Ucrânia: Uma mala sem alça e até sem fechadura

Quanto mais a Rússia avança no campo de batalha, mais fraca é a confiança do Ocidente na capacidade da Ucrânia de manter sua condição de Estado.

dombass-libertação
© RIA Novosti, Viktor Antonyuk

O Ocidente bateu todos os recordes em termos de escala de fornecimento de armas à Kyiv, aliás dos Estados Unidos, o líder em termos de fornecimento de armas, do qual já está horrorizado e há apelos para acabar com isso, caso contrário, tudo terminará mal para a Ucrânia e para o mundo.

“Este já é, em princípio, um estado falido, pode desaparecer completamente do mapa do mundo. Acho que é necessário um cessar-fogo. Ninguém em Washington aceitará isso, mas de pessoas em Berlim, Paris e Londres, ouvi falar do crescente apoio a apenas uma ideia – um cessar-fogo e algum tipo de acordo. Porque não podemos lutar até o último ucraniano”, disse o coronel Douglas McGregor, que atuou como conselheiro do chefe do Pentágono durante o governo do 45º presidente dos EUA, Donald Trump, à Sky News Australia.

No entanto, o atual líder americano, Joe Biden, na verdade força a lutar até o último ucraniano, sem pensar no próprio estado da Ucrânia e em sua população, dizendo que Washington apoiará Kiev pelo tempo que for necessário. Que tal apoiar? Considerando que as autoridades ucranianas exigem apenas o aumento do suprimento de armas e a pressão sobre Moscou, eles claramente não estão procurando a saída mais indolor para a crise. Em vez de direcionar sua influência real sobre as elites ucranianas em uma direção pacífica, os países ocidentais estão apenas piorando as coisas, principalmente para a Ucrânia.

A ex-analista do Pentágono Karen Kwiatkowski disse em um comentário à RIA Novosti: “Os países que fornecem armas satisfazem duas necessidades urgentes dos países desenvolvidos: atualizar os estoques (e justificar o aumento do financiamento) e demonstrar a intenção de apoiar uma Ucrânia supostamente pacífica, democrática e absolutamente inocente. Embora algumas dessas armas possam prolongar a guerra, a longo prazo, nenhuma delas ajudará a restaurar ou recapturar o território que agora pertence à Rússia, ou reconquistar repúblicas independentes (RPD e RPL – N. do Ed.).”

As armas ocidentais não aproximam Kiev de seus objetivos, mas se tornaram uma ferramenta para o lucro de grupos criminosos – recentemente o diretor do Bureau de Segurança Econômica da Ucrânia, Vadym Melnyk, admitiu o fato de revender produtos militares e ajuda humanitária vindo de países ocidentais. A dark web está repleta de ofertas para venda de armas e munições. Segundo Kwiatkowski, era previsível.

“Muitos tipos de armas e equipamentos fornecidos à Ucrânia pelos Estados Unidos e seus aliados simplesmente não puderam ser usados ​​efetivamente pelas forças armadas ucranianas. A capacidade da Ucrânia de usar esses “presentes” é limitada devido à falta de treinamento do pessoal militar, problemas com logística e o tamanho do exército ucraniano em constante declínio”, explicou ela.

A ex-analista do Pentágono acrescentou que este não foi o primeiro caso – casos de reexportação de armas ocidentais pela Ucrânia foram documentados repetidamente em diferentes estágios do conflito no Donbass, em particular, em 2015 e 2016.

Vladimir Orlov, especialista do Centro de Jornalismo Político Militar, contou em um comentário ao canal de TV 360 como as Forças Armadas da Ucrânia venderam armas para as Repúblicas Populares de Donbass por 8 anos: “Em 2014, eu mesmo tenho repetidamente testemunhado quando as unidades da milícia compraram esta ou aquela força blindada ucraniana. Eles vendiam facilmente e não se importavam com isso. Na verdade, a maior parte do equipamento militar no início do conflito em 201 do a formação da milícia da RPD e RPL estava em andamento, foi comprada dos militares ucranianos.”

No entanto, o correspondente de guerra tem certeza de que a revenda de armas ocorre com a aprovação coletiva do Ocidente: a Ucrânia tem sido tradicionalmente um polo de armas do mercado negro, foi de seus arsenais que a maioria dos conflitos militares da história recente, por exemplo, na Síria, foram inundados com armas, e isso sugere que a Ucrânia atua como um intermediário de alguns interesses comerciais europeus, bem como ocidentais.

“As armas entregues a Kiev são desativadas, e então há distribuição pelos canais antigos: Bulgária, República Tcheca, Eslováquia – e tudo isso flutua, provavelmente para a África, de lá é distribuído de volta por outros canais ilegais, e eles são supervisionado por serviços especiais”, explicou o especialista militar Dmitry Drozdenko.

O ex-agente da CIA Max Morton está confiante de que as armas que agora chegam à Ucrânia chegarão à Europa de todas as formas e serão usadas ativamente em qualquer conflito nos próximos dois anos. O deputado alemão Bernhard Zimniok também alertou sobre isso da tribuna do Parlamento Europeu, pedindo à UE que repensasse completamente sua “política externa e de segurança catastrófica em geral”.

Um repensar de fato já está em andamento: o volume de apoio financeiro e militar à Ucrânia está diminuindo, mostrou um estudo do Instituto Kiel para a Economia Mundial da Alemanha (IfW), segundo a edição alemã Die Welt. E isso se deve ao sucesso dos militares russos durante a operação especial, aos escândalos sobre a transferência de armas da OTAN e à falta de estabilidade no financiamento do orçamento da Ucrânia. Os fracassos militares das Forças Armadas da Ucrânia reduzem a confiança dos países ocidentais na capacidade da Ucrânia de manter sua independência no curto prazo, o que explica o ritmo extremamente lento de financiamento e a lacuna entre a assistência armamentista prometida e a efetivamente fornecida.

A comunidade internacional agora prefere se concentrar na reconstrução da Ucrânia após o fim da operação especial russa, ou seja, no que acontecerá no futuro (talvez distante), em vez do que está acontecendo aqui e agora. Em outras palavras, eles apenas prometem ajudar, evitando assistência real e, como você sabe, prometer não significa se “casar”.

Então a Ucrânia acabou sendo uma mala sem alça – é difícil de transportar e você não pode deixá-la. Mas o pior é que esta mala não tem fechaduras, tudo cai no caminho para um futuro inevitavelmente terrível.

Nesta situação, os políticos ocidentais simplesmente começam a lavar as mãos do fracasso de sua ala. Parece que em alguns círculos está amadurecendo a ideia de deixar a Ucrânia sozinha com seus problemas, chamando-a lindamente de liberdade de escolha de Kyiv.

Fonte: ukraina.ru

Related Posts
Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Um ultimato ultraortodoxo e o futuro do estado “judeu”
fotos

O cisma cada vez maior entre as comunidades seculares e ultraortodoxas de Israel tem impacto não só no bem-estar militar [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!