Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade

fotos
© Foto: rumble.com

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática uma agenda homicida de despovoamento global.

Stephen Karganovic

Yuval Hariri, porta-voz de Klaus Schwab, fez recentemente uma declaração que deverá causar arrepios na espinha de todos. “Se o mal piorar e o Dilúvio chegar”, disse Harari, ele e a conspiração de mestres mundiais sombrios que pensam da mesma forma “construirão uma Arca e deixarão o resto se afogar ”.

Em outro lugar, Harari discorre sobre as razões da fria indiferença de seus colegas elitistas em relação ao destino da grande maioria dos habitantes da Terra:

“Se voltarmos a meados do século XX… e pensarmos em construir o futuro, então os nossos materiais de construção são aqueles milhões de pessoas que trabalham arduamente nas fábricas, nas quintas, nos soldados. Você precisa deles. Você não tem nenhum tipo de futuro sem eles.”

O que ele quer dizer é que vocês – referindo-se às elites sociais e financeiras dominantes daquela época – ainda “precisavam” do trabalho de milhões nos vários campos do esforço econômico para obter lucro. Desde então, como as coisas mudaram, segundo o “futurólogo” Harari?

“Agora, avançando para o início do século 21, quando simplesmente não precisamos da grande maioria da população, porque o futuro consiste em desenvolver tecnologias cada vez mais sofisticadas, como a inteligência artificial [e] a bioengenharia, a maioria das pessoas não contribui qualquer coisa a esse respeito, exceto talvez os seus dados, e independentemente do que as pessoas ainda estejam a fazer algo útil, estas tecnologias irão torná-las cada vez mais redundantes e tornarão possível substituir essas pessoas.”

O porta-voz elitista Harari merece crédito pela honestidade de gelar o sangue, se não pela moralidade das “visões” dele e dos seus mestres. Ele está claramente a assinalar a opinião de que este escritor, os editores deste portal, os seus leitores e o resto da humanidade são dispensáveis ​​e, independentemente de qualquer utilidade econômica que ainda possam possuir, estão desprovidos de qualquer dignidade ou valor inerente.

Harari e o seu superior imediato na nomenklatura elitista, Klaus Schwab, são tecnicamente particulares. O seu veículo organizacional, o Fórum Econômico Mundial, é uma ONG privada registrada na Suíça. Formalmente, não representam nem falam em nome de qualquer governo ou estrutura oficial com direito a legitimidade. Eles não têm licença para planejar ou organizar o futuro da humanidade, para além da auto-autorização para o fazer que eles e os centros de poder oligárquicos globalistas com os quais comungam e se misturam se arrogaram. Ninguém os elegeu ou capacitou para planejarem o futuro de ninguém, para além do seu próprio, e mesmo isso estritamente na sua capacidade privada.

No entanto, decidir sobre o futuro da humanidade é precisamente o que eles pretendem fazer, em Davos, em sessão plenária uma vez por ano e no resto do tempo em confabulação conspiratória entre si.

A natureza do “planejamento” em que se envolvem deve ser de profundo interesse e grande preocupação para todos. Não apenas pela arrogância desenfreada que demonstra, mas mais claramente pelo desígnio homicida que lhe está subjacente, numa escala vasta e até então inimaginável que Raphael Lemkin foi incapaz de conceber quando cunhou o termo “genocídio”.

Quando e se o “tsunami” previsto para afogar a humanidade ocorrer, e podemos estar confiantes de que Harari e os seus companheiros têm a capacidade de fazer com que isso aconteça no momento e da forma que escolherem, como o evento de saúde recentemente fabricado demonstrou , eles não estarão de luto pelas vítimas. Pelo contrário, ficarão encantados com o sucesso do seu trabalho. À medida que a maior parte da humanidade “se afoga”, eles se regozijarão.

É indiscutível que Harari não fala apenas em seu próprio nome ou em nome de Schwab. Ele está articulando publicamente a visão ideológica de uma Terra despovoada, limpa da presença humana e tingida de misantropia ocultista. Essa visão é amplamente partilhada pelos luminares do seu grupo elitista. Um membro de destaque desse grupo, Bill Gates, tem enfatizado insistentemente a necessidade de eliminar as multidões inúteis por qualquer meio, justo ou ilícito. Uma das elocuções alarmantemente explícitas de Gates sobre este assunto foi removida pelo YouTube , supostamente por “violar as diretrizes da comunidade”. A verdadeira razão para eliminar as suas observações da Internet foi o perigo de que pudessem soar um alarme entre as “vítimas das cheias” visadas, provocando-as a reagir com raiva incontrolável assim que descobrissem o que os “visionários” elitistas lhes tinham reservado.

