Vacinação contra coronavírus na Rússia pode seguir cenário militar, diz cientista

A vacinação contra o coronavírus poderá ser utilizada apenas em relação àqueles que trabalham em áreas afetadas por infecção

Foto: Reprodução

A Rússia pode optar por um cenário militar de vacinação contra o coronavírus: ela será usada apenas em pessoas que trabalham em áreas afetadas por infecções, e não em toda a população, disse Sergei Kolesnikov, membro da Academia Russa de Ciências, ao diário Parlamentskaya Gazeta em uma entrevista.

“O motivo é que existe uma regra especial de registro de medicamentos e vacinas em situação de emergência. Não está descartado que possamos optar pelo cenário militar, tendo em vista a alta taxa de infecção e mortalidade. Nesse caso, a vacinação será aplicada para não toda a população, mas parte do contingente ameaçado – aqueles que trabalham no centro de focos de infecção por coronavírus também, como pessoas que provavelmente experimentam a forma grave da doença”, disse Kolesnikov.

Na Rússia, existem vários cenários para vacinação contra o coronavírus. Se o militar for escolhido, a vacinação pode começar no outono ou no início do inverno. Kolesnikov destacou que não é um método tradicional.

Se a Rússia decidir a favor dos procedimentos tradicionais, a vacina poderá começar não antes do final deste ano ou do início do próximo ano. Nesse caso, a vacina mais competitiva será selecionada primeiro. Então, sua produção começará, o que também não é um processo rápido.

“Grandes capacidades de produção devem ser criadas para produzir doses suficientes – 8 a 10 milhões por ano. Sob a abordagem correta, serão necessárias 70 milhões de doses para atingir imunidade suficiente do rebanho”, disse Kolesnikov.

Ele acrescentou que a vacinação não seria obrigatória, porque a Rússia não possui legislação apropriada.

“Tudo vai depender se a taxa de mortalidade do COVID-19 será alta. Neste momento, está um pouco acima da mortalidade sazonal da gripe, porque existem vacinas e imunidade de rebanho contra a gripe”, acrescentou.

O ministro da Saúde da Rússia, Mikhail Murashko, em 13 de abril, disse à Duma do Estado que as primeiras vacinas contra o coronavírus serão criadas na Rússia no final de julho.

Fonte: Agência Tass

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 17 =