Ucrânia vs Israel: o Ocidente pode armar ambos?

Israel necessitará do apoio dos EUA para sobreviver a uma luta com a resistência palestina e os seus aliados regionais testados em batalha. Mas competirá diretamente com a Ucrânia, aliada dos EUA, pelas cada vez mais escassas armas e fundos ocidentais.

fotos

Apenas três dias depois de a resistência palestina liderada pelo Hamas ter lançado uma ofensiva militar sem precedentes contra postos militares israelitas e colonatos por terra, mar e ar, as autoridades israelitas começaram a implorar aos seus patrocinadores norte-americanos armas adicionais.

O Politico  informou  em 10 de outubro que, de acordo com um alto funcionário do Pentágono, “a administração Biden está fornecendo armas para Israel, enviando rapidamente defesas aéreas e munições em resposta aos pedidos urgentes de ajuda das autoridades israelenses”.

“Os aviões já decolaram”, disse o alto funcionário aos repórteres.

No meio desta crise crescente para o Estado de ocupação, vale a pena ponderar uma questão crucial: poderão os EUA manter um compromisso com dois conflitos existenciais significativos envolvendo simultaneamente aliados vitais em geografias separadas?

A resposta provavelmente é não. Washington já dedicou mais de 100 bilhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia para combater a Rússia, ao mesmo tempo que enfrenta uma dívida nacional que sai de controlo e aumenta a inflação.

Não era para ser assim. A guerra na Ucrânia deveria ser mais fácil; o isolamento e o desmoronamento econômico do seu adversário russo, seia uma coisa fácil. Em vez disso, 18 meses depois, os EUA estão a lutar para apoiar a Ucrânia numa sangrenta guerra de desgaste. Pior ainda, a bem divulgada ofensiva de Primavera de Kiev, que pretendia inverter essas probabilidades, deu em nada face à esmagadora vantagem da Rússia em artilharia e mísseis avançados.

Pouco território mudou de mãos desde que as forças russas se retiraram de Kharkiv e Kherson no final de 2022, mas o exército ucraniano foi desde então dizimado pela artilharia russa em teatros como Bakhmut.

“Pensamos que os ucranianos perderam algo entre 300 a 350 mil mortos, talvez mais, centenas de milhares de feridos”, afirmou sem rodeios o coronel reformado dos EUA Douglas Macgregor  em  Agosto. “Esses ataques sangraram completamente a Ucrânia.”

Esta dura realidade deu origem ao que a  BBC  descreveu  como “ o  exército de amputados da Ucrânia”. Só no primeiro semestre deste ano, cerca de 15 mil soldados juntaram-se às suas fileiras, ultrapassando o total de amputados que o Reino Unido produziu ao longo de seis anos durante a Segunda Guerra Mundial.

Enquanto a Ucrânia enfrenta uma grave escassez de mão-de-obra, as potências ocidentais enfrentam uma escassez de armamento disponível para enviar a Kiev. O almirante Rob Bauer, o oficial militar de mais alta patente da OTAN,  admitiu  abertamente a 3 de Outubro: “O fundo do barril é agora visível” no que diz respeito ao arsenal de munições do Ocidente.

Num sinal da tensão crescente, os EUA começaram a  transferir  para a Ucrânia 300.000 munições de 155 milímetros que tinham armazenado em Israel como parte do programa de Reservas de Guerra Aliados-Israel (WRSAI).

De acordo  com um oficial israelense, “oficialmente, todo esse equipamento pertence aos militares dos EUA…. Se, no entanto, houver um conflito, as IDF [Forças de Defesa de Israel] podem pedir permissão para usar alguns dos equipamentos.”

O porta-voz do Pentágono Brig. O general Patrick Ryder  afirmou que  os EUA iriam reabastecer esses estoques de projéteis de artilharia armazenados em Israel. Mas os EUA não têm capacidade para o fazer, uma vez que a Ucrânia tem  utilizado  entre 3.000 e 6.000 tiros por dia, um quarto do que a Rússia tem utilizado no campo de batalha.

A CNN  informou  na medida que “a pressão sobre os arsenais de armas – e a capacidade da base industrial dos EUA para acompanhar a procura – é um dos principais desafios que a administração Biden enfrenta”.

