80 tiros-Família e advogado de catador morto pelo Exército afirmam que houve descaso do Estado

Segundo familiares não foi cumprida a ordem judicial de transferência da vítima atingida por militares no domingo (7)

fotos
Luciano Macedo tentou salvar família em carro atingido por 80 tiros por militares do Exército / Reprodução

A família do catador Luciano Macedo, de 27 anos, morto nesta quinta-feira (18), está indignada duplamente com a conduta e o descaso das autoridades públicas. Segundo o advogado da família, João Tancredo, havia uma determinação judicial de transferência da vítima, mas essa decisão não foi cumprida pelo hospital e pelos médicos do hospital de Marechal Hermes, no Rio de Janeiro. Luciano foi atingido por militares no último domingo (7), quando tentou salvar o músico Evaldo Santos Rosa, que teve o carro atingido por mais de 80 tiros por oficiais do Exército no bairro de Guadalupe.

“As medidas jurídicas serão tomadas, primeiro em relação ao não cumprimento da ordem judicial e a execução de multas que foram fixadas. Depois, vamos representar contra os médicos que fizeram uma cirurgia não autorizada que agravou o estado de saúde do Luciano, levando à morte, e também contra a direção do hospital”, contou Tancredo, acrescentando que vai entrar com ação de indenização moral e de danos morais contra a União, já que Luciano deixou a mãe e a mulher grávida.

Procurada pelo Brasil de Fato, a Secretaria de Saúde do Estado do Rio disse em nota que “todos os esforços clínicos necessários foram realizados com o objetivo de oferecer o melhor atendimento ao paciente”.

Execução

Especialista em segurança pública, cientista política e antropóloga, a professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) Jacqueline Muniz disse ao Brasil de Fato que a morte do catador Luciano Macedo “não se tratou de um acidente ou de incidente, mas de execução”.

“Na tragédia do fuzilamento, vidas conseguiram sair vivas porque a incompetência decisória foi corrigida pela incapacidade de atirar. Se eles soubessem atirar como agentes das Forças Armadas, não teria sobrado ninguém. Então, observe a desproporção e o exagero inaceitável”, criticou a especialista.

Presidente da organização não governamental Rio de Paz, Antonio Carlos Costa responsabilizou o Estado pelas mortes de Evaldo e de Luciano. No caso do catador, que passou os últimos 10 dias internado no Hospital Carlos Chagas, na zona norte do Rio, ele afirma que houve dupla negligência, primeiro quando os militares ignoraram a agonia da vítima e depois pelo tratamento recebido nos últimos dias

“É uma morte causada pelo Brasil. Quem atirou nele foram soldados do Exército, três tiros nas costas de quem iria socorrer as vítimas. Depois, o Exército ignorou a agonia da vítima, que implorava por ajuda após ser atingida pelos disparos. O Estado também ignorou o desespero da família. Era para ele ter tido o melhor atendimento médico, as melhores condições hospitalares, uma vez que essa morte foi causada por uma ação do Estado brasileiro”, disse Antonio Carlos.

Índices

Nesta quinta-feira (18), o Instituto de Segurança Pública (ISP) divulgou que o índice de mortes por intervenção de agentes públicos aumentou 18% em relação ao mesmo período do ano passado – 109 em março de 2018 e 129 em março de 2019.

Ouvidor da Defensoria Pública do Rio de Janeiro (DPRJ), Pedro Strozenberg disse que a morte de Luciano se soma à sucessão de episódios trágicos provocados pela legitimação e estímulo governamental a esse tipo de atitude de agentes públicos de segurança.

“Era um rapaz pobre, num bairro pobre e conflituoso, que se dispôs a fazer uma ação solidária no meio de um cenário adverso e temerário de tiros, crianças chorando, mulheres correndo. Vivemos uma lógica em que é mais decisivo atirar e perguntar depois, no estímulo de uma fala governamental autorizando esse tipo de postura. É um cenário preocupante e assustador. Essa morte é o símbolo de uma falência do Rio de Janeiro e ela precisa nos motivar a reagir de forma pacífica e exigir justiça”.

Responsabilidades

A prisão de agentes que participaram da ação que resultou na morte de inocentes no último dia 7 não satisfaz a sociedade, segundo a cientista política Jacqueline Muniz. Ela cobra a responsabilização de todo o comando responsável pelos acontecimentos. Muniz lembrou que os militares faziam um serviço de patrulhamento e guarda da Vila Militar, que fica próxima ao bairro de Guadalupe.

“É preciso que venha a público toda a cadeia de comando e controle militar responsável pelo patrulhamento corporativo nas vilas militares. Trata-se de um condomínio. É um condomínio militar, mas é condomínio. Portanto, há comando, há oficiais, suboficiais e praças, e não só aqueles que atiraram. Queremos saber qual o padrão de tiro, qual é o treinamento dessas pessoas, se esses armamentos são adequados, se os procedimentos operacionais são de patrulha urbana. Tudo isso precisa vir à público, é isso que faz parte do mundo da república, uma vez que a missão das Forças Armadas é uma missão concedida pela sociedade, e a sociedade cobra por essas vidas”, questionou Muniz.

Do Brasil de Fato

Related Posts
Como Eduardo Bolsonaro e comitiva articulam com parlamentares dos EUA punições ao Brasil
fotos

Comitiva bolsonarista passa uma semana nos EUA e tenta convencer republicanos e lobistas de que Brasil viveria ditadura

Brasil não cumpre decisões da Corte Interamericana sobre polícia e Forças Armadas
fotos

Tribunal internacional condenou novamente o país por crimes cometidos por policiais militares

Denunciado por incitação, bolsonarista agora se diz apoiador de Boulos e do PT
fotos

“Segunda-feira eu tô lá em Brasília levando o capacete para o presidente [Lula]”, diz em um vídeo no Instagram um [...]

Teologia do domínio é mais perigosa para democracia que bolsonarismo, diz historiador
fotos

Em meio ao avanço de investigações da Polícia Federal sobre as suspeitas de um plano de golpe de Estado por [...]

PEC dos militares na política: Mourão junta oposição para frear mudanças em candidaturas
fotos

Até terça-feira (20), o Palácio do Planalto contava com a volta das sessões no Congresso para fazer avançar a despolitização [...]

A coragem de Lula e o vira-latismo da mídia
fotos

A declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a similaridade entre o extermínio do povo palestino que Israel [...]

Compartilhar:

Deixe um comentário

error: Content is protected !!