Venezuela instala Conselho de Defesa em sessão permanente contra política extremista dos EUA

O órgão estará encarregado de consolidar a paz, fortalecer as instituições e defender a democracia venezuelana.

O líder venezuelano denunciou que os EUA Tem um plano permanente contra a Venezuela, cuja última fase foi a mais extrema. | Editorial: Imprensa presidencial

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, declarou em sessão permanente o Conselho Nacional de Defesa e Segurança para enfrentar a política extremista e golpista dos Estados Unidos (EUA) e consolidar a paz no país.

A instalação do Conselho de Defesa foi realizada na Sala Simón Bolívar do Palácio de Miraflores, na capital Caracas, onde participaram representantes de todas as autoridades públicas.

O presidente enfatizou que o trabalho do Conselho de Segurança será avaliar e equilibrar os pontos fortes do Estado, as tarefas de cada poder público, o poder constituinte e o povo para avançar na estabilidade política do país.

Da mesma forma, a agência estará encarregada de “consolidar a paz e promover um plano para fortalecer as instituições e a defesa permanente da democracia venezuelana”.

“Não há estabilidade política ou a democracia se não há o povo, os inimigos da Pátria, os líderes do golpe não pode fazer nada, mas se houver pessoas, haverá estabilidade política para o país”, disse ele.

Política extremista dos EUA

O Presidente Nicolás Maduro explicou que os EUA tem um plano permanente para atacar a Venezuela que o país enfrentou em todas as suas fases. “Agora, estamos diante de uma política muito especial, extremista e dirigida pelo golpe, que foi promovida contra a Venezuela nos Estados Unidos”, explicou.

Nesse sentido, ele indicou que o governo dos EUA tentou impor um esquema extremista contra a Venezuela para derrubar um governo democraticamente eleito e destruir o Estado. “Quando falamos de golpe de Estado é a destruição do Estado, não apenas a tentativa de derrubar o presidente legítimo, tentativa fracassada, que continuará a falhar, sem destruir o Estado, afetar a vida social e a sociedade, e tomar o poder político, econômico, militar, mídia do nosso país “, disse ele.

Fonte: Telesur

Compartilhar:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − dezessete =