Um período de grandes mudanças tectônicas

Vijay Prashad apresenta seis teses sobre o estabelecimento da ordem mundial nos moldes dos EUA em 1990 e  sua  atual fragilidade diante do crescente poder russo e chinês.

O um por cento
Lawrence Paul Yuxweluptun, Canadá, “The One Percent”, 2015.

Por  Vijay Prashad

A guerra na Ucrânia concentrou a atenção nas mudanças que ocorrem na ordem mundial. A intervenção militar da Rússia foi recebida com sanções do Ocidente, bem como com o transporte de armas e mercenários para a Ucrânia. Essas sanções terão um grande impacto na economia russa, bem como nos  estados da Ásia Central , mas também afetarão negativamente a população europeia, que verá os preços da energia e dos alimentos aumentarem ainda mais. Até agora, o Ocidente decidiu não intervir com força militar direta ou tentar estabelecer uma “zona de exclusão aérea”.

Reconhece-se, sensatamente, que tal intervenção poderia se transformar em uma guerra em grande escala entre os Estados Unidos e a Rússia, cujas consequências são impensáveis, dadas as  capacidades de armas nucleares  de ambos os países. Sem qualquer outro tipo de resposta, o Ocidente – como aconteceu com a intervenção russa na Síria em 2015 – teve que aceitar as ações de Moscou.

Para entender a atual situação global, aqui estão seis teses sobre o estabelecimento da ordem mundial nos moldes dos EUA de 1990 até a atual fragilidade dessa ordem diante do crescente poder russo e chinês. Essas teses são extraídas de nossa análise no  dossiê no. 36  (janeiro de 2021), “Crepúsculo: a erosão do controle dos EUA e o futuro multipolar”. Eles são destinados à discussão e, portanto, o feedback sobre eles é muito bem-vindo.

Tese Um: Unipolaridade. Após a queda da União Soviética, entre 1990 e 2013-15, os Estados Unidos desenvolveram um sistema mundial que beneficiou corporações multinacionais sediadas nos Estados Unidos e nos outros países do G7 (Alemanha, Japão, Reino Unido, França, Itália e Canadá). Os eventos que definiram o poder esmagador dos EUA foram as invasões do Iraque (1991) e da Iugoslávia (1999), bem como a criação da Organização Mundial do Comércio (1994). A Rússia, enfraquecida pelo colapso da URSS, buscou entrar nesse sistema juntando-se ao G7 e colaborando com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) como um “Parceiro para a Paz”. Enquanto isso, a China, sob os presidentes Jiang Zemin (1993-2003) e Hu Jintao (2003-2013), jogou um jogo cuidadoso ao inserir seu trabalho no sistema global dominado pelos EUA e não desafiar os EUA em suas operações.

Tese Dois: Crise de Sinal . Os EUA ultrapassaram seu poder por meio de duas dinâmicas: primeiro, superalavancando sua própria economia doméstica (bancos superalavancados, ativos não produtivos mais altos do que ativos produtivos); e segundo, tentando travar várias guerras ao mesmo tempo (Afeganistão, Iraque, Sahel) durante as duas primeiras décadas do século XXI. As crises de sinal para a fraqueza do poder dos EUA foram ilustradas pela invasão do Iraque (2003) e o desastre dessa guerra pela projeção de poder dos EUA, e a crise de crédito (2007-08). A polarização política interna nos EUA e uma crise de legitimidade na Europa seguiram esses desenvolvimentos.

Tese Três: Emergência sino-russa . Na segunda década dos anos 2000, por diferentes razões, tanto a China quanto a Rússia emergiram de sua relativa dormência.

A emergência da China tem dois pontos a considerar:

  1. A economia doméstica da China. A China acumulou superávits comerciais maciços e, ao lado deles, acumulou  conhecimento científico e tecnológico por meio de seus acordos comerciais e seu investimento no ensino superior. As empresas chinesas de robótica, alta tecnologia, ferrovias de alta velocidade e energia verde ultrapassaram as empresas ocidentais.
  2. As relações externas da China. Em 2013, a China anunciou a Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI), que propunha uma alternativa à agenda de desenvolvimento e comércio do Fundo Monetário Internacional, impulsionada pelos EUA. O BRI se estendeu da Ásia para a Europa, bem como para a África e a América Latina.