O apelo de Israel pelas armas dos EUA

O complexo militar-industrial dos EUA está fortemente orientado para produzir sistemas e hardware de armas de alto custo, como o  avião de guerra F-35 , avaliado em 412 bilhões de dólares . Embora estes programas beneficiem sem dúvida fabricantes de armas como a Lockheed Martin, eles não conseguem fornecer a artilharia essencial necessária em grandes quantidades para uma guerra de desgaste contra um exército formidável.

Agora que eclodiu a guerra entre Israel e a resistência palestina, Kiev enfrenta um concorrente não só em Moscou, mas em Tel Aviv.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, expressou em 9 de outubro o medo de que o apoio dos EUA e da Europa se afastasse da Ucrânia e se voltasse para Israel, e  afirmou  na plataforma de mídia social X:

“Temos dados que provam muito claramente que a Rússia está interessada em incitar a guerra no Médio Oriente, para que uma nova fonte de dor e sofrimento corroa a unidade global e exacerbe clivagens e controvérsias, ajudando a Rússia a destruir a liberdade na Europa.”

Enquanto o lobby da Ucrânia goza de influência em Washington, o lobby de Israel reina supremo. É improvável que o primeiro consiga anular os esforços do último para redireccionar as poucas armas dos EUA que ainda estão disponíveis para longe da defesa do Estado Judeu.

O fato de Israel estar a implorar por armas dos EUA poucos dias após o início de um conflito com o Hamas e a Jihad Islâmica palestina (PIJ) é alarmante para os apoiantes do estado de ocupação, considerando que nenhum dos restantes membros do Eixo da Resistência, incluindo o Hezbollah, Síria, Ansarallah, Unidades de Mobilização Popular (PMU) e o Irã, ainda entraram formalmente no conflito.

Caso o Hezbollah se junte totalmente à luta, os planejadores israelitas  esperam  que o movimento de resistência libanês dispare 4.000 mísseis por dia a partir do norte do Líbano e envie milhares de tropas de elite para Israel para tomar cidades ou bases militares.

Lições da guerra de 2006 com o Hezbollah 

Israel e o Hezbollah travaram uma grande batalha em 2006, que forçou os militares israelitas a travar uma guerra contra um adversário militar mais “convencional”, em contraste com os palestinos que enfrenta diariamente na Cisjordânia e em Gaza.

De acordo com Matt Mathews, do Instituto de Estudos de Combate do Exército dos EUA, Israel estava lamentavelmente  despreparado  para travar uma “guerra real” naquele conflito.

Ele observa que, como resultado, o chefe da Mossad, Meir Degan, e o chefe do Shin Bet, Yuval Diskin, disseram claramente ao então primeiro-ministro Ehud Olmert que “a guerra foi uma catástrofe nacional e Israel sofreu um golpe crítico”.

A guerra de 2006 também expôs a dependência de Israel das armas dos EUA, que, no entanto, se revelaram insuficientes para derrotar o Hezbollah.

Durante a guerra, Israel  solicitou  o acesso ao arsenal do WRSAI e que os EUA acelerassem a entrega de munições guiadas com precisão a Israel. Em apenas 10 dias de combate, Israel  utilizou  a maior parte do seu stock de munições.

Anos mais tarde, em Julho de 2014, durante as operações militares israelitas contra o Hamas na Faixa de Gaza, Israel foi novamente  forçado  a confiar no arsenal do WRSAI para reabastecer munições de tanque de 120 mm e munições de iluminação de 40 mm disparadas de lançadores de granadas.

Os problemas que Israel enfrentou em 2006 e 2014 serão agravados se o Eixo da Resistência tomar agora a iniciativa de  iniciar a sua campanha de “unificação das frentes”.

David Wurmer, conselheiro para o Oriente Médio do ex-vice-presidente Dick Cheney,  disse  ao  Wall Street Journal  em 10 de outubro que “O cenário de pesadelo para os israelenses é que eles passem uma semana ou duas abatendo 6.000 a 10.000 mísseis do Hamas, e então eles não tenham nada mats para deter os mísseis do Hezbollah.”

A ameaça silenciosa dos mísseis do Irã

A situação para Israel torna-se ainda mais desafiadora se o Irã se juntar ao conflito, uma vez que a República Islâmica possui stocks substanciais de mísseis de curto e médio alcance capazes de  atingir  bases tanto de Israel como dos EUA na região.

Os EUA e Israel alertam frequentemente para a alegada ameaça representada pelo programa nuclear do Irã, apesar da sua orientação civil, mas raramente mencionam a ameaça representada pelo crescente programa de mísseis convencionais do Irã.