Estes assassinos em série psicopatas (não devemos medir palavras), usando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos (lavagem cerebral), estão inexoravelmente a pôr em prática uma agenda homicida de despovoamento global. O despovoamento, como Harari admitiu honestamente, significa eliminar fisicamente tantos seres humanos quantos eles considerem supérfluos ou inúteis para os seus propósitos. O conceito de controle populacional, mais uma vez sem medir palavras, é o seu código para o genocídio global.

O Clube de Roma, um dos componentes institucionais da rede de despovoamento, num documento programático publicado em 1974, não poderia ter colocado de forma mais clara o princípio fundamental da sua filosofia genocida: “A Terra tem cancro e o cancro é o Homem”. É necessário esclarecer que os cancros não são nutridos e cultivados? Os cânceres devem ser extirpados.

F. William Engdahl lançou recentemente uma luz extraordinária sobre as raízes profundas do plano nefasto, discutido e implementado abertamente pelos seus promotores malévolos, à vista das vítimas pretendidas. Engdahl mostrou que pervertidos como Schwab e Harari são apenas faces públicas de um esquema transgeracional malévolo.

Engdahl cita um relatório publicado pelo Clube de Roma, “A Primeira Revolução Global”. Admite-se aí que as reivindicações do aquecimento global do CO2, servindo como justificativa conveniente para impor à humanidade à força uma série interminável de mudanças estruturais destrutivas, são apenas um estratagema inventado.

Isso porque “…o inimigo comum da humanidade é o homem. Na procura de um novo inimigo que nos unisse, tivemos a ideia de que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e afins seriam suficientes. Todos estes perigos são causados ​​pela intervenção humana e só através de mudanças de atitudes e comportamentos é que podem ser superados. O verdadeiro inimigo então é a própria humanidade.”

“A agenda”, conclui Engdahl sombriamente, “é sombria, distópica e destinada a eliminar milhares de milhões de nós, ‘seres humanos comuns’”.

Um esclarecimento importante precisa ser feito. A humanidade não é o inimigo, mas é, pelo contrário, a coroa da criação de Deus. E é a própria humanidade que agora enfrenta um inimigo implacável, neste caso uma encarnação coletiva da característica definidora que Edward Gibbon atribuiu aos depravados imperadores Cômodo e Caracalla : “inimigo comum da humanidade”.

Desta vez, porém, a humanidade já não enfrenta as excentricidades perversas de um indivíduo desviante. Hoje, deve confrontar a personificação coletiva de Cômodo e Caracalla, sob a forma de uma oligarquia global depravada, imbuída de perigosas ilusões de omnipotência e impunidade.

Por que escolhemos insistir neste assunto sombrio? Em primeiro lugar, porque as supostas vítimas do genocídio em todo o mundo têm direito a ser informadas e, naturalmente, também têm direito à autodefesa, a fim de preservarem as suas próprias vidas e as das suas famílias, bem como para garantirem a integridade dos seus suas sociedades, culturas, memória histórica e modo de vida.

Mas há também outra razão importante, para expor o cinismo e a total amoralidade dos fanáticos genocidas que ainda dirigem o destino de uma parte considerável da humanidade e exercem continuamente as suas energias para recuperar o controlo completo sobre o restante.

Agindo através dos seus representantes, a Alemanha e o Ruanda, a que se juntaram recentemente a França e alguns outros governos fantoches, tiveram a ousadia de apresentar na Assembleia Geral das Nações Unidas uma resolução para condenar e recordar o fabricado “genocídio” em Srebrenica, censurando por genocídio uma nação que, ao longo do século XX, foi ela própria alvo de uma efetiva extinção.

É esse mesmo crime que eles próprios planejam descaradamente cometer, não num município remoto dos Balcãs, mas contra a humanidade como um todo.

Related Posts
A Batalha de Jabalia: Uma lição palestina sobre a guerra de desgaste
fotos

Israel procura guerras rápidas e duras, enquanto os seus oponentes procuram guerras de desgaste irregulares e de ebulição lenta. Agora, [...]

Porque é que Israel e o Ocidente estão a desmoronar-se em conjunto?
fotos

Embora o Ocidente hoje evite ostensivamente o colonialismo literal dos colonos (diferente do praticado por Israel), ainda assim tem perseguido [...]

Andando pelas ruas de Pyongyang
fotos

As histórias de que os norte-coreanos vivem na miséria, são obrigados a vestir as mesmas roupas e usar os mesmos [...]

Os norte-coreanos estão cada vez mais conectados
fotos

Pyongyang precisa ser muito criativo e aproveitar toda a tecnologia que tem acesso para assimilá-la e produzir por conta própria, [...]

Israel invade Rafah e o genocídio será completado com a cumplicidade dos EUA
fotos

Quando Israel consegue matar um cidadão americano, que estava entre os jornalistas de maior destaque no mundo árabe, diante das [...]

A aposta de 100 bilhões de dólares da OTAN no buraco negro da Ucrânia
fotos

A Ucrânia é um buraco negro e só um tolo investe nele bilhões de dólares e espera um resultado.

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!