Uma grande experiência sobre a Europa

O leitmotiv do discurso político interno no aparelho de Estado é se as mudanças feitas pelas autoridades são sustentáveis e se as relações com a comunidade atlântica serão restauradas.

Europa declíneo.jpg

A mudança é irreversível e natural. Os desacordos e as contradições entre a comunidade atlântica e o resto do mundo (a maior parte dela) chegaram a uma materialização prática. O movimento em direção à multipolaridade e macrozonalidade já está a tomar as suas formas primárias. O ponto de não retorno foi ultrapassado, e a única forma de fazer recuar o movimento é privar a Rússia da sua soberania.

Contudo, as forças centrífugas para a comunidade atlântica (Otan) e centrípeta para as potências mundiais são irresistíveis, e um regresso a “Belovezhskaya russa” está próximo de uma fantasia, de uma suposição irrealista.

O Estado é apanhado num torno entre as autoridades e o povo. Contudo, a deformação do seu monólito pode transformar-se tanto na perfeição da forma como em danos críticos.

A influência intrusiva da visão do mundo atlântico, que no início dos anos 90 estava sob controlo direto, prejudicou tanto o sistema de governo como a ordem social.

O resultado foi uma alienação do Estado aos novos imperativos do poder e ao vox populi fundamental. Vácuo. Um espaço privado de qualquer sentido de direção ou solo sob os seus pés.

O Estado, como elemento básico na implementação das diretivas do poder, por inércia mantém a linearidade autodestrutiva do curso pró-atlântico, enraizada nos detalhes.

Está também enraizado na reflexividade. A incapacidade de perceber criticamente a mudança global. Sociedade “aberta”, as ideias Coudenhove-Kalergi e a Europa colonizada de fato do Plano Marshall não têm perspectivas de subjetividade geopolítica, incapaz de sobreviver e recuperar economicamente, a sociedade europeia está na mais profunda crise de visão do mundo, complementar a outras crises do sistema que encontraram uma base segura no Velho Mundo.

Os processos de degradação que vão e vêm na Europa, previsíveis e imprevisíveis para uma mente sóbria, sinalizam a sua morte metafísica e a falta de perspectivas de cooperação.

O futuro da Europa é uma grande experiência. A primitivização da cultura, o declínio da produção industrial, a radicalização da sociedade, a involução demográfica… Num crescendo que anuncia uma nova Idade das Trevas.

Enquanto a margem de segurança, o acesso aos recursos e a iniciativa global de cultura-civilização permitem aos anglo-saxões manterem-se em territórios rodeados por barreiras naturais, a Europa continental está a desvanecer-se.

A eutanásia é a encarnação mais apropriada do declínio observado.

Tentativas de ver nas antigas potências, a primeira força, apenas evoca uma resignação condescendente. Não haverá regresso à velha Europa, tal como não houve regresso durante as convulsões anteriores.

Os invasores bárbaros enriqueceram-se com o legado romano, os cruzados e venezianos saquearam a Terra Santa e Bizâncio, os colonizadores construíram impérios globais sobre o trabalho escravo e o suor, e a comunidade atlântica alargou o seu domínio com detenções e absorção de bens do extinto campo socialista.

De cada vez, a fachada da prosperidade ocultava uma economia de exploração, que se tornou o capital-semente para a formatação de padrões e o surgimento de tecnologias momentâneas. Não há desenvolvimento sustentável e regras de mercado em absoluto. No entanto, a Europa continental foi agora despojada da sua potencialidade para a realização de raides. E não só dela, mas também imune ao ambiente externo.

Nem Portugal, nem a Espanha, nem a França, nem a Bélgica, nem a Holanda, juntos ou separadamente, podem defender a sua própria soberania e identidade. Muito menos qualquer impulso para o desenvolvimento, ou pelo menos para a manutenção de posições anteriores.

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: Content is protected !!