Uma inexplicável falta de urgência paralisa a campanha de vacinação do Japão

vacinação
Enfermeiras aguardam para processar as pessoas que chegam para receber a vacina Moderna COVID-19 no centro de vacinação em massa recém-inaugurado em Tóquio na segunda-feira. | Pool / VIA REUTERS

O ritmo da implantação da vacinação no Japão é imperdoável. Há muitas explicações para os atrasos, mas a resposta é simples: o governo japonês não abordou esse problema com urgência.

Isso é inexplicável. O Japão tem sorte de que mais pessoas não morreram por causa do ritmo glacial da campanha de vacinação, mas não devemos confiar na sorte. A sorte pode acabar, e geralmente acaba.

Até 25 de maio, o Japão distribuiu 10 milhões de doses da vacina contra o coronavírus e vacinou totalmente 2,93 milhões de pessoas, apenas 2,9% da população. Pelo menos 6,61 milhões de pessoas receberam pelo menos uma dose até segunda-feira, colocando a média diária em menos de 400.000 pessoas. Esses números colocam o Japão em 30º, ou último, entre os membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, o grupo das nações industrializadas.

O governo japonês disse que pretende vacinar totalmente todas as pessoas com 65 anos ou mais que desejam receber a vacina até o final de julho, um atraso de um mês em relação à meta original. Isso exigiria mais do que o dobro das inoculações diárias, para 1 milhão. Não surpreendentemente, cerca de 15% dos governos locais dizem que não serão capazes de atingir a nova meta.

Existem muitas razões para esses números abismais. O Japão demorou a adquirir vacinas. As empresas farmacêuticas do Japão abandonaram a fabricação de vacinas, julgando-as um uso inadequado de recursos. Como resultado, o Japão teve que importar seus produtos, e isso significava que tinha que competir com outros governos por suprimentos.

A nação garantiu 344 milhões de doses, o suficiente para cobrir toda a população, no entanto. Serão entregues durante todo o ano, mas já há doses em freezers, esperando para serem utilizadas.

Os atrasos foram agravados por um processo de aprovação lento. Quase todos os países aceleraram o processo de revisão e autorização da vacina COVID-19. O Japão resistiu, exigindo ensaios clínicos domésticos, embora tenha sido rápido em aprovar os medicamentos assim que os testes foram concluídos.

Agora o problema é utilizar os recursos disponíveis. As regras médicas são rígidas sobre quem pode administrar as injeções. Normalmente, apenas médicos e enfermeiras podem fazer isso. O governo alterou os procedimentos para permitir que dentistas, bem como médicos e enfermeiras das Forças de Autodefesa administrem a vacina também, mas isso não será suficiente. O governo está estudando planos para autorizar paramédicos (640.000 no Japão), tecnólogos clínicos (200.000) e farmacêuticos (outros 300.000) a administrar injeções.

Os programas de vacinação são administrados por municípios, portanto, as diretrizes de Tóquio não serão suficientes. O governo central deve fazer mais para capacitar as localidades para a distribuição de vacinas. Deve facilitar a coordenação entre os governos locais e as instituições médicas que administram vacinas. Deve identificar novas maneiras de motivar os profissionais de saúde a participarem e de encorajar os cidadãos a tomarem suas vacinas. Deve ajudar a desenvolver sistemas de marcação de consultas e garantir que os cidadãos com problemas de mobilidade não sejam deixados de fora.

O governo de Tóquio desenvolveu forças-tarefa para esse esforço de coordenação, mas, novamente, é preciso haver mais compreensão das necessidades e limites locais, mais criatividade e mais urgência.

Esse último fator parece estar faltando. Enquanto o Japão foi um dos primeiros países a enfrentar a pandemia COVID-19 no ano passado – quando teve que lidar com o surto no navio de cruzeiro Diamond Princess, no qual 712 pessoas de 3.711 a bordo do navio foram infectadas e 14 passageiros morreram – é a experiência subsequente sugeriu que o país controlou a situação.

Até 25 de maio, o Japão tinha 727.000 casos e quase 12.500 mortes, mais da metade deles ocorrendo desde fevereiro. O Japão teve baixas taxas de infecção em comparação com muitos países ocidentais, com números de mortalidade correspondentemente baixos. Ninguém sabe por quê.

Seja qual for a explicação, a imunidade acabou. O Japão enfrenta um número recorde de novos casos diariamente e os hospitais estão atingindo sua capacidade máxima. As inoculações são necessárias para conter a maré; evidências de outros países mostram que as infecções diminuem notavelmente quando 20% da população recebe pelo menos uma dose.

O próximo desafio, então, é convencer o público japonês a tomar a vacina quando ela estiver disponível. Isso será mais difícil do que deveria ser.

O Japão tem as taxas de confiança mais baixas em vacinas do mundo, com apenas 30% dos japoneses dizendo que “concordam fortemente” que as vacinas são seguras e eficazes; de acordo com uma pesquisa da NHK do ano passado. E mais de um terço dos japoneses disseram que não queriam receber a vacina anti-COVID-19. Pior, um número crescente de pessoas no Japão não acredita que as vacinas sejam eficazes.

Ainda assim, as pesquisas mostram que mais de 60% do público receberá as vacinas quando estiverem disponíveis. Esses são números encorajadores, mas não são grandes o suficiente. O governo deve lançar uma campanha que combata a desinformação sobre os efeitos colaterais da vacina COVID-19 e deixar claros os benefícios de levar a vacina. A mídia e as personalidades serão os componentes principais de qualquer sucesso, já que é essencial conseguir que os japoneses mais jovens (na faixa dos 20 e 30 anos) possam vacinar.

Os Jogos Olímpicos de Verão de 2021, antes considerados uma grande oportunidade para o Japão, turvaram a situação. O compromisso de realizar os jogos antagonizou muitos japoneses, que acreditam que o governo está colocando o prestígio das Olimpíadas acima da saúde nacional. A maioria agora é favorável ao cancelamento do evento, mas o governo continua insistindo que os jogos podem e devem ser realizados. Logo demorará muito para decidir o contrário.

Dada a confusão e o cansaço desencadeados pelo contínuo estado de emergência, há uma mensagem simples que o governo pode transmitir para aumentar a aceitação pública. “Vacinem e a vida pode voltar ao normal” pode ser a motivação de que o país precisa.

Fonte: Japan Times

Compartilhar:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: Content is protected !!