos líderes ocidentais incompetentes.

Outro dos nossos colunistas desta semana, Declan Hayes, vale bem a pena ler, lamentando a escassez de pensamento estratégico por parte dos EUA e dos seus vassalos da OTAN. Hayes descreve divertidamente como as aventuras militares americanas sob o pretexto do multilateralismo da OTAN são conduzidas como se os protagonistas estivessem a realizar um filme de cowboys à matiné. Não admira que estes políticos e líderes militares cowboys tenham perdido tantas guerras ao longo das décadas. Mesmo a última guerra que afirmam ter vencido – a Segunda Guerra Mundial – foi na verdade vencida pelo Exército Vermelho Soviético. Os americanos lançaram bombas atómicas sobre civis japoneses para obliterar o seu caminho para uma aparência de vitória na Ásia-Pacífico.

A calamidade da Ucrânia resultou do patético pensamento de grupo da administração Biden e dos seus lacaios europeus. O pensamento dos chamados líderes americanos e europeus é superficial, narcisista e distorcido pela russofobia. Nenhum membro da classe política ocidental tem o intelecto ou a compreensão histórica para sair do pântano que criou.

Mas esta não é apenas uma falha característica dos regimes ocidentais contemporâneos. A guerra fútil e imprudente na Ucrânia está em preparação há décadas desde o suposto fim da Guerra Fria em 1990. A quebra traiçoeira das promessas feitas pelos presidentes americanos, especialmente Bill Clinton e George W. Bush, à Rússia de não expandir a OTAN e a insidiosa a incitação da Ucrânia para aderir à aliança a partir de 2008 – tudo levou à atual erupção do conflito.

Biden e outros parceiros ocidentais têm sido simplesmente o último elo fraco na cadeia de acontecimentos ao longo de muitos anos.

Se ao menos os Estados Unidos tivessem pessoas do calibre do professor John Mearsheimer. Ele, entre outros genuínos pensadores políticos americanos, alertou durante vários anos que a política dos EUA de alargamento traiçoeiro da OTAN acabaria por levar a um conflito com a Rússia.

Mearsheimer, num artigo recente, também confirma o que outras fontes alegaram, nomeadamente que os EUA e a Grã-Bretanha desperdiçaram deliberadamente a oportunidade de paz com a Rússia no início da guerra atual. A administração Biden e o primeiro-ministro britânico Boris Johnson sabotaram um suposto acordo de paz que a Rússia tinha elaborado com a Ucrânia em março de 2022, apenas cerca de quatro semanas após o início do conflito. O resultado dessa sabotagem por parte dos EUA e da Grã-Bretanha foram quase dois anos de hostilidades catastróficas e cerca de meio milhão de mortes.

Outro pensador americano respeitado, cuja capacidade e visão faltam gravemente no establishment de Washington, é Jeffrey Sachs. O economista e analista geopolítico também enfatizou repetidamente, tal como Mearsheimer, que os EUA criaram o previsível desastre na Ucrânia. Numa entrevista recente, Sachs observou que a história está repleta de guerras fracassadas por procuração dos EUA, do Vietname ao Afeganistão e ao Iraque, e agora à Ucrânia.

“Este é o procedimento operacional padrão para os Estados Unidos”, disse Sachs. “Os Estados Unidos prometem sempre demasiado e vendem demasiado”, diz ele, incitando e prolongando assim as guerras e a aniquilação.

Ele descreve o fracasso na Ucrânia como mais uma “guerra absolutamente estúpida e inevitável”.

O problema infernal, porém, é que milhões de pessoas inocentes pagam por esta maquinação imperial demoníaca.

Relativamente à devastação na Ucrânia, Jeffrey Sachs chega à conclusão eminentemente lógica: “Os EUA precisam de começar a negociar como um adulto”.

Poderíamos acrescentar, como um adulto inteligente, moralmente ajustado e cumpridor da lei.

Sachs defende que Washington deve aceitar os termos razoáveis ​​da Rússia para um acordo de paz na Ucrânia. Isso significa que não haverá alargamento da OTAN. A vergonha é, como referido acima, que isto era o que a Rússia oferecia antes do início da atual guerra e, na verdade, durante muitos anos antes disso.

Mais uma vez, o dilema desconcertante é que o poder imperial dos Estados Unidos é um anátema para a condução de tais relações normais, razoáveis ​​e respeitadoras da lei. O estado de segurança nacional dos EUA que evoluiu após a Segunda Guerra Mundial baseia-se num capitalismo corporativo hipermilitarizado que não tolera quaisquer relações internacionais mútuas. Baseia-se na hegemonia de soma zero. Essencialmente, é um Estado pária que se considera acima da lei. Em suma, esta é a definição de imperialismo e fascismo.

