Um mundo sem superpoderes

Clube de Valdai
Reprodução

BREVE RESUMO DO RELATÓRIO ANUAL DO CLUBE DE DISCUSSÃO VALDAI

A política mundial começou a retornar rapidamente a um estado de anarquia construído sobre a força. “O fim da história” culminou com a restauração de seu curso habitual – a destruição da ordem internacional decorrente de conflitos em larga escala entre centros de poder.

O período histórico que está por vir será marcado por conflitos e, muito provavelmente, por hostilidades que são parte inevitável da emergência de uma nova ordem internacional. Um sistema de fusíveis que possa pelo menos mitigar as ameaças emergentes é vital para a segurança global. Mas é improvável que seja desenvolvido sem fornecer uma resposta à questão acima de como garantir o funcionamento equilibrado do sistema internacional na ausência de um hegemon e uma hierarquia bem definida.

O estado atual das coisas é marcado pelo fato de que os Estados Unidos e seus aliados, de fato, não mais desfrutam do status de superpotência dominante, mas a infraestrutura global que o serve ainda está em vigor

Com isso, uma poderosa máquina criada para a distribuição “adequada” (no interesse do hegemon) de bens e (afinal) promoção do desenvolvimento tornou-se um mecanismo para punir as nações que reivindicam o poder global ou simplesmente estão insatisfeitas com o atual estado de coisas. O uso inadequado leva ao desgaste acelerado do sistema e também bloqueia as perspectivas de que ele se transforme em algo alinhado aos novos tempos. Simplesmente mudar o “operador” como aconteceu nos séculos anteriores (por exemplo, os Estados Unidos tomando o lugar da Grã-Bretanha) não ajudará hoje. Simplesmente não vai funcionar.

Em teoria, a China deveria ser a próxima nação no comando, mas existem vários obstáculos simultâneos para que isso aconteça. Primeiro, o atual líder é enfaticamente contra ceder seu primeiro lugar a Pequim, e todo o sistema sob seu controle (principalmente finanças e economia) se oporá a isso. Em segundo lugar, a RPC não parece estar pronta ou disposta a assumir os encargos e riscos associados. Terceiro, e mais importante, a estrutura da política global mudou de tal forma que países importantes simplesmente não concordam com o domínio de ninguém.

No entanto, a necessidade de reestruturação internacional é extremamente premente, uma vez que o mundo como um todo e os países individuais estão enfrentando múltiplos desafios, inclusive existenciais. Processos objetivos estão conduzindo o mundo a um sistema muito mais baseado em espaços regionais. “Aproximar” os países que formam uma comunidade espacial e agilizar (simplificar e encurtar) as cadeias de valor e de abastecimento é um caminho para superar os desafios relacionados com a pandemia. A crise causada pela guerra econômica do Ocidente contra a Rússia também destacou o valor da interação imune a interferências externas que incluem a proximidade geográfica.

Contar com a interação regional e criar comunidades espaciais pode resolver os problemas de desenvolvimento de países de pequeno e médio porte que não possuem recursos próprios suficientes para o desenvolvimento. Fazendo parte de associações regionais, eles têm uma boa chance de encontrar seu próprio nicho, aproveitar o potencial coletivo e contribuir para isso.

A unificação dos países com base em seus interesses e no princípio da complementaridade acabará por ajudar a resolver o problema fundamental de hoje, que é limitar a eficácia da infraestrutura que foi construída para apoiar a hegemonia das superpotências e, eventualmente, deixá-la para trás.

A questão mais urgente – a dependência mundial do sistema financeiro baseado no dólar – também será resolvida com muito mais facilidade por um grupo de países interessados ​​que podem concordar entre si sobre formas alternativas de liquidação e comércio que contornam a esfera de influência dos EUA. Os Estados Unidos podem usar sanções secundárias, mas seu inegável abuso já começou a minar a eficácia dessa ferramenta.

O futuro sistema deve ser semelhante ao modelo de superpotência em seu projeto original apenas em um aspecto. O papel principal não será desempenhado pela força militar, mesmo que as tensões político-militares internacionais aumentem durante o período de transição. Os conflitos militares, inclusive o que agora arde na Europa, não são a construção de uma nova ordem, mas o resultado da disfunção daquela que existiu até agora. Ainda que o reajuste dos desequilíbrios no desenvolvimento global, como vemos, possa levar ao uso da força militar, como tal não é e não deve ser um fator decisivo à medida que avançamos.

A democratização do ambiente internacional carece de uma resposta adequada, que não se trata de suprimir, mas harmonizar interesses e respeitar o pluralismo de opiniões e avaliações. A hierarquia dá lugar à interação distribuída. Um mundo sem superpotências precisará de um sistema de autorregulação, o que implica muito mais liberdade de ação e responsabilidade por tais ações. Com isso, seremos eventualmente capazes de passar da fase de completo colapso para a próxima fase que é a criação.

Você pode baixar o relatório aqui.
Related Posts
À beira da dissolução: Neurose no Ocidente à medida que o dique rompe
fotos

O discurso da escalada militar está na moda na Europa, mas tanto no Oriente Médio como na Ucrânia, a política [...]

Níger ordena a saída dos militares dos EUA e convida a Rússia a entrar
fotos

Os dias de dominação americana acabaram e as portas em África estão abertas para ajuda alternativa da Rússia e da [...]

A Rússia e a China estão fartas
fotos

Ambos estão fartos de serem “educados”. Você quer confronto? Confronto é o que você vai conseguir.

O fracasso das sanções financeiras ocidentais
fotos

As ameaças persistentes de Washington revelam um consenso bem estabelecido no Atlântico Norte de que, por um lado, o poder [...]

Putin e Xi são estadistas mundiais, enquanto as elites ocidentais demonstram ser a verdadeira ameaça à paz global
fotos

A força militar e econômica combinada da Rússia e da China, juntamente com a sabedoria política dos seus líderes, são [...]

Uma história de dois soberanos, um lacaio e uma babá
fotos

Imagens espelhadas surpreendentes giram em torno de dois acontecimentos importantes nesta semana, diretamente embutidos na Grande Narrativa que dá forma [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!