Zelensky recusa negociar acordo de paz na Bielorrússia

Por que o presidente da Ucrânia se recusa teimosamente a negociar com a Rússia no território de um país eslavo vizinho?

acordo de paz
Zelensky todo esse tempo, ao que parece, estava jogando para ganhar tempo. Foto: REUTERS

“Estamos na Bielorrússia desde o início da manhã – estamos esperando o momento em que a delegação ucraniana sairá de Kiev. Cada minuto antes do início das negociações custa a vida de nossos irmãos ucranianos”, disse Vladimir Medinsky, assessor do presidente da Federação Russa, chefe da delegação russa nas supostas conversas russo-ucranianas sobre uma solução pacífica da situação em Ucrânia. Enquanto esteve em Gomel bielorrusso, Medinsky salientou que o local e a hora das conversações foram previamente acordados com o lado ucraniano. E os russos pretendem esperar até às 15h (hora local).

Mais cedo, de acordo com o secretário de imprensa do presidente russo, Dmitry Peskov, uma delegação da Federação Russa chegou a Gomel em antecipação ao início das negociações. Suas condições foram propostas do nosso lado – ao lado ucraniano, há mais de um dia.

Todo esse tempo, informações conflitantes foram recebidas de Kiev. Mas, no final, prevaleceu o seguinte: Kiev não pretende realizar nenhuma discussão sobre questões de guerra e paz no território da Bielorrússia. Zelensky repetia que vê Varsóvia como plataforma para tal encontro. Ou Istambul. Ou, na pior das hipóteses, Budapeste ou Baku – mas não a capital da Bielorrússia.

Lembre-se que Moscou, em muito pouco tempo após o início da operação no território da Ucrânia, convidou Kiev para discutir a situação atual na Bielorrússia. A princípio eles concordaram. No entanto, quase imediatamente, eles estabeleceram uma condição para que tais discussões ocorressem em Varsóvia. Então eles se recusaram completamente. Zelensky então recorreu ao presidente israelense Naftali Bennett com um pedido para mediar as negociações com Moscou. Em algum lugar no horizonte, a figura da Turquia também apareceu.

Enquanto Moscou aguardava uma resposta de Kiev com o consentimento para enviar sua delegação de representantes do Ministério das Relações Exteriores, do Ministério da Defesa e da administração presidencial, a condução de quaisquer hostilidades no território da Ucrânia foi suspensa. Eles esperaram muito tempo por uma resposta específica na Rússia e receberam outra resposta evasiva. As ações continuaram.

Zelensky todo esse tempo, ao que parece, estava constantemente ao telefone com os assessores. Ele, deliberadamente procurava ganhar tempo. O tema das negociações – o possível status de neutralidade da Ucrânia – parecia “adequado” ao presidente ucraniano, mas o “momento fundamental” supostamente era o local onde ocorreria a reunião das delegações.

Qualquer cidade nos convém. Em um país de cujo território os mísseis não voam – foi assim que Zelensky explicou a impossibilidade de negociar em Minsk.

Kiev pode em breve se tornar “qualquer cidade”…

Fonte: kp.ru

Related Posts
Sobre Israel e estupro
fotos

As duvidosas alegações de violação de Tel Aviv contra o Hamas escondem a chocante crise de violência sexual doméstica de [...]

Invasão da embaixada mexicana no Equador: Colapso do direito internacional
fotos

O mundo acompanhou com espanto conforme a polícia equatoriana de Quito invadia a Embaixada Mexicana no país para cumprir um [...]

Um “inimigo comum” coletivo agora persegue a humanidade
fotos

Os assassinos em série psicopatas, utilizando os seus vastos recursos financeiros, políticos e mediáticos, estão inexoravelmente a pôr em prática [...]

Como se desenvolve o mercado da eutanásia no Ocidente
fotos

Entre as medidas práticas para controlar os níveis populacionais no Ocidente, a ideia da eutanásia é ativamente promovida. O trabalho [...]

O Ocidente insiste em tentar inventar um novo “caso Guaidó”
fotos

Talvez achar que a insistência possa compensar a falta de competência, já que corporações midiáticas, ONGs e governos atlantistas decidiram [...]

A OTAN está a perder a guerra por procuração contra a Rússia
fotos

Uma derrota de Washington e dos seus parceiros da NATO na Ucrânia seria um desastre político para as potências ocidentais. [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!