Recentemente, o 60º aniversário do assassinato do Presidente John F. Kennedy pelo Estado de segurança nacional dos EUA é um lembrete claro da natureza profundamente perniciosa e sombria do poder imperial dos EUA e de como este não tolerará qualquer desafio ou dissidência. JFK foi executado em plena luz do dia em Dallas, em 1963, pelo estado imperial profundo, no que foi, na verdade, um golpe de mudança de regime contra a democracia americana para instalar políticos que obedecessem às ordens da elite dominante. A elite dominante não gostou dos planos de distensão de Kennedy com a União Soviética. A paz internacional não é lucrativa nem compatível com o imperialismo capitalista dos EUA.

A ladainha de guerras e destruição causada pelos Estados Unidos nas últimas oito décadas é um testemunho dessa realidade bárbara. A conformidade dos meios de comunicação social dos EUA e do Ocidente em ocultar, ou pelo menos minimizar, esta realidade hedionda é uma lição prática sobre o controlo da propaganda de massas. Pense nisso: por que parece tão controverso chamar os Estados Unidos de a maior organização terrorista do mundo quando esse é o caso tão empiricamente? Isto demonstra o poder insidioso da gestão da percepção dos meios de comunicação ocidentais.

A morte esta semana de Henry Kissinger suscitou muitos elogios a um “grande estadista e diplomata”. Kissinger não era nenhum dos dois. Ele foi outro criminoso de guerra americano – embora aparentemente erudito – numa cripta lotada de fomentadores de guerra americanos semelhantes que ocuparam altos cargos nos governos dos EUA. Kissinger sabotou um acordo de paz no Vietname que poderia ter sido possível em 1969, até que cedeu aos cálculos expeditos em 1973, causando assim milhões de mortes desnecessárias. O mesmo modus operandi de instigar guerras e mortes desnecessárias prevalece hoje na política dos EUA, como vimos na Ucrânia. Os fomentadores da guerra vêm e vão, mas a política de destruição criminosa permanece a mesma porque serve o núcleo do poder imperial corrupto.

Lamentavelmente, a confusão miserável que é a Ucrânia não é única. Infelizmente, é o mesmo que o curso imperial dos EUA. Enquanto a natureza fundamental do poder imperial americano permanecer, o mesmo curso destrutivo continuará.

Felizmente, porém, o império dos EUA, endividado pela guerra, está a vacilar rumo ao seu desaparecimento histórico e final. Todo império tem seu dia ao sol.

Finalmente, podemos notar que as maquinações imperiais dos EUA pós-Segunda Guerra Mundial começaram na Ucrânia através da colaboração inicial da CIA  com o nazismo derrotado para confrontar a sua antiga aliada, a União Soviética. Em 1945 e nos anos seguintes, criminosos de guerra nazistas na Ucrânia foram recrutados para servir ao Tio Sam. Foi uma traição típica. Apesar de todo o glamour de Hollywood sobre a derrota da Alemanha nazi, os EUA redistribuíram a máquina de guerra do Terceiro Reich para os seus desígnios imperiais do pós-guerra. Apropriadamente, oito décadas depois, o mesmo território significa agora o fim do império americano.

strategic-culture.su

Related Posts
Transcendendo Avdeevka
fotos

É claro que a guerra por procuração na Ucrânia não terminará com Adveevka, e a batalha no sopé de Donetsk, [...]

Eixo da Resistência: do Donbass a Gaza
fotos

A resistência no Donbass e em Gaza partilham uma visão comum essencial: derrubar a hegemonia unipolar que anulou as suas [...]

Guerra com o Irã inviável para os EUA
fotos

Washington é forçado a responder indiretamente aos ataques diretos, uma vez que não pode entrar em guerra com o país [...]

Será que o Hegemon algum dia aceitará uma nova ordem mundial da Vestfália?
fotos

Um novo livro do estudioso Glenn Diesen, The Ukraine War & The Eurasian World Order,  lançado em meados de fevereiro, coloca [...]

‘Enxameando’ os EUA na Ásia Ocidental, até que desmorone
fotos

Os EUA estão tão profundamente atolados numa batalha invencível desde o Levante até ao Golfo Pérsico que apenas os seus [...]

Como a ‘asabiyya’ do Iêmen está a remodelar a geopolítica
fotos

A palavra árabe Asabiyya, ou “solidariedade social”, é uma frase de efeito no Ocidente, mas levada muito a sério pelos [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!