As ações de Israel expressam as suas preocupações mais claramente do que as suas palavras: em Fevereiro deste ano, Israel lançou um ataque com drones contra uma instalação militar iraniana em Isfahan.

De acordo com Danny Yatom, antigo chefe da Mossad, o ataque  teve como alvo  uma instalação que desenvolvia mísseis hipersônicos, que o  New York Times  descreveu  como “munições de longo alcance capazes de viajar até 15 vezes a velocidade do som com uma precisão assustadora”.

Uma resistência palestina muito diferente

Em 1993, quando o presidente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), Yasser Arafat, assinou os Acordos de Oslo no relvado da Casa Branca com o presidente Bill Clinton e o primeiro-ministro israelita Yitzhak Rabin, a União Soviética tinha entrado recentemente em colapso, enquanto o Irã recuperava de uma guerra sangrenta com o Iraque, os EUA poiou o Iraque, que  matou  um milhão de pessoas em ambos os lados.

Quando Arafat assinou os acordos, aceitando as promessas dos EUA e de Israel de que abririam o caminho para um futuro Estado palestino, os palestinos tinham poucos aliados em quem pudessem confiar e foram apanhados de surpresa pelas reais intenções de Tel Aviv de fragmentar e destruir a nação palestina.

Através de Oslo, os EUA e Israel  criaram  a “ficção partilhada”, para usar  as palavras do colunista do New York Times  Thomas Friedman, de que um Estado palestino seria estabelecido numa data futura. De acordo com Friedman, isto permitiu a Israel continuar a confiscar terras para construir colonatos judaicos, enquanto os EUA poderiam manter “as esperanças de paz lá quase vivas”, como cobertura.

Mas agora, mais de 40 anos depois, os palestinos não estão sozinhos . Fazem parte de um Eixo de Resistência regional que derrotou as agendas dos EUA e de Israel em vários estados da Ásia Ocidental, ganhando uma experiência inestimável de luta, organização e planejamento ao lado de aliados fiáveis.   

Entretanto, a pilha de fracassos recentes do lado dos EUA continua a aumentar: a influência global da Rússia aumentou durante a  guerra por procuração dos EUA  na Ucrânia; os adversários dos EUA, China e Rússia, forjaram um mundo multipolar quando Washington os atacou; as sanções econômicas destinadas a paralisar a Rússia e o Irã apenas fortaleceram ambos os Estados e desencadearam colaborações militares.

Crucialmente, a Rússia e o Irã possuem hoje as capacidades industriais para produzir o poder de fogo militar que os EUA e a OTAN não podem fornecer aos aliados em Tel Aviv ou Kiev.

Israel já iniciou a luta que poderá não ser capaz de terminar, declarando  guerra total  à população civil de Gaza,  matando  mais de 1.000 pessoas, incluindo centenas de mulheres e crianças, e arrasando grandes áreas da Faixa de Gaza em ataques aéreos.

Para Tel Aviv, Gaza sempre foi um fruto ao alcance da mão – o saco de pancadas que procura quando precisa de parecer duro. Mas hoje, um passo em falso, um míssil mal apontado, ou um passo longe demais, e Israel enfrentará uma guerra regional que não poderá resistir durante um período de tempo significativo.

Fonte: The Cradle

Related Posts
Vídeo do canal turco TRTWORLD: Como Israel bombardeia áreas povoadas
fotos

Vídeo de um canal turco mostra como as forças israelense exterminam sistematicamente o povo palastino. Não há onde se esconder, [...]

Ele lutou pela nossa liberdade. As audiências finais sobre a extradição de Julian Assange para os EUA foram concluídas
fotos

O Supremo Tribunal de Londres concluiu as audiências sobre o apelo do fundador do WikiLeaks, Julian Assange, de 52 anos, [...]

Scholz e Lackeys cavam sepultura para a Alemanha
fotos

A imagem que mostra o Chanceler Olaf Scholz com uma pá na mão a cavar alegremente a terra diz muito [...]

No Brasil, Blinken abordou sobre a possibilidade de negociações paz na Ucrânia
fotos

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse ao presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva

Rússia introduzirá punição para deepfakes
fotos

A questão da regulamentação dos deepfakes foi discutida em uma reunião da comissão governamental de prevenção ao crime em fevereiro [...]

O 10º aniversário do Maidan
fotos

Antes deste acontecimento, eu tinha ingenuamente a certeza de que a pior coisa que poderia acontecer à Ucrânia seria o [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!