A Rússia também emergiu em dois pontos:

  1. A economia doméstica da Rússia. O presidente Vladimir Putin lutou contra alguns setores dos grandes capitalistas para afirmar o controle estatal dos principais setores de exportação de commodities e os usou para construir ativos estatais (principalmente petróleo e gás). Em vez de apenas sugar ativos russos para suas contas bancárias no exterior, esses capitalistas russos concordaram em subordinar parte de suas ambições à reconstrução do poder e da influência do Estado russo.
  2. Relações externas da Rússia. A partir de 2007, a Rússia começou a se afastar da agenda global ocidental e conduzir seu próprio projeto, primeiro por meio da agenda do BRICS (Brasil-Rússia-Índia-China-África do Sul) e depois por meio de relações cada vez mais estreitas com a China. A Rússia alavancou sua exportação de energia para assegurar o controle de suas fronteiras, o que não havia feito quando a Otan se expandiu em 2004 para absorver sete países que estão perto de sua fronteira ocidental. A intervenção russa na Crimeia (2014) e na Síria (2015) usou sua força militar para criar um escudo em torno de seus portos de águas quentes em Sebastopol (Crimeia) e Tartus (Síria). Este foi o primeiro desafio militar aos EUA desde 1990.

Nesse período, China e Rússia aprofundaram sua cooperação em todos os campos.

Tese Quatro: Doutrina Monroe Global . Os Estados Unidos tomaram sua Doutrina Monroe de 1823 (que afirmava seu controle sobre as Américas) globalmente e propuseram nesta era pós-soviética que o mundo inteiro fosse seu domínio. Começou a se opor à afirmação da China (o pivô de Obama para a Ásia) e da Rússia (Russiagate e Ucrânia). Essa Nova Guerra Fria impulsionada pelos EUA, que inclui guerra híbrida por meio de sanções contra 30 países como Irã e Venezuela, desestabilizou o mundo.

Tese Cinco: Confrontos . Os confrontos acelerados pela Nova Guerra Fria inflamaram a situação na Ásia – onde o Estreito de Taiwan continua sendo uma zona quente – e na América Latina – onde os Estados Unidos tentaram  criar  uma guerra quente na Venezuela (e tentaram, mas não conseguiram projetar seu  poder  em lugares como a Bolívia). O  atual conflito na Ucrânia– que tem a sua origem em muitos fatores, incluindo o fim do pacto plurinacional ucraniano – é também sobre a questão da independência europeia. Os EUA usaram a “OTAN Global” como um cavalo de Tróia para exercer seu poder sobre a Europa e mantê-la subordinada aos interesses dos EUA, mesmo que prejudique os europeus, pois eles perdem suprimento de energia e gás natural para a economia alimentar. A Rússia violou a soberania territorial da Ucrânia, mas a OTAN criou algumas das condições que aceleraram esse confronto – não para a Ucrânia, mas para seu projeto na Europa.

Tese Seis: Crise Terminal . A fragilidade é a chave para entender o poder dos EUA hoje. Não diminuiu drasticamente, nem permanece incólume. Existem três fontes de poder dos EUA que são relativamente intocadas:

(1) Poder militar esmagador. Os Estados Unidos continuam sendo o único país do mundo capaz de bombardear e enviar qualquer um dos outros estados membros da ONU para a Idade da Pedra.
(2) O regime Dólar-Wall Street-FMI. Devido à dependência global do dólar e ao sistema financeiro global denominado em dólar, os EUA podem usar suas sanções como uma arma de guerra para enfraquecer os países ao seu gosto.
(3) Poder Informativo. Nenhum país tem controle tão decisivo sobre a internet, tanto sua infraestrutura física quanto suas empresas quase monopolistas (como Facebook e YouTube, que removem qualquer conteúdo e qualquer provedor à vontade); nenhum país tem tanto controle sobre a formação das notícias mundiais devido ao poder de seus serviços de notícias (Reuters e Associated Press) quanto às principais redes de notícias (como a CNN).

Existem outras fontes de poder dos EUA que estão profundamente enfraquecidas, como seu cenário político, profundamente polarizado, e sua incapacidade de mobilizar seus recursos para enviar a China e a Rússia de volta para dentro de suas fronteiras.

Os movimentos populares precisam aumentar nosso próprio poder, organizando as pessoas em organizações poderosas e em torno de um programa que tenha a capacidade de responder aos problemas imediatos de nosso tempo e à questão de longo prazo de como fazer a transição para um sistema que possa transcender o apartheids do nosso tempo: apartheid alimentar, apartheid médico, apartheid educacional e apartheid monetário. Transcender esses apartheids nos leva para fora desse sistema capitalista para o socialismo.

Vijay Prashad, historiador, jornalista e comentarista indiano, é diretor executivo do  Tricontinental: Institute for Social Research e editor-chefe da Left Word Books.

Este artigo foi publicado originalmente em: Tricontinental: Institute for Social Research . 

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!